SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.21 número1Abordagens familiares face ao autismo«Não quero brincar»: a avaliação psicológica e diagnóstica em saúde mental infantil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Análise Psicológica

versão impressa ISSN 0870-8231

Aná. Psicológica v.21 n.1 Lisboa jan. 2003

 

Promoção do desenvolvimento psicossocial das crianças através dos Serviços de Cuidados de Saúde Primários

 

PEDRO CALDEIRA DA SILVA (*)

CLÁUDIA EIRA (**)

MARIA DE GÓIS VICENTE (**)

RITA GUERREIRO (**)

 

 

RESUMO

O presente trabalho resulta de um longo processo de investigação e elaboração no sentido de tentar organizar nos serviços existentes de cuidados de saúde primários um programa destinado a dar formação aos médicos de família, introduzindo a dimensão «saúde mental» nas consultas de rotina da gravidez e até ao fim do segundo ano de vida das crianças, com um mínimo de «perturbação» possível e uma eficácia demonstrável.

Avalia-se a importância da formação para a modificação da práticas e atitudes dos médicos de família; em seguida avalia-se o impacto que esta formação em conjunto com a utilização na consulta de um instrumento (entrevistas semi-estruturadas), facilitador da abordagem dos aspectos afectivos e relacionais, tem nas mães e crianças pequenas; e finalmente avalia-se o impacto que a simples aplicação do instrumento teria.

Os resultados apontam, de uma forma global, para a existência de efeitos relevantes da formação sobre as práticas dos médicos, mas sugerem igualmente que estes efeitos não se traduzem em grandes diferenças nas crianças e nas mães.

 

Palavras-chave: Promoção da saúde mental, gravidez, infância, médicos de família.

 

 

ABSTRACT

This paper stems from an extensive research and elaboration process aimed at trying to organize a training program for family doctors through which mental health issues could be included in routine consultations for pregnancy and the first two years of life, with a minimum «disturbing» effect and a measurable efficacy.

We analyze the importance of training in changing attitudes and beliefs of family doctors; second, we evaluate the impact of this training, associated with the application of an instrument (semi-structured interviews) on mothers and young children; and finally we evaluate the impact that the application of the instrument per se has.

Results globally demonstrate relevant effects of training on doctors' practices, but those effects do not translate into significantly positive differences in children and mothers.

 

Key words: Mental health promotion, pregnancy, Results globally demonstrate relevant effects of infancy, family doctors.

 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Augusto, A., Kumar, R., Calheiros, J. M., & Figueiredo E. (1996). Post-natal depression in a urban area of Portugal: Comparison of childbearing women and matched controls. Psychological Medicine, 26, 135-141.         [ Links ]

Clarke A. M., & Clarke, A. D. B. (1994). Variations, deviations, risks and uncertainties in human development. In W. B. Carey, & C. S. McDevit (Eds.), Prevention and early intervention (pp. 83-91). New York: Brunner / Mazel.         [ Links ]

Cordeiro M., Carvalho, C., & Dias, R. (1991). Detecção precoce em saúde infantil: Rastreios e detecção oportunista. Manter a criança saudável: Texto de apoio 17. Lisboa: Direcção Geral dos Cuidados de Saúde Primários, Divisão de Saúde Infantil.         [ Links ]

Cox, A. D. (1993). Preventive aspects of child psychiatry. Archives of Disease in Childhood, 68, 691-701.         [ Links ]

Fonagy, P. (1998). Prevention, The appropriate target of infant psychotherapy. Infant Mental Health Journal, 19 (2), 124-150.         [ Links ]

Gore, S., & Eckenride, J. (1994). Context and process in research on risk and resilience. In R. J. Haggerty, L. R. Sherrod, N. Garmenzy, & M. Rutter (Eds.), Stress, risk and resilience in children and adolescents: Process, mechanisms and intervention (pp. 19-63). Cambridge: Cambridge University Press.         [ Links ]

Ispanovic, V., & Radojkovic, D. (1993). Promotion of psychosocial development of children through primary health care services - Semi-structured interviews and record forms. Institute of Mental Health, Belgrad.         [ Links ]

Kumar, R., & Robson, K. M. (1984). A prospective study of neurotic disorders in childbearing women. British Journal of Psychiatry, 144, 36-47.         [ Links ]

McGuire, J., & Earls, F. (1991). Prevention of psychiatric disorders in early childhood. Journal of Child Psychology and Psychiatry, 32 (2), 129-154.         [ Links ]

O'Hara, M. W. (1997). The nature of postpartum depressive disorders. In L. Murray, & Peter J. Cooper (Eds.), Postpartum depression and child development (pp. 3-31). New York: The Guilford Press.         [ Links ]

OMS (1948). Official records of the World Health Organization (2, p.100). United Nations, World Health Organization, Geneva, Interim Commission.         [ Links ]

OMS (1993). Promoting the Psychosocial Development of Children Through Primary Health Care Services: Report on a WHO Meeting, in December 1992. Copenhagen: World Health Organization. Regional Office For Europe.         [ Links ]

Ramos Leitão, F. A. (1989a). A avaliação de programas de intervenção educativa precoce. Educação Especial e Reabilitação, 1 (1), 43-50.         [ Links ]

Ramos Leitão, F. A. (1989b). A avaliação de programas de intervenção educativa precoce (II Parte). Educação Especial e Reabilitação, 1 (2), 54-60.         [ Links ]

Richmond (1979). Healthy people: The surgeon general' s report on health promotion and disease prevention. Washington: U. S. Department of Health Education and Welfare.         [ Links ]

Rutter, M. (1981). Stress, coping and development: same issues, the same question. Journal of Child Psychology and Psychiatry, 22 (4), 323-356.         [ Links ]

Rutter, M. (1982). Prevention of children' s psychosocial disorders: Myth and substance. Pediatrics, 70 (6), 883-894.         [ Links ]

Sameroff, A. J. (1989). Principles of development and psychopathology. In A. J. Sameroff, & R. N. Emde (Eds.), Relationship disturbances in early childhood (pp. 17-32). New York: Basic Books.         [ Links ]

Siegel, D. (1999). The developing mind: Toward a neurobiology of interpersonal experience. New York: Guilford Press.         [ Links ]

Sousa, A. M. (1988). A saúde mental da grávida: Avaliação do estado da saúde mental (Estudo Caso Controlo) e de factores de risco psicossocial na mulher grávida. Lisboa: Escola Nacional de Saúde Pública.         [ Links ]

Sousa, Carvalho & Cordeiro (1990). Promoção da saúde em saúde infantil. Manter a criança saudável: Texto de Apoio 4 (Tradução e adaptação de Guidelines For Health Promotion). Lisboa: Direcção Geral dos Cuidados de Saúde Primários, Divisão de Saúde Infantil.         [ Links ]

Tsiantis, J. (1999). Promotion of mental health for children and adolescents. Trabalho não publicado. Comunicação oral, European Conference on Mental Health Promotion and Social Inclusion.         [ Links ]

Tsiantis, J., Smith, M., Dragonas, T., Cox, A. (2000). Early mental health promotion in children through primary health care services: A multi-center implementation. International Journal of Mental Health Promotion, 2 (1), 5-17.         [ Links ]

União Europeia (1999). Relatório do Programa de Promoção da Saúde Mental da Criança dos 0 aos 6 Anos. Recomendações do Programa de Promoção da Saúde Mental da Criança dos 0 aos 6 Anos.         [ Links ]

Zero To Three / National Center For Clinical Infant Programs (1994). Diagnostic Classification Of Mental Health And Developmental Disorders Of Infancy And Early Childhood. Arlington, VA.         [ Links ]

 

 

(*) Pedopsiquiatra.

(**)Psicóloga.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons