SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.27 número4Estudo da oxidação a alta temperatura por técnicas de análise superficial índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Corrosão e Protecção de Materiais

versão impressa ISSN 0870-1164

Corros. Prot. Mater. v.27 n.4 Lisboa dez. 2008

 

Ensaios de aderência de esquemas de pintura pelo método de tração (pull-off) - Avaliação de fatores que influenciam os resultados

 

Fernando Fragata (1)(*), Alberto P. Ordine (2), Cristina C. Amorim (3) e Olga Ferraz (4)

 

RESUMO

A medição de aderência dos revestimentos por pintura pelo método de tração (pull-off), segundo as normas ASTM D 4541 ou ISO 4624, tem sido muito utilizada no campo da proteção anticorrosiva. Trata-se de um método que, além de medir a tensão de ruptura, permite identificar a natureza da falha de aderência. Entretanto, alguns fatores inerentes ao ensaio podem influenciar os resultados. No presente trabalho apresentam-se os resultados de um estudo, realizado de forma conjunta por quatro laboratórios, dentro do qual se avaliou a influência da espessura da chapa de aço (3 mm e 9 mm), bem como do tipo de equipamento, nos valores da tensão de ruptura, em três esquemas de pintura com características físico-químicas diferentes. Concluiu-se que, nas chapas de 3 mm de espessura, independente do tipo de equipamento, os valores são muito inferiores aos obtidos com chapas de 9 mm de espessura. Observou-se ainda que equipamentos diferentes podem conduzir a resultados também bastante diferentes.

Palavras-chave: Aderência, Esquemas de Pintura, Método de Tração

 

Paint systems adherence – Influence of some factors on the results of the pull-off test

 

ABSTRACT

The measurement of coatings adherence by the pull-off test, according to the ASTM D 4541 or ISO 4624 standards has been extensively used in the anticorrosive protection assessment. By this methodology, the pull-off strength value is obtained as well as the nature of the failure is evaluated. However, some important inherent factors from the test influence its results. So, in this paper, it is presented the achievements of a study in which four different laboratories worked together in the evaluation of the adherence, by means of the pull-off test, of three coating systems, each one having a particular physical-chemical characteristic. It was investigated the influence of different substrate thickness (3 mm and 9 mm) and of different equipments in the adherence measurement by the pull-off method. It was shown that, regardless the equipment used, when it was used the 3 mm thick substrates the values of the pull-off strength were lower than the cases when the thicker substrates were used. It was also observed that different equipments can lead to very different results.

Keywords: Adherence, Paint System, Pull-Off Test

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

REFERÊNCIAS

 

[1] NBR 1003A (Tintas – Determinação da Aderência), ABNT, Rio de Janeiro, Brasil (1990).

[2] ASTM D 3359 (Measuring Adhesion by Tape Test), ASTM, Philadelphia, USA (1983).

[3] ISO 2409: 1992. (Paints and Varnishes – Cross-Cut Test), ISO, Geneve, Switzerland (1992).

[4] ASTM D 6677 (Standard Test Method for Evaluating Adhesion by Knife), Philadelphia (2001), USA.

[5] ISO 4624: 2002, (Paints and Varnishes -- Pull-off Test for Adhesion), ISO, Geneve, Switzerland (2002).

[6] ASTM D 4541 (Pull-Off Strength of Coatings Using Portable Adhesion Testers), ASTM, Philadelphia, USA (2005).

[7] M. SHILLING (Coating Adhesion Testing in Accordance With ASTM D 4541) - Sticky Business, SSPC, JPCL, p18-19, April, USA (2004).

[8] ISO 8501:1988, (Preparation of Steel Surfaces Before Application of Paints), ISO, Geneve (1988).

[9] L. SMITH (Adhesion Testing in Steel), SSPC, JPCL, p43-46, January, USA (2001).        [ Links ]

 

1 Engenheiro Químico, Pesquisador do CEPEL - Centro de Pesquisas de Energia Elétrica, Brasil

2 Doutor, Engenheiro Químico, Pesquisador do CEPEL - Centro de Pesquisas de Energia Elétrica, Brasil

3 Mestre, Química Industrial, Fundação Padre Leonel Franca, Brasil

4 PhD, Engenheira Química, Instituto Nacional de Tecnologia, Brasil

* A quem a correspondência deve ser dirigida, email: fragata@cepel.br

 

Artigo submetido em Julho de 2008 e aceite em Agosto de 2008