SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.22 número1Nota de AberturaFirsthand learning through intent participation índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Análise Psicológica

versão impressa ISSN 0870-8231

Aná. Psicológica v.22 n.1 Lisboa mar. 2004

 

Psicologia Cultural e Desenvolvimento Humano

Um encontro com Barbara Rogoff

 

ZILDA FIDALGO (*)

 

Barbara Rogoff, da Universidade da Califórnia, é um nome de destaque na área da Psicologia Cultural. Trabalhou no Laboratory of Comparative Human Cognition, com Michael Cole, James Wertsch, Sylvia Scribner, entre outros. Dentre os numerosos artigos e publicações ao longo dos últimos 20 anos, destacamos a obra Apprenticeship in Thinking, uma obra de referência na área da Psicologia Cultural. A Psicologia Cultural, nas suas diferentes vertentes, pretende responder ao renascimento do interesse pela natureza social do ser humano, a que se tem vindo a assistir nas últimas décadas. Este interesse, sendo recorrente ao longo da história das ciências humanas, continua a ser tratado segundo dois modelos arquétipos (Valsiner & van der Veer, 2000). No primeiro desses modelos, os cientistas mostram uma grande preocupação em demonstrar a “diluição” dos indivíduos nos contextos sociais. De acordo com este ponto de vista, as pessoas são sociais porque submetem a sua personalidade individual à necessidade de participar nas actividades de uma determinada unidade social. O segundo arquétipo, pelo contrário, apresenta as pessoas enquanto atraídas pelo mundo social, e por isso seguem as suas normas. Contudo, um terceiro modelo enfatiza simultaneamente a individualidade (uniqueness) e o relacionamento (relatedness) da pessoa com as unidades sociais, pretendendo ultrapassar a parcialidade dos dois modelos anteriores. Este modelo, inspirado no desenvolvimento das teses de Vygotsky, tem vindo a tornar-se o centro das atenções desde os anos noventa, sob a designação de Psicologia Cultural. É nesta abordagem que se situa o trabalho desenvolvido nos últimos 20 anos por Barbara Rogoff, com um enfoque particular na observação etnográfica das diferentes formas de participação guiada, em contextos de actividade social. O seu objectivo é pôr em evidência a complexidade da unidade entre as pessoas e os seus contextos sócio-culturais, recusando separá-los teoricamente. Aquando da sua participação no XI Colóquio Psicologia e Educação, realizado em Novembro de 2002, tivemos oportunidade de realizar uma longa entrevista com Barbara Rogoff, de que apresentamos seguidamente breves excertos, com o objectivo de clarificar os seus pontos de vista, no momento actual do seu trabalho.

ZF - Como situa a Psicologia do Desenvolvimento no quadro da Psicologia Cultural, hoje, se é que podemos falar de uma perspectiva única nesta corrente da Psicologia?

BR - Na família da Psicologia Cultural há hoje uma grande variedade de abordagens. A maior parte não estuda o desenvolvimento, no sentido do estudo da infância ou da criança, embora seja importante que se abra uma janela nesse sentido. Aqueles que tentam abordar o estudo do desenvolvimento humano, em que incluo o meu trabalho, deslocam-se de uma abordagem do desenvolvimento individual, como se este acontecesse no vacuum, para o estudo de como as pessoas crescem e se desenvolvem como participantes, (e não membros, o que pressuporia uma fronteira entre membros e não membros), em comunidades culturais. Uma das principais contribuições da Psicologia Cultural consiste exactamente em mostrar que não há “pessoas genéricas”. Fala-se normalmente da “criança” como se tal entidade existisse em si mesma. “A criança”o; não existe enquanto tal - todas as crianças são históricas. Os seres humanos nunca estão sozinhos, mas em comunidades culturais com uma história, e nós não temos prestado atenção suficiente à forma como as pessoas participam nessas comunidades. Em termos de oferta teórica neste campo, não penso que tenhamos avançado o suficiente. Precisamos de mais investigação empírica e não apenas de trabalho conceptual. Mas é evidente que o trabalho conceptual é importante e reorienta a investigação.

ZF - A insuficiência de investigação empírica não poderá conduzir, por vezes, a um discurso retórico sobre o desenvolvimento humano, a que falta sustentação?

BR - Com certeza. Mas existem já vários trabalhos de observação empírica que ilustram alguns dos conceitos teóricos. A procura de situações em que se “vejam” esses conceitos ou ideias é essencial. Por exemplo, a investigação de Hutches (1991; 1993), sobre a construção de barcos e a arte de navegar, mostra que a actividade cognitiva, tal como os instrumentos, está distribuída por todos os que participam na actividade. No meu próprio trabalho estou particularmente interessada nas variações e diferenças culturais nos processos de socialização da linguagem, como é o discurso na família e na sala de aula. Muito trabalho deste tipo tem sido feito, mas é muito recente.

ZF - O conceito de internalização, que aparece tanto em Vygotsky como em Piaget, tem sido muito discutido, nomeadamente no seu livro Apprenticeship in Thinking, em que prefere o conceito de apropriação por participação (participatory appropriation). Gostaria que comentasse.

BR - Não me parece que exista grande concordância entre nós sobre o conceito de internalização. No que me diz respeito, não preciso de outra palavra para falar de participação, e sinto-me bastante confortável com o seu uso. A ideia que tentei dar nesse livro é que a pessoa não é auto-contida e tem que ultrapassar uma barreira para chegar à cultura. Seria como se houvesse uma “parede” entre o indivíduo e a cultura, e essas fronteiras não existem. Neste momento não sinto necessidade de usar a palavra apropriação, mas não estou absolutamente segura. As pessoas e a cultura não são separadas, por isso a palavra participação, de momento, é suficiente para mim. E não tem nada de “mágico”, mas traduz o que as pessoas fazem para que as coisas aconteçam. Na participação num sistema cultural há transformação.

O programa de investigação de Barbara Rogoff pode, assim, ser caracterizado a partir das seguintes premissas: a) reconhecimento da natureza holística do desenvolvimento humano, ou seja, as pessoas e as actividades constituem-se mutuamente; b) observação dos processos de desenvolvimento pela participação guiada nas práticas e nos contextos culturais; e c) prioridade das metodologias qualitativas no estudo dos indivíduos em contextos culturais. O seu percurso como investigadora conjuga a descrição etnográfica dos fenómenos e dos diferentes modelos de psicologia popular (folk psychology) existentes, na psicologia e na educação, e a experimentação em contextos reais de vida.

Desta vertente do seu trabalho dá-nos conta no seu último livro, Learning Together: Children and Adults in a School Community (2001). Barbara Rogoff e colaboradores - pais e professores -, relatam-nos uma experiência, que tem vindo a ser construída nos últimos 20 anos, do que pode ser aprender por participação numa Comunidade Escolar. A organização desta Comunidade Escolar baseia-se na articulação das suas ideias teóricas e dos resultados da observação etnográfica sobre a vida das crianças em diferentes comunidades culturais.

 

(*) Instituto Superior de Psicologia Aplicada, Lisboa. UIPCDE.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons