SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.18 número2Dinâmicas grupais na adolescênciaAcerca das estórias da História da Psicologia índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Análise Psicológica

versão impressa ISSN 0870-8231

Aná. Psicológica v.18 n.2 Lisboa jun. 2000

 

Papel do auto-conceito de competência cognitiva e da auto-aprendizagem no contexto sócio-laboral

 

Luísa Faria (*)

Paulo Rurato (**)

Nelson Lima Santos (***)

 

RESUMO

Este trabalho tem como objectivos investigar a competência de auto-aprendizagem no contexto sócio-laboral, questionando a sua relação com a Educação e Formação Profissional de Adultos e relacionando-a com variáveis afins, nomeadamente com o auto-conceito de competência cognitiva, enquanto suporte do desenvolvimento da autonomia e da responsabilidade de cada um face à aprendizagem.

Para cumprir tais objectivos, desenvolveu-se um estudo empírico no contexto de uma Empresa do Norte de Portugal, com uma amostra de 503 trabalhadores, com características diversificadas.

Os resultados de estudos correlacionais permitem afirmar que subjacente a uma melhor competência de auto-aprendizagem, está um auto-conceito de competência cognitiva mais positivo, facilitador da aprendizagem activa. Os resultados dos estudos diferenciais confirmam duas das hipóteses de trabalho, que previam manifestações diferenciadas no auto-conceito de competência cognitiva e na auto-aprendizagem, em função de variáveis individuais, organizacionais e sócio-organizacionais, sendo discutidas à luz de uma nova concepção da formação mais orientada para a aprendizagem e mais centrada na promoção da autonomia, responsabilidade e eficácia do adulto-aprendiz.

Palavras-chave: Auto-aprendizagem, auto-conceito de competência, educação de adultos, formação.

 

ABSTRACT

This work aims to study the self-learning competence in socio-labour context, and to discuss its relation with Adult Education and Training, as well as with related variables, namely with intellectual self-concept as a support for the development of autonomy and responsibility towards learning.

In order to pursue such aims, we developed an empirical study in the context of a Company from Northern Portugal, with a sample of 503 workers, with different characteristics.

The results of correlational studies show that a better self-learning competence is related to a more positive intellectual self-concept as a promoter of active learning. The results of the differential studies confirmed two of our hypotheses, that anticipated different manifestations of intellectual self-concept and of self-learning, as a function of individual, organisational and socio-organisational variables, that are discussed considering a new conception of training focus on learning and on the development of workers-learners autonomy, responsibility and efficiency.

Key words: Self-learning, competence self-concept, adult education, training.

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Brockett, R. G., & Hiemstra, R. (1993). El aprendizaje autodirigido en la educación de adultos: Perspectivas teóricas, prácticas y de investigación. Barcelona: Ediciones Paidos.         [ Links ]

Caffarella, R. S. (1993). Self-directed learning. In Sharan B. Merriam (Ed.), New directions for adult and continuing education n.º 57 - An update on adult learning theory (pp. 25-35). San Francisco: Jossey-Bass Publishers.

Clark, M. C. (1993). Transformational learning. In Sharan B. Merriam (Ed.), New directions for adult and continuing education n.º 57 - An update on adult learning theory (pp. 47-56). San Francisco: Jossey-Bass Publishers.

Comissão Europeia (1994). Livro Branco - Crescimento, competitividade, emprego: Os desafios e as pistas para entrar no séc. XXI. Luxemburgo: SPOCE.

Comissão Europeia (1996). Rapport de la commission - L'emploi en Europe. Luxemburgo: SPOCE.

Faria, L., & Lima Santos, N. (1998). Escala de avaliação do auto-conceito de competência: Estudos de validação no contexto universitário. Revista Galego-Portuguesa de Psicoloxía e Educación, 3 (2), 175-184.

Ferreira, J. A., Medeiros, M. T., & Pinheiro, M. R. (1997). A teoria de Chickering e o estudante do Ensino Superior. Revista Portuguesa de Pedagogia, 31 (1/2/3), 139-164.

Knowles, M. S. (1980). The modern practice of adult education: From pedagogy to andragogy. Cambridge: Englewood Cliffs.

Knowles, M. S., Holton III, E. F., & Swanson, R. A. (1998). The adult learner: The definitive classic in adult education and resource development (5th Edition). Houston, Texas: Gulf Publishing Co.

Lima, M. M., Simões, A., & Tavares, J. (1997). Percepção de capacidade para aprender ao longo do ciclo de vida - O caso dos adultos e idosos. Revista Portuguesa de Pedagogia, 31 (1/2/3), 19-34.

Lima Santos, N. (1995). Gestão de recursos humanos: novas tecnologias e competitividade. Revista Fundição, 200, 23-26.

Lima Santos, N. (1998). Escala de avaliação da competência de auto-aprendizagem. Porto: Edição do autor.

Lima Santos, N., & Faria, L. (1999). O contexto universitário e a promoção do auto-conceito de competência. Revista da Universidade Fernando Pessoa, 4, 175-188.

Merriam, S. (1993). Adult learning: Where have we come from? Where are we headed?. In Sharan B. Merriam (Ed.), New directions for adult and continuing education n.º 57 - An update on adult learning theory (pp. 5-14). San Francisco: Jossey-Bass Publishers.

Nyhan, B. (1996). Desenvolver a capacidade de aprendizagem das pessoas: Perspectivas europeias sobre a competência de auto-aprendizagem e mudança tecnológica. Caldas da Rainha: Eurotecnet.

OCDE (1996a). Making lifelong learning a reality for all. Edição Electrónica disponível em: www.oecd.org.

OCDE (1996b). Prepared for life? Prêts pour l'avenir. Centre pour la Recherche et Innovation dans L'Enseignement.

Oliveira, A. L. (1997). Autodirecção na aprendizagem: A actualidade de um constructo. Revista Portuguesa de Pedagogia, 31 (1/2/3), 35-57.

Pratt, D. D. (1993). Andragogy after twenty-five years. In Sharan B. Merriam (Ed.), New directions for adult and continuing education n.º 57 - An update on adult learning theory (pp. 15-23). San Francisco: Jossey-Bass Publishers.

Rodrigues, M. J. (1991). Competitividade e recursos humanos: Dilemas de Portugal na construção europeia. Lisboa: Publicações Dom Quixote, Lda..

Rurato, P. (1999). Auto-aprendizagem, auto-conceito de competência cognitiva e educação e formação de adultos: Estudo numa empresa do Norte de Portugal. Tese de Mestrado em Políticas de Desenvolvimento de Recursos Humanos no ISCTE. Lisboa: Edição do Autor.

Rurato, P., & Lima Santos, N. (1999). Tecnologias de informação: Novas formas de trabalho, novas competências e inserção social. Revista da Universidade Fernando Pessoa, 3, 121-138.

Teixeira, C. (1996). Organização do trabalho e factor humano - De instrumento a actor. Lisboa: IEFP.

 

(*) Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade do Porto, Rua do Campo Alegre, 1055, 4169-004 Porto, E-mail: lfaria@psi.up.pt

(**) Universidade Fernando Pessoa - Porto, Praça 9 de Abril, 349, 4249-004 Porto, E-mail: prurato@ufp.pt

(***) Universidade Fernando Pessoa - Porto, Praça 9 de Abril, 349, 4249-004 Porto, E-mail: limasantos@ufp.pt

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons