SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.25 número4Ronald D. Laing: A política da psicopatologia índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Análise Psicológica

versão impressa ISSN 0870-8231

Aná. Psicológica v.25 n.4 Lisboa out. 2007

 

Agorafobia

Perspectivas fenomenológica e existencial

 

Gonçalo Reis (*)

José A. Carvalho Teixeira (**)

 

 

RESUMO

Os autores desenvolvem uma análise fenomenológica e existencial da agorafobia, caracterizando o papel da vivência agorafóbica como ser-aquém-de-si, e referenciando a experiência da vertigem agorafóbica como central para a compreensão do fenómeno. A agorafobia é considerada como um dilema moral na existência que restringe as escolhas em liberdade do indivíduo e a experiência de pânico é analisada seguindo o movimento subjectivo-intersubjectivo demonstrando o seu possível crédito para a psicoterapia existencial, que surge assim como relação terapêutica integrada na mundivivência do indivíduo e que permite a exploração dos pressupostos que sustentam o mundo agorafóbico como possibilidade de existir.

Palavras-chave: Agorafobia, ser-aquém-de-si, vertigem agorafóbica, dilema moral, psicoterapia existencial.

 

ABSTRACT

The authors develop a phenomenological and existential analysis of agoraphobia, characterizing the role of the agoraphobic experience as to-almost-being-oneself, and make reference to agoraphobic vertigo experience as central for the understanding of the phenomena. The agoraphobia is considered as a moral dilemma in existence that restricts the individual’s freedom of choice and the panic experience is analyzed following of the subjective-intersubjective movement demonstrating its possible credit for existential psychotherapy which, as a therapeutical relation, is part of the individual’s lived world of relations and allows the exploration of the assumptions that support the agoraphobic world as a possibility to existence.

Key words: Agoraphobia, to-almost-being-oneself, agoraphobic vertigo, moral dilemma, existential psychotherapy.

 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

 

REFERÊNCIAS BILBIOGRÁFICAS

Carvalho Teixeira, J. A. (1993). Introdução às abordagens fenomenológica e existencial em psicopatologia (I): A psicopatologia fenomenológica. Análise Psicológica, 11 (4), 621-627.

        [ Links ]

Carvalho Teixeira, J. A. (1996). A relação terapêutica em psicoterapias existenciais. In R. Guimarães Lopes, V. Mota, & C. Santos (Eds.), A Escolha de Si-Próprio. Actas do II Encontro de Antropologia Fenomenológica e Existencial (pp. 51-58). Porto: Hospital do Conde de Ferreira.

Carvalho Teixeira, J. A. (1997). Experiência fenomenológica e qualidade existencial da perturbação de pânico. Boletim de Psiquiatria do Barreiro, 2, 33-39.

Carvalho Teixeira, J. A. (1997). Introdução às abordagens fenomenológica e existencial em psicopatologia (II): As abordagens existenciais. Análise Psicológica, 15 (2), 195-205.

Chadwick, P. (1997). Schizophrenia: The Positive Perspective. In Search of Dignity for Schizophrenic People (pp. 2-16). London: Routledge.

Charbonneau, G. (2004). L’être en deçà de Soi ou la hantise phobique de l´outrepassement. In Les Directions de Sens. Phénomenologie et Psychopathologie du Espace Vécu (pp. 115-130). Paris: Le Cercle Hermeneutique, Collection Phéno.

Davison, J. (2004). Phobic Geographies: The phenomenology and spatiality of identity. Aldershot: Ashgate Publishing Press.

Ellenberger, F. H. (1967). Psychiatric phenomenology and existential analysis. In R. May, R. Angel, & F. H. Ellenberger (Eds.), Existence (pp. 110-111). New York: Aronson Publishers.

Garcia-Arroyo, J. M. (2004). Aportaciones de la obra filosófica de Jean-Paul Sartre a la psiquiatria actual. Anales de Psiquiatria, 20 (5), 211-221.

Goodwin, D. W. (1983). Phobia: the Facts. London: Oxford University Press.

Guimarães Lopes, R. (2006). Psicologia da Pessoa e Elucidação Psicopatológica. Porto: Higiomed Edições.

Guimarães Lopes, R. (1996). Ansiedade. Ensaio de antropologia fenomenológica. In R. Guimarães Lopes, V. Mota, & C. Santos (Eds.), A Escolha de Si-Próprio. Actas do II Encontro de Antropologia Fenomenológica e Existencial (pp. 73-94). Porto: Hospital do Conde de Ferreira.

Jaspers, K. (1979). Psicopatologia Geral (Vol. 1). Rio de Janeiro: Livraria Atheneu.

Kierkegaard, S. (1969). O Conceito de Angústia. Lisboa: Editorial Presença.

May, R., Angel, E., & Ellenberger, F. H. (Eds.) (1967). Existence. New York: Aronson.

May, R. (1977). The Meaning of Anxiety. New York: Norton.

Pio Abreu, J. L. (2001). Como tornar-se doente mental. Coimbra: Quarteto Editora.

Santos, C. (1996). Remanência e Includência. In R. Guimarães Lopes, V. Mota, & C. Santos (Eds.), A Escolha de Si-Próprio. Actas do II Encontro de Antropologia Fenomenológica e Existencial. Porto: Hospital do Conde Ferreira.

Santos, N. B. (1997). Funcionamento psicológico do hipocondríaco. Aspectos fenomenológicos. Boletim de Psiquiatria do Barreiro, 2, 29-32.

Vallejo, J. (2006). Introducción a la psicopatologia y la psiquiatria (pp. 390-391). Barcelona: Masson.

Villegas, M. (1995). Psicopatologia de la libertad (I). La agorafobia o la constricción del espacio. Revista de Psicoterapia, 21, 17-40.

 

(*) Mestrando em Relação de Ajuda – Perspectivas da Psicoterapia Existencial, Instituto Superior de Psicologia Aplicada, Lisboa, Portugal.

(**) Instituto Superior de Psicologia Aplicada, Lisboa, Portugal. Sociedade Portuguesa de Psicoterapia Existencial, Lisboa.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons