SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.22 número3A abstenção tabágica: Reflexões sobre a recaídaAbordagem psicológica da obesidade mórbida: Caracterização e apresentação do protocolo de avaliação psicológica índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Análise Psicológica

versão impressa ISSN 0870-8231

Aná. Psicológica v.22 n.3 Lisboa set. 2004

 

Comportamento parental na situação de risco do cancro infantil (*)

 

RITA GOMES (**)

ANTÓNIO PIRES (**)

MARIA DE JESUS MOURA (***)

LILIANA SILVA (**)

SOFIA SILVA (**)

MÓNICA GONÇALVES (**)

 

 

RESUMO

Na presente investigação estudou-se o comportamento parental na situação de cancro infantil. Foram analisadas dezassete entrevistas semi-estruturadas, de acordo com o método Grounded Theory. Treze das entrevistas pertencem a estudos anteriores (Gonçalves & Pires, 2001; Silva, Pires, Gonçalves, & Moura, 2001; Silva, 2002). Desde o aparecimento dos primeiros sintomas até à fase da recaída, passando pela participação do diagnóstico, internamento e tratamentos, a principal preocupação que estes pais experimentam é a de ocultar aspectos relacionados com a doença, nomeadamente, a confirmação do diagnóstico, o choque do mesmo, a palavra pesada, o sofrimento, a gravidade da doença, a dor, os efeitos secundários e a possibilidade de morte. Para isso os pais desenvolvem estratégias, tais como: não proferir a palavra, mentir, brincarem com a situação, não chorar, igualização do comportamento, não pensar, sofrer à vez, entre outras; que lhes permitem realizar ocultar ao mesmo tempo que procuram adaptar-se e adaptar os seus filhos doentes de forma mais adequada possível. Deste modo, consideram que o facto da criança não tomar conhecimento sobre os aspectos da sua doença é um importante factor para uma adaptação bem conseguida.

Palavras-chave: Cancro infantil, comportamento parental, Grounded Theory, ocultar.

 

 

ABSTRACT

Parent behaviour was studied in child cancer situation. Seventeen semi-structured interviews were analysed based on the Grounded Theory method. Thirteen interviews belong to previous studies (Gonçalves & Pires, 2001; Silva, Pires, Gonçalves, & Moura, 2001; Silva, 2002). Since the appearance of the first symptoms until the relapse stage, the diagnostic participation, the hospitalization and the treatments, the main concern that these parents experiment is to hide aspects related with the illness, namely, the confirmation of the diagnostic, his impact, the heavy word, the suffer, the illness gravity, the pain, the secondary effects and death possibility. For that, parents develop strategies, as: not speaking the word, lie, place with the situation, not crying, equalize the behaviour, not thinking, suffer by place, among others, that allow them to achieve the behaviour and at the same time try to adapt themselves and their ill children in the best possible way. So they consider that something that provides a better adaption is the child unknowingness about the aspects of her illness.

Key words: Child cancer, parental behaviour, Grounded Theory, hide.

 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

 

REFERÊNCIAS

Baider, L., Cooper, C. L., & De-Nour (2000). Cancer and the Family. Chichester: John Wiley & Sons.        [ Links ]

Glaser, B. (1978). Theoretical Sensitivity. San Francisco: Sociology Press.        [ Links ]

Glaser, B. G., & Strauss, A. L. (1965). Awareness of Dying. New York: Aldine Publishing Company.         [ Links ]

Gonçalves, M., & Pires, A. (2001). Estudo do Comportamento Parental Face ao Cancro. In A. Pires (Ed.), Crianças (e Pais) em Risco (pp. 155-175). Lisboa: ISPA.         [ Links ]

Harbeck-Weber, C., & Conaway, L. P. (1994). Childhood Cancers: Psychological Issues. In R. A. Olson, L. Mullins, J. B. Guillman, & J. M. Chaney (Eds.), The Sourcebook of Paediatric Psychology (pp. 98-110). Boston: Allyn and Bacon.         [ Links ]

Hoekstra-Weebers, J., Jaspers, J., Klip, E. C., & Kamps, W. A. (2000). Factors Contributing to the Psychological Adjustment of Paediatric Cancer Patientes. In L. Baider, C. L. Cooper, & A. K. De-Nour (Eds.), Cancer and the Family (pp. 257-271). England: John Wiley & Sons.         [ Links ]

Ogden, J. (1999). Psicologia da Saúde. Lisboa: Climepsi.        [ Links ]

Pires, A. (1990). Determinantes do Comportamento Parental. Análise Psicológica, 8 (4), 445-452.         [ Links ]

Pires, A. (2001). Introdução à Grounded Theory. In A. Pires (Ed.), Crianças (e Pais) em Risco (pp. 39-63). Lisboa: ISPA.         [ Links ]

Pires, A. (2001). Parentalidade em Risco. In A. Pires (Ed.), Crianças (e Pais) em Risco (pp. 15-37). Lisboa: ISPA.         [ Links ]

Rait, D., & Lederberg (1989). The Family of the Cancer Patient. In J. Holland (Ed.), Handbook of Psycho-oncology (pp. 585-597). New York: Oxford University Press.         [ Links ]

Santos, S. V. (1998). A Família da Criança com Doença Crónica: Abordagem de algumas características. Análise Psicológica, 8 (1), 65-76.         [ Links ]

Silva, L. (Ed.) (2002). Crianças em Risco: Comportamento Parental Face ao Cancro (Monografia de Licenciatura em Psicologia Clínica). Lisboa: Instituto Superior de Psicologia Aplicada.         [ Links ]

Silva, S., Pires, A., Gonçalves, M., & Moura, M. J. (2001). Cancro Infantil e Comportamento Parental. Psicologia, Saúde & Doenças, 3 (1), 43-60.         [ Links ]

 

 

(*) Agradecimentos: Agradecemos ao Serviço de Pediatria do Instituto Português de Oncologia de Lisboa e à Associação Acreditar, toda a disponibilidade demonstrada, bem como a todos os técnicos que em conjunto possibilitaram a realização desta investigação.

(**) Instituto Superior de Psicologia Aplicada, Lisboa.

(***) Instituto Português de Oncologia, Lisboa.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons