SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.26 número2Factores de risco relacionados com as várias fases da “carreira” de fumador: Implicações para a prevençãoO consumo de tabaco numa instituição universitária: Prevalência e características do fumador índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Análise Psicológica

versão impressa ISSN 0870-8231

Aná. Psicológica v.26 n.2 Lisboa abr. 2008

 

Hábitos tabágicos dos pais de alunos do 1.º Ciclo do Ensino Básico: Implicações para a intervenção

 

Hugo Campos (*)

José Precioso (**)

Maria Graça Pereira (**)

Catarina Samorinha (**)

 

RESUMO

A evidência de que a exposição ao Fumo Ambiental do Tabaco (FAT) é prejudicial para a saúde, em todas as fases da vida do ser humano, particularmente na infância, é consistente, robusta e consensual. Os principais responsáveis pela exposição das crianças ao fumo ambiental do tabaco no domicílio são os pais. Os objectivos deste artigo são: 1) Caracterizar os hábitos tabágicos dos pais/mães dos alunos; 2) Determinar a prevalência de pais/mães, que fumam no domicílio; 3) Identificar alguns factores sócio-demográficos relacionados com o consumo de tabaco no domicílio; 4) Relacionar as opiniões dos pais/mães da amostra, relativamente ao tabagismo activo e passivo, com os hábitos tabágicos. O estudo realizou-se no final do ano lectivo de 2006/2007, consistindo na aplicação de um questionário anónimo de auto preenchimento a uma amostra constituída por um total de 515 pais (272 mães e 243 pais), de alunos com idades entre sete e dez anos. São elevadas as percentagens de pais fumadores que fumam em casa, pondo em risco a sua saúde e dos conviventes, especialmente a dos seus filhos. Este estudo mostra a necessidade de todos os que lidam com pais fumadores ajam, no sentido de proteger as crianças desta agressão.

Palavras-chave: Fumo passivo, protecção das crianças, prevenção do tabagismo, promoção e educação para a saúde.

 

ABSTRACT

The evidence that exposure to Environmental Tobacco Smoke (ETS) is health damaging, in all stages of human life, particularly during childhood, is consistent, strong and has consensus. The main responsible for child exposure to environmental tobacco smoke at home are the parents. The goals of this paper are: 1) To determine the prevalence of the sample students’ fathers/mothers who smoke at home; 2) To identify some social-demographical factors related to tobacco consumption by the students’ fathers/ mothers, at home; 3) To relate fathers/mothers’ opinion regarding active and passive smoking with their tobacco consumption. The study took place in the end of the 2006/ 2007 school year, consisting on the application of a self-filling anonymous questionnaire to a sample of 515 parents (272 mothers and 243 fathers), parents of students aged between seven and ten years old. The main conclusion that can be drawn from this study is that there is a high percentage of smoking parents who smoke at home, putting their health and the health of the ones who live with them at risk, especially their children. This study shows the need for everyone who deals with smoking parents (paediatricians, family doctors, teachers, etc.) to act accordingly to protect children from this aggression. Implications for action are discussed.

Key words: Passive smoking, children protection, tobacco smoking prevention, health promotion and education.

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CEPA: Air Resources Board (2005). Proposed Identification of Environmental Tobacco Smoke as a Toxic Air Contaminant, acedido em 05-10-2007, http://repositories.cdlib.org/tc/surveys/CALEPA2005.

INE (2006). 4.º Inquérito Nacional de Saúde - 2005/2006, acedido em 06-08-2007, http://www.ine.pt/ngt_server/attachfileu.jsp?look_parentBoui=6487190&att_display=n&att_download=y.

Jarvis, M. J., Goddard, E., Higgins, V., Feyerabend, C., Bryant, A., & Cook, D. G. (2000). Children’s exposure to passive smoking in England since the 1980s: cotinine evidence from population surveys. BMJ, 321, 343-345.

Lei n.º 37/2007 – promulgada a 14 de Agosto, no Diário da República, 1.ª série, N.º 156.

Lieu, J., & Feinstein, A. (2002). Effect of gestational and passive smoke exposure on ear infections in children. Archives of Pediatrics and Adolescent Medicine, 156, 147-154.

OMS (1999). International consultation on environmental tobacco smoke and child health. Retirado da internet em 02-11-2007, http://www.who.int/tobacco/research/en/ets_report.pdf.

Pamplona, P. (2006). Intervenção na prática clínica. In E. Pestana (Coord.), Tabagismo do diagnóstico ao tratamento (pp. 101-136). Lisboa: LIDEL, Edições Técnicas, Lda.

Pestana, E. (2006). Tabagismo Passivo. In E. Pestana (Coord.), Tabagismo do diagnóstico ao tratamento (pp. 229-246). Lisboa: LIDEL, Edições Técnicas, Lda.

Precioso, J., Calheiros, J., & Macedo, M. (2005). Exposición de niños a la contaminación ambiental por humo del tabaco en el domicilio. Un estudio transversal en Portugal. Prevención del Tabaquismo, 7 (3), 85-90.

Precioso, J., Macedo, M., & Rebelo, L. (2007). Relação Entre o Tabagismo dos Pais e o Consumo de Tabaco dos Filhos: Implicações para a Prevenção. Revista Portuguesa de Clínica Geral, 23, 259-266.

Raposo, M. S. (2006). Prevenção do Tabagismo. In E. P. Pestana (Coord.), Tabagismo do diagnóstico ao tratamento (pp. 247-266). Lisboa: LIDEL, Edições Técnicas, Lda.

The GTSS Collaborative Group (2006). A cross country comparison of exposure to secondhand smoke among young. Tobacco Control, 14 (2), ii4-ii19.

US Department of Health and Human Services (2006). The Health Consequences of Involuntary Exposure to Tobacco Smoke: A Report of the Surgeon General. U.S. Department of Health and Human Services Office on Smoking and Health. Retirado da Internet em 12-07-2007, http://www.cdc.gov/tobacco/datastatistics/sgr/sgr2006/index.htm.

 

(*) Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa, EPE.

(**) Instituto de Educação e Psicologia da Universidade do Minho.

Toda a correspondência, relativa a este artigo, deverá ser remetida para José Precioso, Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho, Campus de Gualtar, 4710-057, Braga, Portugal. E-mail: precioso@iep.uminho.pt.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons