SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.24 número2Abordagem multidisciplinar no acompanhamento de uma criança com Traumatismo Crânio-EncefálicoActas da V Conferência "Psicologia nos Cuidados de Saúde Primários" (2006) índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Análise Psicológica

versão impressa ISSN 0870-8231

Aná. Psicológica v.24 n.2 Lisboa abr. 2006

 

Satisfação profissional e auto-estima em professores dos 2.º e 3.º ciclos do Ensino Básico

 

 

NEUZA PEDRO (*)

FRANCISCO PEIXOTO (**)

 

 

RESUMO

A relevância e o interesse acerca da satisfação profissional dos professores surge pelo facto de a ela aparecerem associadas variáveis tão importantes como a auto-estima, o bem-estar físico e mental, a motivação, o empenho, o envolvimento, o stresse, absentismo/abandono, o sucesso, a realização profissional dos professores. De igual modo, sabemos também que sentimentos de insatisfação e mal-estar afectam não só professores mas também os alunos, pois o desinvestimento e a falta de motivação dos professores contribui directamente para o desinteresse dos alunos na sala de aula e consequentemente, para a menor qualidade do processo de ensino-aprendizagem.

O objectivo deste trabalho é tentar perceber quais os níveis de satisfação profissional evidenciado pelo professores portugueses, bem como os factores que estão por detrás da verdadeira satisfação profissional, analisando também os efeitos que poderão ter variáveis como o grupo disciplinar a que pertencem os professores e os anos de docência que possuem. Visamos ainda perceber se a satisfação/insatisfação na dimensão profissional do sujeito se repercute na sua auto-estima. Para tal foram utilizados dois instrumentos, a Rosenberg self-esteem scale e o Questionário de Satisfação no Trabalho para Professores. Participaram no presente estudo 79 professores de cinco escolas dos 2.º e 3.º ciclos da região de Vale do Tejo.

A partir dos resultados encontrados concluiu-se que os professores apresentavam baixos níveis de satisfação profissional, sendo essa insatisfação justificada predominantemente por factores socio-políticos. Encontraram-se igualmente diferenças significativas associadas às variáveis em estudo, os Anos de docência e o Grupo disciplinar dos docentes, sendo respectivamente os professores a meio da carreira (7 a 15 anos) e os professores de Educação Artística e Físico-motora, quem revelou níveis superiores de satisfação profissional. No mesmo sentido, foram encontradas fortes correlações entre a satisfação profissional e a auto-estima dos docentes. Concluiu-se igualmente que grande parte da variação registada na auto-estima se associava à dimensão “Alunos”.

Palavras-chave: Professores, satisfação profissional, mal-estar docente, auto-estima.

 

 

ABSTRACT

The relevance and interest about teacher’s job satisfaction come from the fact that it appears associated with such important variables as physical and mental well-being, motivation, pawning and involvement, stress, absenteeism, professional performance and success of the teachers. In the same way, we also know that a poor job satisfaction in teachers, affect not only themselves but also the students; because the disinterest and low teaching performance can directly contribute for the reduction of student’s interest and investment in the classroom and, consequently for the decrease of the quality of the instructional process.

The purpose of the present study is to analyse the levels of job satisfaction of portuguese teachers, as well as the factors behind the real job satisfaction. We also attempt to explore the effects caused by the “years on teaching” and the “subject teached” in the job satisfaction, and try to understand if satisfaction/dissatisfaction in the professional dimension of the self could influence the self-esteem, the global perception of their own value. For that we used two instruments, the Rosenberg self-esteem scale and a Job Satisfaction Questionnaire for teachers. Participants of the present study were 79 portuguese teachers from five 2nd and 3rd cycle schools in Vale do Tejo region.

Results showed that teachers present reduced levels of job satisfaction, and that those levels were predominantly justified by social-political factors. There was also found significant differences associated to the “years on teaching” and “disciplinary group”; the highest levels of job satisfaction were, respectively, presented by teachers in the middle of the career (7 to 15 years) and teaching disciplines of the C Group “Musical Education, Physical Education, Technologic and Visual Education”. In the same sense, a strong correlation was found between teacher’s job satisfaction and teacher’s self-esteem. It was also verified that a large part of the variability of self-esteem was associated with factor 1 (Students dimension).

Key words: Teachers, job satisfaction, teacher’s discouragement, self-esteem.

 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

 

REFERÊNCIAS

Alarcão, I. (1998). Revisitando a competência dos professores na sociedade de hoje. Aprender, 21, 46-50.         [ Links ]

Ávila de Lima, J. M. (1996). O papel do professor nas sociedades contemporâneas. Educação, Sociedade e Cultura, 6, 47-72.

Barros, J., & Neto, F. (1992). Solidão nos professores. Revista Portuguesa de Pedagogia, 26, 1-17.

Bastos, A. (1995). A satisfação profissional de professores estagiários: Adaptação e estudos exploratórios com uma escala de avaliação (ESPP). Revista Portuguesa de Educação, 8, 181-189.

Blaine, B., & Crocker, J. (1993). Self-esteem and self-serving baises on reactions to positive and negative events – An integrative review. In R. F. Baumeister (Ed.), Self-Esteem – The puzzle of low self-regard (pp. 55-84). New York: Plenum Press.

Bellot, F. K., & Tutor, F. D. (1990). A challenge to the conventional wisdow of Herzberg and Maslow theories. Comunicação apresentada no Congresso Annual de Mid-South Educational Research Association, New Orleans.

Cabral, M. V., Vala, J., & Freire, J (2000). Atitudes sociais dos portugueses: Trabalho e cidadania. Lisboa: Instituto das Ciências Sociais da Universidade de Lisboa.

Campbell, J. D., & Lavalle, L. F. (1993). Who am I? The role of self-concept confusion in understanding the behavior of people with low self-esteem. In R. F. Baumeister (Ed.), Self-Esteem – The puzzle of low self-regard (pp. 13-20). New York: Plenum Press.

Castelo-Branco, M. C., & Pereira, A. S. (2001). A auto-estima, a satisfação com a imagem corporal e o bem-estar docente. Psicologia, Educação e Cultura, 5, 335-346.

Chaplain, R. P. (1995). Stress and job satisfaction: A study of english primary school teachers. Educational Psychology, 15, 473-489.

Cordeiro-Alves, F. (1991). Estudo da satisfação/ insatisfação dos professores efectivos do 3.º ciclo do ensino básico e do ensino secundário do distrito de Bragança. Dissertação de Mestrado em Ciências da Educação. Lisboa: Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Lisboa.

Cordeiro-Alves, F. (1994). A (In)satisfação docente. Revista Portuguesa de Pedagogia, 27, 29-60.

Estrela, M. T. (1997). Viver e construir a profissão docente. Porto: Porto Editora, colecção Ciências da Educação.

Esteve, J. M. (1992). O mal-estar docente. Lisboa: Fim do Século Edições.

Ferreira, J. A., Santos, E. R., & Vieira, C. C. (1996). Auto-estima, estilos de tomada de decisão e atitudes de carreira: Um estudo exploratório. In L. Almeida (Org.), Avaliação Psicológica: Formas e Contextos (pp. 491-499). Braga: APPORT, Universidade do Minho.

Frase, L. E., & Sorenson. L. (1992). Teacher motivation and satisfaction: Impact on participatory management. NASSP Buletin, 76, 37-43.

Gorton, R. A. (1982). Teachers job satisfaction. In M. A. C. Alkin (Ed.), Encyclopedia of Educational Research. New York: Macmillan Publishers.

Gursel, M., Sunbul, A. M., & Sari, H. (2002). An analysis of burnout and job satisfaction between turkish headteachers and teachers. European Journal of Psychology of Education, 17, 35-45.

Harter, S. (1993). Visions of self: Beyond the me in the mirror. In J. E. Jacobs (Ed.), Developmental perspectives on motivation (pp. 99-144). Lincoln: University of Nebraska Press.

Harter, S. (1999). The construction of the self: A developmental perspective. New York: The Guilford Press.

Heitor, M. I. (1996). Satisfação laboral e liderança transformacional. Dissertação de Mestrado em Psicologia Social. Lisboa: Instituto Superior de Psicologia Aplicada.

Herzberg, F. (1989). One more time: How do you motivate employees?. In A. R. Gini, & T. J. Sullivan (Eds.), It comes with the territory: An inquiry concerning work and the person (pp. 230-237). New York: Random House Editors.

Herzberg, F. (1996). A teoria motivação-higiene. In C. A. Marques, & M. Pina e Cunha (Eds.), Comportamento organizacional e gestão de empresas (pp. 43-67). Lisboa: Publicações Dom Quixote.

Hill, M., & Hill, A. (2002). Investigação por questionário. Lisboa: Edições Silabo.

Huberman, M. (1992). O ciclo de vida profissional dos professores. In A. Nóvoa (Ed.), Vidas de professores (pp. 31-61). Porto: Porto Editora.

Jesus, S. N. (1993). A motivação dos professores. Estudo exploratório sobre a influência da formação educacional e da prática profissional. Jornal de Psicologia, 11, 27-30.

Jesus, S. N. (1995). A análise da motivação para a profissão docente segundo o modelo da discrepância motivacional: Um estudo preliminar. Revista Portuguesa de Educação, 8, 163-180.

Jesus, S. N. (1996). A motivação para a profissão docente. Aveiro: Estante Editora.

Jesus, S. N. (1998). Bem-estar dos professores: Estratégias para a realização e desenvolvimento pro-fissional. Porto: Porto Editora.

Jesus, S. N. (1999). Como prevenir e resolver o stress dos professores e a indisciplina dos alunos?. Porto: ASA Editores.

Kaufman, J. W. (1984). Relationship between teacher motivation and commitment to the profession. Comunicação apresentada no Congresso Anual de American Educational Research association, New Orleans.

Kyriacou, C., & Sutcliffe, J. (1978). Teacher stress: Prevalence, sources and symptoms. British Journal of Educational Psychology, 48, 159-167.

Lopes, A. (2001). Mal-estar na docência? Visões, razões e soluções. Porto: ASA Editores.

Maples, M. F. (1992). Teachers need self-esteem too: A counseling workshop for elementary school teachers. Elementary School Guidance and Counseling, 27, 33-39.

Malta, M. I. (1999). A motivação dos professores licenciados do 1.º ciclo do ensino básico, no primeiro ano de docência. Dissertação de Mestrado em Gestão Educacional. Lisboa: Universidade Católica Portuguesa.

Maslow, A. (1970). Motivation and personality (2nd ed.). New York: Harper Row Publishers.

Maslow, A. (1989). Human needs and work. In A. R. Gini, & T. J. Sullivan (Eds.), It comes with the territory: An inquiry concerning work and the person (pp. 237-241). New York: Random House Editors.

Ministério da Educação, decreto-lei n.º 6/2001. Organização curricular do ensino básico.

Moreno, J. A. (1995). Motivação de professores: Estudo de factores motivacionais em professores empenhados dos 2.º e 3.º ciclos do ensino básico do concelho de Almada. Dissertação de Mestrado em Ciências da Educação. Lisboa: Universidade Católica Portuguesa.

Moreno, J. (1998). Motivação de professores: Estudo de factores motivacionais em professores empenhados. Revista Portuguesa de Educação, 11 (1), 87-101.

Necessary, J. R., & Parish, T. (1995). How do teachers’ and professors’ self-concepts relate to their actions and the actions of others?. Journal of Instructional Psychology, 22, 247-250.

Nóvoa, A. (1991). Os professores: Quem são? Donde vêm? Para onde vão?. In S. R. Stoer (Org.), Educação, ciências sociais e realidade portuguesa: Uma abordagem pluridisciplinar (pp. 59-126). Porto: Edições Afrontamento.

Pithers, R. T., & Fogarty, G. J. (1995). Symposium on teachers stress: Occupational stress among vocational teachers. British Journal of Educational Psychology, 65, 3-14.

Pinto, A. M., Lima, M. L., & Silva, A. L. (2003). Stress profissional em professores portugueses: Incidência, preditores e reacção ao burnout. Psychologica, 33, 181-194.

Pinto, F. C. (1996). Mal-estar na docência: O fundo da questão. O Professor, 50 (3), 3-8.

Sánchez, A. M., & García, J. L. (1997). El clima de las instituciones educativas y la satisfacción laboral de los professores. Revista de Ciencias de la Educación, 176, 419-436.

Santos, P. J., & Maia, J. (1999). Adaptação e análise factorial confirmatória da Rosenberg self-esteem scale com uma amostra de adolescentes: Resultados preliminares. In A. P. Soares, S. Araujo, & S. Caires (Eds.), Avaliação psicológica: Formas e contextos (Vol. 6, pp. 101-113). Braga: APPORT, Universidade do Minho.

Scoot, C., Cox, S., & Dinham, S. (1999). The occupational motivation, satisfaction and health of english school teachers. Educational Psychology, 19, 287-308.

Seco, G. B. (2000). A satisfação na actividade docente. Coimbra: Universidade de Coimbra.

Serrazina, L., & Oliveira, I. (2002). Novos professores: Primeiros anos de profissão. Quadrante, 11, 55-73.

Smilansky, J. (1984). External and internal correlates of teacher’s satisfaction and willingness to report stress. British Journal of Educational Psychology, 54, 84-92.

Tice, D. M. (1993). The social motivations of people with low self-esteem. In R. F. Baumeister (Ed.), Self-Esteem - The puzzle of low self-regard (pp. 37-53). New York: Plenum Press.

Trabulho, M. R. (1999). A motivação docente: Estudo empírico dos factores de motivação e insatisfação dos docentes do ensino secundário do concelho de Castelo-Branco. Monografia do Curso de Estudos Superiores Especializados em Administração Escolar. Castelo-Branco: Politécnico de Castelo Branco.

Trigo-Santos, F. (1996). Atitudes e crenças dos professores do ensino secundário: satisfação, descontentamento e desgaste profissional. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.

Volpi, M. T. (1997). O professor: Dimensões pessoais, profissionais e ação reflexiva. Caesura, 10, 22-36.

Wu, V., & Short, P. M. (1996). The relationship of empowerment to teachers job commitment and job satisfaction. Journal of Instructional Psychology, 23, 85-89.

Wylie, R. C. (1989). Measures of self-concept. Lincoln: University of Nebraska Press.

 

 

(*) Psicóloga.

(**) Instituto Superior de Psicologia Aplicada, Lisboa.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons