SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.23 número2Contribuição para o estudo da versão portuguesa da Positive and NegativeAffect Schedule (PANAS): II - Estudo psicométrico índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Análise Psicológica

versão impressa ISSN 0870-8231

Aná. Psicológica v.23 n.2 Lisboa abr. 2005

 

O QUE É A SAÚDE. SIGNIFICAÇÕES PESSOAIS, MODELOS CIENTÍFICOS E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE (2005) – Joaquim da Cruz Reis. Lisboa: Vega, 102 pp.

 

Trata-se de uma obra indispensável e com grande utilidade para todos os que se dedicam à educação para a saúde na comunidade, nas escolas, nos locais de trabalho e nos serviços de saúde. Vários são os profissionais, entre técnicos de saúde, professores e educadores, que têm a aprender com as contribuições específicas da psicologia da saúde para a educação para a saúde.

Este livro é uma contribuição importante para a compreensão dos processos psicológicos que podem tornar as acções de educação para a saúde realmente eficazes, em particular quando uma proporção significativa das acções de educação para a saúde em Portugal se baseiam num modelo inoperante de transmissão e processamento de informação. Por outro lado, é um livro que, entre nós, vem preencher um espaço de interesse da psicologia da saúde pelos processos mais ligados à saúde do que à doença. Nele é proposto um modelo de educação para a saúde que considera os destinatários das acções como intervenientes activos nos processos de aprendizagem e de mudança de comportamentos, nomeadamente através das significações pessoais.

Joaquim da Cruz Reis (Director da Licenciatura em Psicologia da Universidade Independente), autor do livro “O Sorriso de Hipócrates. A integração biopsicossocial dos processos de saúde e doença” (Vega, 1998), já tinha publicado anteriormente resultados da investigação que conduziu sobre a importância das significações em educação para a saúde e prevenção mas apresenta agora um trabalho sistemático sobre significações pessoais, modelos científicos e educação para a saúde.

O livro está dividido em 4 capítulos, que correspondem, no essencial, aos quatro grandes temas que são anunciados no título da obra:

-Significações pessoais e processos de saúde e doença

-Modelos científicos de saúde e doença

-O que as pessoas pensam e como pensam sobre a saúde e a doença

-Construção activa e reflexiva de estilos de vida.

No primeiro capítulo, sobre a importância das significações pessoais nos processos de saúde e de doença, o leitor é introduzido ao conceito fundamental de significações pessoais e da sua aplicação aos processos de saúde e doença, o que é feito pelo autor de forma muito clara e centrada nos seus aspectos principais e introduzindo a noção de “autonomia conceitual-afectiva”, como capacidade pessoal de construção autónoma de significações, nomeadamente sobre as causas das doenças, os seus sintomas, a sua evolução, as mudanças de comportamentos e as decisões de adesão às recomendações dos técnicos de saúde. Abrindo compreensivelmente com o exemplo de um caso de uma mulher com cancro da mama, este capítulo é desde logo essencial para o leitor se situar em termos de modelo das significações (leigas) de doença e questionar-se sobre a sua influência nos modelos científicos.

No segundo capítulo, que aborda os modelos científicos da saúde e da doença, são sucessiva e esquematicamente apresentados – nas suas asserções fundamentais, definições de saúde e de doença, autonomia conceitual-afectiva e relação entre o profissional de saúde e o paciente – o modelo biomédico, o modelo biopsicossocial (interaccionista) e o modelo holístico (integrador), mais uma vez de uma forma muito clara e desenvolvendo a comparação entre as metateorias interaccionista e integradora enquanto diferentes concepções e métodos de pesquisa, particularmente no que se refere à relação entre os técnicos de saúde e os pacientes uma vez que essa é a dimensão claramente relevante em educação para a saúde. Neste particular, o autor destaca a importância do conceito de “parceria epistemológica” que releva da metateoria integradora, na qual o técnico de saúde tem conhecimento especializado no domínio da saúde em causa e o paciente é o especialista na sua vida e no seu corpo. Este conceito de parceria permite introduzir com vantagem as significações pessoais no modelo de relação entre os técnicos de saúde e os pacientes, favorece a autonomia conceitual-afectiva destes últimos e cria condições para uma maior humanização dos cuidados e serviços de saúde. Por último, refere as implicações destes conceitos para a formatação das intervenções didácticas que são realizadas em educação para a saúde, salientando desde logo a importância das didácticas construídas a partir da metateoria integradora.

No terceiro capítulo, dedicado à importância das significações causais das doenças e de prevenção ao longo do ciclo de vida é apresentado o que as pessoas pensam e como pensam (modelos implícitos) sobre a saúde e a doença a partir dos resultados obtidos em trabalhos de investigação do autor, nomeadamente sobre significações causais das doenças e de prevenção. São apresentados com maior desenvolvimento os aspectos relacionados com os adultos e os idoso, embora haja referência também aos aspectos relacionados com as crianças e adolescentes. Tratando-se de um capítulo suportado por investigação com amostras portuguesas (Joyce-Moniz & Reis, 1991; Reis, 1994; Reis & Fradique, 2001) é pena que o autor não o tenha organizado de forma sequencial em termos do desenvolvimento, começando com as crianças e os adolescentes e só depois abordando as significações dos adultos e dos idosos. Resultaria mais c ompreensível e chamaria mais facilmente a atenção do leitor, uma vez que as acções de educação para a saúde, embora devam envolver pessoas em todas as fases do ciclo de vida, estão geralmente mais centradas nas crianças e nos adolescentes, até porque a compreensão das sequências desenvolvimentistas exige mais do que a leitura dos quadros apresentados. Mais a mais este capítulo é o cerne do trabalho apresentado e determina as características da proposta de intervenção apresentadas no capítulo seguinte.

Finalmente, o quarto capítulo diz respeito às didácticas que podem ser utilizadas em educação para a saúde. Depois de apresentar as bases teóricas e metodológicas do modelo comportamental e do modelo de processamento de informação em educação para a saúde, o autor desenvolve o modelo construtivista, no qual o processo reflexivo de construção de novas significações de acordo com as competências sociocognitivas da pessoa, imerso numa dialéctica que se estabelece entre diferentes sistemas de significações (leigas e científicas) propostos pelos diferentes intervenientes (destinatários das acções e técnicos de saúde). O destinatário é um participante activo no processo e a mudança de atitudes e comportamentos faz parte dum processo de autonomia e compreensão pessoal. Supõe-se que as significações pessoais vão evoluindo ao longo do desenvolvimento, o que terá que ser necessariamente tido em conta nas acções de educação para a saúde dirigidas a crianças, adolescentes, adultos e idosos.

Falta agora demonstrar a eficácia deste modelo de educação para a saúde entre nós, em especial através de metodologias de avaliação de resultados de programas e acções concretas.

Para além de interessar a todos os que se dedicam à psicologia da saúde, este livro interessa certamente a todos os que se dedicam à educação para a saúde, em especial à conceptualização e desenvolvimento de acções e de programas que são implementados nas escolas e na comunidade.

José A. Carvalho Teixeira

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons