SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.16 número4Comportamento intergrupal - revisão de literaturaMais idade e menos cidadania índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Análise Psicológica

versão impressa ISSN 0870-8231

Aná. Psicológica v.16 n.4 Lisboa dez. 1998

 

As actividades expressivas e criativas... são experiências científicas

 

Pedro Soares Onofre (*)

 

RESUMO

O autor, analisando que é no Brincar que a criança começa a dar sentido às coisas e que isso é o seu viver e o seu aprender, dá conta de que estudar o Comportamento Lúdico e o Jogo é estudar a sua vida cultural. O adulto e a escola, julgando que jogar é, antes, uma forma transitória, endurecem e impõem a pedagogia emnome da disciplina e da rentabilidade. É urgente que o adulto reaprenda a Jogar e, pondo os pés na terra, perceba que a criança vive jogando e isso é tão genético como o sangue que lhe corre nas veias...!!!

Como o adulto, o miúdo cria, recolhe, elabora, simboliza e dá vida; ... cultiva-se em animação de ir sendo. Não há, talvez, que aprender mas que realizar; ... há que construir uma arte de viver e concretizá-la em espaço e tempo bem vividos, numa pedagogia de iniciativa e de criatividade, ... pois «entre a actividade expressiva e criativa e a experiência científica há uma relação muito íntima...» como observa Bruno Ciara.

Palavras-chave: Jogo e criatividade, experiência científica.

 

ABSTRACT

The author, observing that it is in a Play that the child begins to make sense of things, and that playing is the children´s way of living and learning, became aware that studying Play Behavior and Play is to study cultural life of children.

The Adult and the School, by playing just as a transitory stage, harden and impose Pedagogy in the name of discipline and rentability. It is urgent that the Adult recovers the ability to Play and realize that children live by playing, and that is a fact as genetic as the blood running on their veins!

Like the Adult, the Child creates, collects, elaborates, symbolizes and breathes life… Children cultivate themselves by being in motion. Maybe one does not have to learn but to accomplish; … One has to build the art of living and fulfill it in a time and place well lived in, using the Pedagogy of initiative and creativity; for, as Bruno Ciara observes «there is a very intimate relationship between the expressive and creative activity and a scientific experiment»

Key words: Play and creativity, scientific experiment.

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Aberastury, A. (1992). A criança e os seus jogos. Porto Alegre: Ed. Artes Médicas.

        [ Links ]

Amonachvili, C. (1986). Le jeu dans l´activité d´apprentissage des jeunes écoliers. Perspectives, 16 (1).

Anzieu, D. et al. (1979). Psicanálise e linguagem; ...do corpo à palavra. Lisboa: Moraes Editores.

Bachelard, G. (1948). La terre et les rêveries de la volonté. Paris: Ed Corti.

Bachelard, G. (1985). L´intuition de l´instant. Paris: Ed Denöel.

Bresson, G., Paillard, R., et al. (1974). De espace corporel a l´espace écologique. Paris: Presses Universitaires de France.

Bruner, J. (1986). Jeu, pensée et langage. Perspectives, 16 (1).

Courvoisier, A. (1983). Les elans spontanés du nouveau-né. Science et Vie, 145.

Damásio, M. (1994). O erro de Descartes. Mem Martins: Publicações Europa-América.

Dolto, F. (1984). No jogo do desejo. Rio de Janeiro: Zahar Ed.

Fnaren, 5.º Congrès (1989). Le jeu du je; ... Les enjeu du jeu en rééducation. Brochure du Congrès de Besançon, Mai 1989.

Garcey, C. (1979). Brincar. Lisboa: Moraes Editores.

Henriot, J. (1969). Le jeu. Paris: Presses Universitaires de France.

Hoffmann, J. M. (1994). Le rôle de l´initiative dans le développement émotionnel précoce. Psychiatrie de l´Enfant, 37 (1).

Lima, L. de O. (1986). Niveaux stratégiques des jeux. Perspectives, 16 (1).

Maudire, P. (1988). Exilados da infância;... Relações criativas e expressão pelo jogo na escola. Porto Alegre: Ed. Artes Médicas.

Merleau-Ponty, M. (1945). Phénomenologie de la perception. Paris: Ed. Gallimard.

Michelet, A. (1986). L´enseignant devant le jeu. Perspectives, 16 (1).

Montagner, H. (1978). L´enfant et la comunication. Paris: Ed. Stock.

Onofre, P. (1986). Não se aprende a jogar mas a viver. Rev. Horizonte, 13, 17.

Onofre, P. (1995). Se não sabe música... Porque é que toca?!... Cadernos de Educação de Infância, 33, 20.

Onofre, P. (1997). A motricidade e a simbolização na aprendizagem das crianças em dificuldades de desenvolvimento. Ver, Sonhar, (...da APPCDM) Maio-Agosto, 39.

Onofre, P., & Lobo, L. (1975). Animação e descoberta do movimento; ... Significativa, pessoal e intransmissível dos objectos e do jogo. Lisboa: Ed. dos Autores.

Onofre, P., & Costa, J. (1993). O jogo do actuar. Cadernos de Educação de Infância, 26, 19.

Paquette, C. (1977). Vers une pratique de la pédagogie ouvert. Québec: Editions NHP.

Paré, A. (1977). Créativité et pédagogie ouvert (3 vols.). Québec: Editions NHP.

Piaget, J. (1975). A formação do símbolo na criança. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

Rajecki, D. W., Hoffman, H., Ainsworth, M. S., et al. (1976). As ligações infantis. Amadora: Livraria Bertrand.

Koorj, R. van der, et al. (1986). État présent de la recherche sur l´enfant et le jeu. Perspectives, 16 (1).

Rodari, G. (1993). Gramática da fantasia. Lisboa: Editorial Caminho.

Rodulfo, R. (1990). O brincar e o significante. Porto Alegre: Ed Artes Médicas.

Santos, J. dos (1982). Ensaios sobre educação - I: A criança quem é? Lisboa: Livros Horizonte.

Santos, J. dos (1983). Ensaios sobre educação - II: O falar das letras. Lisboa: Livros Horizonte.

Santos, J. dos (1988). Se não sabe porque é que pergunta?. Lisboa: Assírio e Alvim.

Vaneigem, R. (1974). A arte de viver para a geração nova. Porto: Afrontamento.

Vygotsky, L. S. (1977). Pensamiento y lenguage. Buenos Aires: Ed La Pléyade.

Wallon, H. (1979). Psicologia e educação de criança. Lisboa: Vega. Winnicott, D. (1975). O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago.

Winnicott, D. (1983). O ambiente e os processos de maturação. Porto Alegre: Ed Artes Médicas.

Zelan, K. (1986). Thémes cachés et thémes pièges. Les premiers livres de lecture. Perspectives, 16 (1).

 

(*) Licenciado em Educação Física.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons