SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.24 número2Estratégias de coping em estudantes do Ensino SuperiorEducadores de infância promotores de saúde e resiliência: Um estudo exploratório com crianças em situação de risco índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Análise Psicológica

versão impressa ISSN 0870-8231

Aná. Psicológica v.24 n.2 Lisboa abr. 2006

 

A importância da afectividade na aprendizagem da matemática em contexto escolar: Um estudo de caso com alunos do 8.º ano

 

 

MARIA DO CARMO NEVES (*)

CAROLINA CARVALHO (**)

 

 

RESUMO

Este artigo foi escrito tendo como base uma investigação realizada na sala de aula, numa escola de Lisboa, a uma turma de 8.º ano, na disciplina de Matemática. A metodologia foi qualitativa de tipo naturalista com abordagem descritiva e interpretativa. Os métodos de recolha de dados foram: observação presencial e gravação vídeo de algumas aulas; análise das respostas dos alunos a três questionários e entrevistas semi-estruturadas. Estabeleceram-se as seguintes questões de investigação: (a) Qual a relação entre dimensão afectiva e Matemática?; (b) Que elementos sustentam essa relação?; (c) Que relação existe entre a atitude dos alunos nas aulas e as suas aprendizagens em Matemática? e (d) Como envolver os alunos, emocionalmente, na aprendizagem da Matemática?

Os principais resultados obtidos foram os seguintes: a actividade matemática dos alunos é influenciada pelas experiências anteriores com os professores, os colegas, os pais e a Matemática. Os alunos valorizam os professores que procuram responder às suas necessidades, brincam com eles, são simpáticos, calmos e não têm o hábito de gritar nas aulas. A relação de confiança que os alunos estabelecem, com os professores de Matemática, reflecte-se na aprendizagem dos conhecimentos matemáticos.

Palavras-chave: Afectividade, aprendizagem, emoções, matemática.

 

 

ABSTRACT

This paper is based on a classroom investigation that place in a Lisbon school with an 8th grade Mathematics class. We chose a qualitative methodology of the naturalistic type, with a descriptive and interpretative approach. Data were collected through direct observation and videotaping of certain classes, analysis of the pupils’ answers to three questionnaires and semi-structured intervieews. The following research questions were determined: (a) What is the relationship between the affective dimension and Mathematics?; (b) Which elements sustain this relationship?; (c) What is the relationship between pupils’ attitudes in class and their learning in Mathematics? and (d) How can pupils become emotionally involved in learning Mathematics?

The main findings were as follows: pupils’ mathematical activity is influenced by prior experiences with their teachers, colleagues, parents and Mathematics. Pupils value teachers who seek to respond to their needs, play with them, are affable, calm and do not customarily shout in class. The relationship of trust that pupils establish with Mathematics teachers is reflected in their learning of mathematical knowledge.

Key words: Affectivity, learning, emotions, mathematics.

 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

 

REFERÊNCIAS

Abrantes, P. (1994). O trabalho de projecto e a relação dos alunos com a matemática. A experiência do Projecto MAT 789. Lisboa: Associação de Professores de Matemática.         [ Links ]

Ames, C. (1992). Classrooms: Goals, structure, and student motivation. Journal of Educational Psychology, 84, 261-271.

Bacete, F. J. G., & Betoret, F. D. (2000). Motivación, aprendizage y rendimiento escolar. Revista Española de Motivación y Emoción, 1, 55-65.

Battle, J. (1982). Enhancing self-esteem & achievement: A handbook for professionals. Seattle: Special Child Publications.

Branden, N. (1969). The psychology of self-esteem. New York: Bantam.

Burns, R. B. (1982). Self-concept: Development and education. London: Holt, Rinehart and Winston.

Canavarro, A. P. (1993). Concepções e práticas de professores de matemática. Três estudos de caso. Lisboa: Associação de Professores de Matemática.

Carvalho, C. (2001). Interacção entre pares: Contributos para a promoção do desenvolvimento lógico e do desempenho estatístico, no 7.º ano de escolaridade. Lisboa: Associação de Professores de Matemática.

Chacón, I. M. (2000). Matemática emocional. Los afectos en el aprendizaje matemático. Madrid: Narcea.

Coll, C., Martín, E., Mauri, T., Miras, M., Onrubia, J., Solé, I., & Zabala, A. (2001). O construtivismo na sala de aula. Novas perspectivas para a acção pedagógica. Porto: Edições ASA.

Coopersmith, S. (1967). The antecedents of self-esteem. San Francisco: Freeman and Company.

Damásio, A. (2000). O sentimento de si. Mem Martins: Publicações Europa-América.

Deci, E. L., Koestner, R., & Ryan, R. M. (1999). A meta-analytic review of experiments examining the effects of extrinsic rewards on intrinsic motivation. Psychological Bulletin, 125 (6), 627-668.

Deci, E. L., Koestner, R., & Ryan, R. M. (2001). Extrinsic rewards and intrinsic motivation in education: reconsidered once again. Review of Educational Research, 71 (1), 1-28.

Epstein, S. (1985). The implications of cognitive-experiential self-theory for research in social psychology and personality. Journal for the Theory of Social Behavior, 15, 283-309.

Garofalo, J. (1989). Beliefs, responses, and mathematics education: Observations from the back of the classroom. School Science and Mathematics, 89 (6), 451-455.

Garofalo, J., & Lester, F. K., Jr. (1985). Metacognition, cognitive monitoring, and mathematical performance. Journal for Research in Mathematics Education, 16 (3), 163-176.

Henriques, A. (2003). Estados afectivo-emocionais, sua aprendizagem e auto-regulação: Implicações em ambiente escolar. Comunicação apresentada no Seminário de Criatividade, Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, Lisboa.

James, W. (1890). The principles of psychology. New York: Henry Holt and Company.

LaFortune, L., & Saint-Pierre, L. (2001). A afectividade e a metacognição na sala de aula. Lisboa: Instituto Piaget.

Mártin, B., & Briggs, L. J. (1986). The affective and cognitive domains: Integration for instruction and research. New Jersey: Educational Technology Publications.

Ministério da Educação / DEB (Ed.) (2001). Currículo nacional do ensino básico: Competências essenciais (1.ª ed.). Lisboa: INAFOP / Porto Editora.

Morissette, D., & Gingras, N. (1999). Como ensinar atitudes: Planificar, intervir, valorizar (2.ª ed.). Lisboa: Edições ASA.

Mruk, C. (1998). Auto-estima: Investigación, teoría y práctica. Bilbao: Editorial Desclée de Brouwer.

NCTM (1991). Normas para o currículo e a avaliação em matemática escolar (APM, Trad.). Lisboa: APM e IIE. (Trabalho original em inglês publicado em 1989).

Nelmes, P. (no prelo). Developing a conceptual framework for the role of the emotions in the language of teaching and learning. Procedings of CERME3/ WG2.

Neto, F. (1998). Psicologia social (Vol. 1). Lisboa: Universidade Aberta.

Neves, M. C. (2003). Aspectos Afectivos e Emocionais nas Aulas de Matemática em Alunos do 8.º Ano. Tese de mestrado, Faculdade de Ciências, Universidade de Lisboa.

Orubia, J. (2001). Ensinar: criar Zonas de Desenvolvimento Próximo e intervir nelas. In C. Coll et al. (Eds.), O construtivismo na sala de aula: Novas perspectivas para a acção pedagógica (pp. 120-149). Porto: Edições ASA.

Pintrich, P. R. (1989). The dynamic interplay of student motivation and cognition in the college classroom. In C. Ames, & M. L. Maher (Eds.), Advances in motivation and achievement (Vol. 6). Greenwich, CT: JAI Press.

Pintrich, P. R., & De Groot, E. V. (1990). Motivational and self-regulated learning components of classroom performance. Journal of Educational Psychology, 82, 33-40.

Poirier, J., Clapier-Valladon, S., & Raybaut, P. (1999). Histórias de vida. Teoria e prática (2.ª ed.). Oeiras: Celta Editora.

Polaino, A. (1993). Procesos afectivos y aprendizaje: Intervención psicopedagógica. In J. Beltrán et al. (Eds.), Intervención psicopedagógica (pp. 108-142). Madrid: Pirámide.

Ponte, J. P. (1992). Concepções dos professores de matemática e processos de formação. In M. Brown, D. Fernandes, J. F. Matos, & J. P. Ponte (Eds.), Educação e matemática: Temas de investigação (pp. 185-239). Lisboa: IIE e Secção de Educação e Matemática da SPCE.

Pope, A., McHale, S., & Craighead, E. (1988). Self-esteem enhancement with children and adolescents. New York: Pergamon Press.

Rosenberg, M. (1965). Society and the adolescent self-image. Princeton, NJ: Princeton University Press.

Schoenfeld, A. H. (1987). Cognitive science and mathematics education. An overview. In A. H. Schoenfeld (Ed.), Cognitive science and mathematics education (pp. 1-31). Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum Associates.

Schoenfeld, A. H. (1992). Learning to think mathematically: Problem solving, metacognition, and sense-making in mathematics. In D. A. Grouws (Ed.), Handbook of research on mathematics teaching and learning (pp. 334-370). New York: Macmillan.

Sêco, J. (1997). Chamados pelo nome: Da importância da afectividade na educação da adolescência. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.

Simon, H. A. (1982). Comments. In M. S. Clark, & S. T. Fiske (Eds.), Affect and cognition (pp. 333-342). Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum Associates.

Thompson, A. G. (1992). Teachers’ beliefs and conceptions: A synthesis of the research. In D. A. Grouws (Ed.), Handbook of research on mathematics teaching and learning (pp. 127-146). New York: Macmillan.

Vygotsky, L. S. (1986). Thought and language. Cambridge, MA: The M.I.T. Press.

Vygotsky, L. S. (1998). Théorie des émotions: Étude historico-psychologique. Paris: L’Harmattan.

Weiner, B. (1986). An attributional theory of motivation and emotion. New York: Springer-Verlag.

White, R. (1963). Ego and reality in psychoanalytic theory: A proposal regarding independent ego energies. Psychological Issues, 3 (3), 125-150.

 

 

(*) Escola Secundária de Gil Vicente, Lisboa. E-mail: mcarmogsneves@mail.pt

(**) Universidade de Lisboa, Centro de Investigação em Educação. E-mail: cfcarvalho@fc.ul.pt

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons