SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.28 número3Aplicação de protecção catódica a tanques de armazenamento de combustíveis índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Corrosão e Protecção de Materiais

versão impressa ISSN 0870-1164

Corros. Prot. Mater. v.28 n.3 Lisboa set. 2009

 

Revestimento acrílico monocomponente de base aquosa para protecção de betão por pintura

C. Carneiro(1)(*), V. Lopes(1), J. Nogueira(1) e A. Mendes(2)

 

 

RESUMO

A elevada alcalinidade do betão (pH ≈ 12,5) permite que as armaduras no seu interior estejam protegidas por passivação. No entanto, a penetração de agentes corrosivos como o ião cloreto que destrói a camada passivante de óxidos de ferro que se forma em ambientes altamente alcalinos ou o dióxido de carbono que provoca um decréscimo no pH, expõem as armaduras à corrosão. A qualidade do betão, em particular a sua porosidade, agravam bastante este fenómeno, no entanto se o betão for protegido com um revestimento por pintura, essa dependência diminui.

As tintas de base solvente para protecção de betão têm um excelente efeito barreira contra estes agentes corrosivos e com relativa facilidade cumprem a norma EN 1504-2 (Produtos e sistemas para a protecção e reparação de estruturas de betão). No entanto, são ambientalmente agressivas e em breve serão descontinuadas.

O presente trabalho descreve uma tinta de base aquosa que cumpre todos os requisitos estipulados para um revestimento para protecção de betão armado. Como a Norma EN 1504-2 não estabelece nenhum valor para a permeabilidade ao ião cloreto, deixando-o ao critério de cada país, o LNEC (Laboratório Nacional de Engenharia Civil) definiu que, em Portugal, esta permeabilidade deverá ser inferior a 10-14·m2·s-1.

No decorrer deste estudo verificou-se que os parâmetros que mais influenciam o comportamento da tinta são a natureza química do ligante e o seu CVP (Concentração Volumétrica de Pigmento). O produto desenvolvido encontra-se patenteado (PT 103 563).

Palavras-chave: Protecção de Betão Armado, Tinta Aquosa, EN 1504-2

 

Monocomponent water-borne acrilic coating for reinforced concrete protection

ABSTRACT

Reinforced concrete is protected against corrosion due to the high alkalinity of the concrete, which promotes a passive layer on the reinforcing structures surface. However, the penetration of corrosive agents, such as chloride ions or carbon dioxide, destroys this iron oxide passive layer, originating a decrease in pH and exposing the metal structure to corrosion.

The quality of concrete, in particular its porosity, exacerbates this phenomenon, however if the concrete is protected by a coating layer, this dependence decreases.

Solvent-based paints for concrete protection have great barrier properties against these corrosive agents and are easily compliant with the standard EN 1504-2 (Products and systems for the protection and repair of concrete structures). However, they show environmental impact and soon will be discontinued.

This paper describes a water-borne paint which accomplishes all the requirements for reinforced concrete protection. As the standard EN 1504-2 does not provide any value for the chloride ion permeability, leaving it to the discretion of each country, LNEC (National Laboratory of Civil Engineering) defined that in Portugal this permeability should be less than 10-14 m2·s-1.

During this study, one has verified that the parameters that most influence paint performance are the chemical nature of the binder and paint PVC (Pigment Volume Concentration). The developed product is protected by the Portuguese Patent, PT 103 563.

Keywords: Reinforced Concrete Protection, Water-borne Paint, EN 1504-2

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

 

REFERÊNCIAS

[1] P. Moreira (Contribuição dos revestimentos poliméricos para a durabilidade de betões em ambientes agressivos), Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil (Área de Materiais e Reabilitação da Construção), Universidade do Minho, Braga, Portugal, p. 37 (2006).

[2] B. Bavarian and L. Reiner (Corrosion Protection of Steel Rebar in Concrete using Migrating Corrosion Inhibitors, MCI 2021 & 2022), The Cortec Corporation, March, USA (2002).

[3] http://pwp.net.ipl.pt/dem.isel/smanutencao/Disciplinas/Quimica/elementos_q_files/Pourbaix.pdf, Julho (2008).

[4] D. Talbot (Corrosion and Science and Technology), 1st Ed., CRC Press, Boca Raton, USA, p. 82 (1998).

[5] K. Freire (Avaliação do Desempenho de Inibidores de Corrosão em Armaduras de Concreto), Tese de Mestrado, Universidade do Paraná, Brasil, p. 21 (2005).

[6] M. P. Rodrigues (Durabilidade de revestimentos por pintura para protecção do betão armado), Tese de doutoramento, FEUP, Porto, Portugal (1998).

[7] International Report (Design Manual for Roads and Bridges), Volume 2, Section 4, Part 3, A/6, May (2004).

[8] T. L. Viness and P. E. Manager (Architectural Coatings for Repair and Protection of Concrete Facades," Materials and Construction: Exploring the Connection) in Proceedings of the 5th ASCE Materials Engineering Congress, Cincinnati, OH, USA (1999).

[9] http://qedchemicals.co.uk/ccorrosion.aspx, Julho (2008).

[10] EN 1504-2 (Products and systems for the protection and repair of concrete structures – Definitions, requirements, quality control and evaluation of conformity – Part 2: Surface protection systems for concrete), CEN, Brussels, Belgium (2004).

[11] EN 1062-3 (Paints and varnishes – Coating materials and coating systems for exterior masonry and concrete – Part 3: Determination and classification of liquid water transmission rate (permeability), CEN, Brussels, Belgium (2001).

[12] C. Carneiro F. Oliveira, J. Nogueira and A. Mendes, JCT Research, 3, 2 (2006).

[13] EN 1062-6 (Paints and varnishes – Coating materials and coating systems for exterior masonry and concrete – Part 6: Determination of carbon dioxide permeability), CEN, Brussels, Belgium (2004).

[14] C. Carneiro F. Oliveira, J. Nogueira and A. Mendes, JCT Research, 3, 4 (2006).

[15] EN ISO 7783-2 (Paints and varnishes – Coating materials and coating systems for exterior masonry and concrete – Part 2: Determination and classification of water-vapour transmission rate (permeability), CEN, Brussels, Belgium (2001).

[16] C. Carneiro, V. Lopes, J. Nogueira e A. Mendes (Revestimento Acrílico Monocomponente de Base Aquosa para Protecção de Betão por Pintura), PT 103 563, INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial) e publicada no “Boletim da Propriedade Industrial” número 03/2008 (2008).        [ Links ]

 

(1) CIN, Corporação Industrial do Norte, S. A. – Estrada Nacional 13 (km 6), Apartado 1008, 4471-909 Maia, Portugal

(2) LEPAE – Departamento de Engª Química, Faculdade de Engenharia, Universidade do Porto – Rua Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto, Portugal

* A quem a correspondência deve ser dirigida, e-mail: catarina.carneiro@cin.pt

 

Artigo submetido em Julho de 2008 e aceite Março de 2009