SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.22 número1Aprender a contar, aprender a pensar: As sequências numéricas de contagem abstracta construídas por crianças portuguesas em idade pré-escolarFalar para lembrar: Tipo de discurso e recordação de intervenção índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Análise Psicológica

versão impressa ISSN 0870-8231

Aná. Psicológica v.22 n.1 Lisboa mar. 2004

 

Explorando as novas tecnologias em contexto de educação pré-escolar: A actividade de escrita (*)

 

LÚCIA AMANTE (**)

 

 

RESUMO

O presente artigo insere-se no âmbito de uma investigação levada a efeito num Jardim de Infância em que desenvolvemos e acompanhámos um projecto de integração das novas tecnologias no contexto das suas salas de actividades. Ainda que a investigação realizada tivesse procurado, na sua globalidade, contemplar as diversas vertentes de todo o processo, neste artigo procurámos analisar um dos tipos de actividades específicas desenvolvidas com recurso ao computador: a actividade de escrita. Procurámos, no âmbito da abordagem qualitativa que adoptámos, considerar as suas características, a forma como esta actividade é encarada pelas crianças, como se integra e como se foi desenvolvendo no contexto de trabalho das salas de actividades, nomeadamente ao nível das interacções que suscitava, entre as crianças, entre as crianças e os adultos, e entre as crianças e os computadores.

Palavras-chave: Educação pré-escolar, literacia emergente, novas tecnologias na educação.

 

 

ABSTRACT

This paper emerges from a larger research project on the Integration of New Technologies of Information in a Pre-School context. Although the original research covers various dimensions of this process we will analyse here only the questions pertaining to the domain of the activities with and about written language. We try, from the point of view of the qualitative research framework that we have adopted, to consider its characteristics, the way those activities were faced by children and how they were integrated and developed in the context of the work in the class, namely the interactions they have generated between peers, adults and children and children and computers.

Key words: Pre-school education, emergent literacy, new technologies in education

 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

 

REFERÊNCIAS

Amante, L. (2003). A Integração das Novas Tecnologias no Pré-Escolar: Um Estudo de Caso. Dissertação de Doutoramento em Ciências da Educação, Universidade Aberta.         [ Links ]

Bardin, L. (1979). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70. Bronfenbrenner, U. (1989). Ecological Systems Theory. Annals of Child Development, 6, 187-249.         [ Links ]         [ Links ]

Brooker, L., & Siraj-Blatcford, J. (2002). ‘Click on Miaow!’: how children of three and four years experience the nursery computer. Contemporary Issues in Early Childhood, 3 (2), 251-270.         [ Links ]

Bruner, J. (1990). Actos de Significado. Para uma Psicologia Cultural. Lisboa: Edições 70.         [ Links ]

Buckleitner, W., & Hohmann, C. (1987). Technological Priorities in the Education of Young Children. Childhood Education, 71, 337-340.         [ Links ]

Clements, D. H., & Swaminathan, S. (1995). Technology and School Change: New Lamps for old? Childhood Education, 71, 275-281.         [ Links ]

Clements, D. H., & Nastasi, B. K. (2002). Os Meios Electrónicos de Comunicação e a Educação de Infância. In B. Spodek (Org.), Manual de Investigação em Educação de Infância (pp. 561-619). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.         [ Links ]

Coll, C. (1990). Aprendizage escolar y construcción del conocimiento. Barcelona: Piados/Educador.         [ Links ]

Crook, C. (1998a). Ordenadores y Aprendizaje Colaborativo. Madrid: Ministerio de Educación y Cultura/Ediciones Morata, S.L.         [ Links ]

Crook, C. (1998b). Childrens as Computer Users: The Case of Collaborative Learning. Computers & Education, 30 (3/4), 237-247.         [ Links ]

Davis, B. C., & Shade, D. D. (1994). Integrate, Don't Isolate! Computers in the Early Childhood Curriculum. ERIC Document Reproduction Service, ED376991.         [ Links ]

Formosinho, J. (1996). Prefácio. In J. Oliveira-Formosinho (Org.), Modelos Curriculares para a Educação de Infância (pp. 11-12). Porto: Porto Editora.         [ Links ]

Goetz, J. P., & LeCompte, M. D. (1988). Etnografia e Diseño Qualitativo en Investigación Educativa. Madrid: Morata.         [ Links ]

Guba, E. G., & Lincoln, Y. S. (1994). Competing Paradigms in Qualitative Research. In N. K. Denzin, & Y. S. Lincoln (Eds.), Handbook of Qualitative Research (pp. 105-117). Thousand Oaks, CA: Sage Publications.         [ Links ]

Haugland, S. W., & Wright, J. L. (1997). Young Children and Technology - A World of Discovery. Boston: Allyn and Bacon.         [ Links ]

Jonassen, H. D., Howland, J., Moore, J., & Marra, M. (2003). Learning to Solve Problems with Technology. A Constructivist Perspective. New Jersey: Merrill Prentice Hall.         [ Links ]

Laboo, L. D. (1996). A Semiotic Analysis of Young Children's Symbol Making in a Classroom Computer Center. Reading Research Quartely, 31 (4), 10-32.         [ Links ]

Marchesi, A. (2000). ¿Equidad en la Educación?. Revista Iberoamericana de Educación, 23, OEI. [Online] http://www.campus-oei.org/revista/rie23a04. htm         [ Links ]

Martí, E. (1992). Aprender con Ordenadores en la Escuela. Barcelona: I.C.E. Universitat Barcelona/Editorial Horsori.         [ Links ]

Martí, E. (1993). Aprender con Ordenadores. Substratum, 1 (3), 63-80.         [ Links ]

Martins, M. A. (1996). Pré-História da Aprendizagem da Leitura. Lisboa: ISPA.         [ Links ]

Martins, M. A., & Niza, I. (1998). Psicologia da Aprendizagem da Linguagem Escrita. Lisboa: Universidade Aberta.         [ Links ]

Mata, L. (1990). Etude Comparative des ProductionsÉcrites et des Processus de Construction, en Situation Individuelle et en Interaction, chez des enfants de 5-6 ans. Dissertação de D.E.A., ISPA/Université de Provence.         [ Links ]

Miles, M. B., & Huberman, A. M. (1994). Qualitative Data Analysis. Thousand Oaks: Sage Publications.         [ Links ]

Ministério da Educação - DEB (1997). Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar. Lisboa.         [ Links ]

Moxley, R. A., Warash, B., Coffman, G., Brinton, K., & Concannon, K. R. (1997). Writing Development Using Computers in a Class of Three-Years Olds. Journal of Computing in Childhood Education, 8 (2/3), 133-164.         [ Links ]

NAEYC (1996). Position Statement: Technology and Young Children - Ages 3 through 8. Washington, D.C.: NAEYC (National Association for the Education of Young Children).         [ Links ]

Niza, S. (1996). O Modelo Curricular de Educação Pré-Escolar da Escola Moderna Portuguesa. Modelos Curriculares para a Educação de Infância. Porto: Porto Editora.         [ Links ]

Nogueira, L. (1998). Imagens da criança no computador. In S. Kramer, & M. I. Leite (Orgs.), Infância e Produção Cultural. S. Paulo: Papirus Editora.         [ Links ]

Oliveira-Formosinho, J. (2001). A Visão de Qualidade da Associação Criança: Contributos para uma Definição. In J. Oliveira-Formosinho, & J. Formosinho (Orgs.), Associação Criança: Um Contexto de Formação em Contexto (pp. 166-180). Braga: Livraria Minho.         [ Links ]

Patton, M. Q. (1990). Qualitative Evaluation and Research Methods (2nd ed.). Newbury Park, CA: Sage Publications.         [ Links ]

Ponte, J. P., & Serrazina, L. (1998). As Novas Tecnologias na Formação Inicial de Professores. Lisboa: DAPP-Ministério da Educação.         [ Links ]

Santos, H. (2001). As Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação de Professores. Lisboa: DAPP/Ministério da Educação.         [ Links ]

Shashaani, L. (1994a). Gender-Differences in Computer Experience and it's Influence on Computers Attitudes. Journal of Educational Computing Research, 11 (4), 347-367.         [ Links ]

Shashaani, L. (1994b). Socioeconomic status, parents' sex role stereotypes, and the gender gap in computing. Journal of Research on Computing in Education, 26, 433.         [ Links ]

Stenhouse, L. (1990). Case Study Methods. In H. J. Walberg, & G. D. Haertel (Eds.), The International Encyclopedia of Educational Evaluation (pp. 644-649). Oxford: Pergamon Press.         [ Links ]

Teberosky, A. (1987). Construção de Escritas através da Interacção Grupal. In E. Ferreriro, & M. Palácio (Eds.), Os Processos de Leitura e Escrita. Porto Alegre: Artes Médicas.         [ Links ]

Underwood, J. D. M., & Underwood, G. (1990). Computers and Learning. Helping Children Acquire Thinking Skills. Oxford: Basil Blackwell.         [ Links ]

Vala, J. (1986). A análise de conteúdo. In A. S. Silva, & J. M. Pinto (Orgs.), Metodologia das Ciências Sociais. Porto: Edições Afrontamento.         [ Links ]

Van Scoter, J., Ellis, D., & Railsback, J. (2001). Technology in Early Childhood Education: Finding the Balance. Northwest Regional Educational Laboratory. [On-line] http://www.nwrel.org/request/ june01/textonly.htm         [ Links ]

Vasconcelos, T. (1999). Encontrar as formas de ajuda necessária: o conceito de ‘scaffolding’ (pôr, colocar andaimes): implicações para a intervenção em educação pré-escolar. Inovação, 12, 7-24.         [ Links ]

Vigotsky, L. S. (1978-1991). A Formação Social da Mente (4.ª ed.). S. Paulo: Martins Fontes.         [ Links ]

Walsh, D. J., Tobin, J. J., & Graue, E. (2002). A voz interpretativa: investigação qualitativa em educação de infância. In B. Spodek (Org.), Manual de Investigação em Educação de Infância (pp. 1037-1066). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.         [ Links ]

Wood, D., Bruner, J., & Ross, G. (1976). The role of tutoring in problem solving. Journal of Child Psychology and Psychiatry, 17, 89-100.         [ Links ]

Zabalza, M. A. (2001). Didáctica da Educação Infantil. Porto: Asa Editores.         [ Links ]

 

 

 

(*) O projecto “Novas Tecnologias: Uma experiência de Integração no Pré-Escolar”, foi financiado pelo Instituto de Inovação Educacional no âmbito da 12.ª edição do concurso “Inovar, Educando / Educar, Inovando”, inserido no Sistema de Incentivos à Qualidade da Educação (SIQE), sem o que não teria sido possível a sua concretização.

(**) Universidade Aberta.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons