SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.18 número2Do vínculo às relações sociais: Aspectos psicodinâmicos índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Análise Psicológica

versão impressa ISSN 0870-8231

Aná. Psicológica v.18 n.2 Lisboa jun. 2000

 

Representações sociais do suicídio em estudantes do ensino secundário

 

Daniel Sampaio (*)

Abílio Oliveira (**)

Maria Da Graça Vinagre (***)

Maria Gouveia-Pereira (****)

Nazaré Santos (*****)

Olga Ordaz (******)

 

 

RESUMO

Dada a importância que os comportamentos suicidários assumem nos adolescentes, torna-se pertinente a análise dos sentidos associados ao suicídio no campo particular da sua construção social. Várias investigações evidenciam que, o modo como as pessoas constróem explicações para os acontecimentos, não só se baseia nas crenças e experiências dos seus grupos de pertença, como determina comportamentos.

Neste primeiro artigo, integrado numa investigação mais ampla sobre as representações sociais do suicídio em adolescentes, analisa-se o tipo de explicações que os jovens dão para este fenómeno, em função do sexo, idade, ano de escolaridade, região e ideação suicida.

Participaram no estudo 822 adolescentes, entre os 15 e os 23 anos, estudantes dos 10.º, 11.º e 12.º anos de escolas secundárias de Évora, Guimarães, Lisboa e Santarém.

Os resultados sugerem que estamos perante uma representação hegemónica das explicações do suicídio. Esta varia com o sexo, a idade e o ano de escolaridade, assim como com a região onde os jovens estudam e, também, com o facto de terem tido ou não ideação suicida.

Tendo em conta a necessidade de responder adequadamente a tal diversidade, estes resultados assumem particular relevância no planeamento de estratégias preventivas.

Palavras-chave: Suicídio, representações sociais, adolescentes.

 

ABSTRACT

Given the importance of suicidal behavior in adolescents are concerned, the analysis of the meanings associated with suicide in the specific area of their social construction becomes a pertinent task. Various research projects underline the fact that the way people construct explanations for events is not merely based on beliefs and experiences of their origin groups, it also shapes behavior.

In this first article, integrated in a wider research on adolescent social representations of suicide, the type of explanations that young people find for this phenomenon are analyzed, taking into account gender, age group, level of schooling, region, and suicide ideation.

822 adolescents have participated in this project, ages ranging from 15 to 23 years old, enrolled in the10th, 11th, and 12th grades, belonging to Évora, Guimarães, Lisboa and Santarém public schools.

The results suggest that we aren't facing a hegemonic representation of suicide explanations. Such representation varies according to age, gender and level of schooling, as well as according to the region where these young people study, and also to the occurrence or lack of occurrence of suicide ideas.

Taking into account the need for an adequate response to such diversity, these results take on particular relevance when preventing strategies are being planned.

Key words: suicide, Social Representations, Adolescents.

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Adams, J. S. (1965). Inequity in social exchange. In L. Berkowitz (Ed.), Advances in experimental social psychology (Vol. 2, pp. 267-299). Nova Iorque: Academic Press.         [ Links ]

Bies, R., & Moag, J. (1986). Interactional Justice: Communication criteria of fairness. Research on Negotiation in Organizations, 1, 43-55.

Bonini, M. C., & Zani, B. (1991). Dire e non dire - modeli educativi e cominicazione sulle sessualità nella famigli con adolescecenti. Milão: Giufrè Editore.

Davis, J., & Sandoval, J. (1991). Suicidal youth: school-based intervention and prevention. S. Francisco: Jossey Bass Pub.

Di Giacomo, J.-P. (1984). Théorie et méthodes de l'analyse des représentations sociales. In S. A. Etxeberría (Ed.), Psicosociologia de la enfermedad mental: ideologia y representation social de la enfermedad mental. Donostia, III Cursos de verano en San Sebastian.

Fleming, M. (1993). Adolescência e autonomia. O desenvolvimento psicológico e a relação com os pais. Porto: Edições Afrontamento.

Gouveia-Pereira, M. (1995). A percepção do papel de grupo de pares nas tarefas de desenvolvimento em adolescentes e pais. Dissertação de mestrado em Psicologia Educacional. Lisboa: ISPA.

Hewstone, M. (1989). Causal atribution - from cognitive processes to colective beliefs. Cambridge: Basil Blackwell.

Leventhal, G. (1980). What should be done with equity theory? New approaches to the study of fairness in social relationships. In Gergen M. Greenberg, & R. Wills (Eds.), Social exchange: advances in theory and research (pp. 27-55). Nova Iorque: Plenum.

Luhtanen, R., & Crocker, J. (1992). A collective self-esteem scale: Self evaluation of ones's social identity. Personality and Social Psychology Bulletin, 18, 302-318.

Moscovici, S. (1961). La psycanalyse - son image et son public. Paris: P.U.F. (2.ª ed., 1976).

Oliveira, A. (1995). Percepção da morte: A realidade interdita. Dissertação de Mestrado em Psicologia Social e das Organizações. Lisboa: ISCTE.

Oliveira, A. (1999). O desafio da morte - Convite a uma viagem interior. Lisboa: Editorial Notícias.

Oliveira, A., & Araújo G. (1999). A magia de Bosch. Pertenças sociais e formas de percepção e representação da arte (e da morte). Análise Psicológica, 17 (2), 339-357.

Ordaz, O. (1995). Representações sociais do suicídio na imprensa escrita. Dissertação de Mestrado em Psicologia Social e Organizacional. Lisboa: ISCTE.

Ordaz, O., Vala, J. (1997). Objectivação e ancoragem das representações sociais do suicídio na imprensa escrita. Análise Social, 32 (143-144), 847-874.

Palmonari, A., Pombeni, M. L., & Kirchler, E. (1991). Differential effects of identification family and peers on coping with developmental tasks in adolescence. European Journal of Social Psychology, 21, 381-402.

Rosenberg, M. (1979). Conceiving the self. New York: Basic Books.

Sampaio, D. (1985). A tentativa de suicídio adolescente. Tese de Doutoramento. Faculdade de Medicina de Lisboa.

Sampaio, D. (1991). Ninguém morre sozinho. Lisboa: Caminho.

Sampaio, D. (1996). Voltei à escola. Lisboa: Caminho.

Sampaio, M. (1998). Representações sociais do suicídio nos jovens. Monografia. Lisboa: ISPA.

Theotónio, S. (1997). A percepção de justiça em contexto organizacional. Dissertação de mestrado em Psicologia Social e das Organizações - Comportamento Organizacional. Lisboa: ISCTE.

Tyler, T. (1994). Psichological models in the justice motive: Antecedents of distributive and procedural justice. Journal of Personality and Social Psychology, 67, 850-863.

Tyler, T., Degoey, P., & Smith, H. (1996). Understanding why the justice of group procedures matters: a teste of the psychological dynamics of the group value model. Journal of Personality and Social Psychology, 70, 913-930.

Vala, J. (1986). A análise de conteúdo. In A. S. Silva, & J. Madureira Pinto (Eds.), Metodologia das ciências sociais. Lisboa: Edições Afrontamento.

Valentim, A. J. G. (1997). Representações sociais da droga e da toxicodependência: um estudo empírico na península de Setúbal junto de párocos e médicos. Dissertação de Mestrado em Ciências Socais. Lisboa: ICS.

 

(*) Psiquiatra. Faculdade de Medicina de Lisboa.

(**) Licenciado em Engenharia Informática. Mestre em Psicologia Social. Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa.

(***) Licenciada em Psicologia. Especialista em Enfermagem de Saúde Infantil e Pediátrica. Escola Superior de Enfermagem de Calouste Gulbenkian de Lisboa.

(****) Psicóloga. Instituto Superior de Psicologia Aplicada, Lisboa. Bolseira para doutoramento da Fundação para a Ciência e Tecnologia. Membro da Unidade de Investigação de Psicologia Cognitiva de Desenvolvimento e da Educação.

(*****) Psiquiatra. Assistente Hospitalar de Psiquiatria do Hospital de Santa Maria, Lisboa.

(******) Especialista em Enfermagem de Saúde Mental e Psiquiátrica. Escola Superior de Enfermagem de Calouste Gulbenkian de Lisboa.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons