SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.26 número1Breve História das Tintas Antivegetativas índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Corrosão e Protecção de Materiais

versão impressa ISSN 0870-1164

Corros. Prot. Mater. v.26 n.1 Lisboa  2007

 

Desempenho de Esquemas de Pintura Aplicados em Superfícies de Aço Seca e Úmida

Fernando de L. Fragata (1) (*), Maria J. Saad (2), Cristina C. Amorim (3)

        Artigo submetido em Maio de 2005 e aceite em Abril de 2006

 

RESUMO

Grandes avanços tecnológicos têm sido observados no campo da pintura anticorrosiva. O desenvolvimento de tintas tolerantes a superfícies úmidas tem se mostrado um tema de bastante interesse, em nível mundial, principalmente em função da introdução de métodos de limpeza de superfícies que utilizam água para tal finalidade (jateamento abrasivo úmido, hidrojateamento a alta pressão, etc.) e do fato de que nem sempre as condições climáticas (umidade relativa e temperatura) são favoráveis para a aplicação das tintas consideradas convencionais. Neste trabalho, estudou-se o desempenho à corrosão de três esquemas de pintura, os quais foram aplicados em superfícies úmidas e secas. Os resultados obtidos mostraram que os três esquemas de pintura possuem boas características de aplicação nas duas condições superficiais citadas. Entretanto, o desempenho à corrosão, principalmente em superfícies úmidas, varia de forma significativa em função do método de preparação de superfície e da tecnologia de formulação e de fabricação das tintas, ou seja, de um fabricante para outro. Logo, os resultados obtidos não podem ser generalizados.

Palavras-chave: Desempenho Anticorrosivo, Superfícies Seca e Úmida, Esquemas de Pintura, Preparação de Superfícies

 

 

Performance of Painting Systems Applied on Wet and Dry Surfaces

ABSTRACT

The development of wet surface tolerant paints has been increased due to the use the water in some surface preparation methods (wet abrasive blasting and ultrahigh-pressure water jetting) and also in regions where a high humidity condition is unsuitable for the application of conventional paints. In this paper, the behavior of three painting systems applied on dry and wet surfaces, prepared by abrasive blasting and ultrahigh-pressure water jetting, are shown. Good application characteristics were obtained for the three painting systems in both surfaces. Respecting anticorrosion protection, it was observed significant differences among the different painting systems, specially when applied on wet surfaces.

 Keywords: Paint System, Wet and Dry surfaces, Anticorrosive Behavior, Surface Preparation

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

Referências

[1] J. P. QUINTELA, A. A. T. M. SILVA e P. P. B. LEITE, Corros. Prot. Mater., 21, 3, 6 (2002).        [ Links ]

[2] ISO 8501:1988. (Preparation of Steel Surfaces Before Application of Paints), ISO, Geneve, Switzerland (1988).

[3] ISO 9223:1991. (Corrosion of Metals and Alloys, Classification of Corrosivity of Atmospheres), ISO, Geneve Switzerland (1991).

[4] M. MORCILLO, E. ALMEIDA, F. FRAGATA y Z. PANOSSIAN (Corrosión y Protección de Métales en las Atmósferas de Iberoamerica), CYTED, Madrid, España (2002).

[5] NACE No 5/SSPC-SP 12, (Surface Preparation and Cleaning of Steel and Other Hard Materials by High-and Ultrahigh-Pressure Water Jetting Prior to Recoating), NACE, USA (1995).

[6] ASTM D 512:1981. (Standard Test Methods for Chlorine Ion in Water - Method C), ASTM, Philadelphia,USA (1981).

[7] M. C. RAND, A. E. GREENBERG, M. J. TARAS and M. A. FRANSON (Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater) 14th edition, Ed. APHA-AWWA-WPCF, Washington, USA, pg. 496 (item 427c) 1979.

[8] ISO 4628:1982.(Evaluation of Paint Coatings – Part 2: Designation of Degree of Blistering), ISO, Geneve, Switzerland (1982).

[9] ISO 4628:1982.(Evaluation of Paint Coatings – Part 3: Designation of Degree of Rusting), ISO, Geneve, Switzerland (1982).

[10] ISO 4628:1982.(Evaluation of Paint Coatings – Part 4: Designation of Degree of Cracking), ISO, Geneve, Switzerland (1982).

[11] NBR 11003 A: 1990. (Tintas – Determinação da Aderência), Rio de Janeiro, Brasil (1990).

[12] ASTM D 4541:2003. (Standard Test for Pull-Off Strength of Coatings Using Portable Adhesion Testers), ASTM, Philadelphia, USA (2003).

[13] ASTM G 154:2001. (Operating Fluorescent Light Apparatus for Exposure of Nonmetallic Materials), ASTM, Philadelphia, USA (2001).

[14] ASTM D 870:1987. (Testing Water Resistance of Coatings using Water Immersion), ASTM, Philadelphia, USA (1987).

 

(1) Engenheiro Químico, Pesquisador do CEPEL – Centro de Pesquisas de Energia Elétrica

(2) Engenheira Civil do Departamento de Engenharia Mecânica (DEM.T) de FURNAS Centrais Elétricas S/A, e-mail: msaad@furnas.com.br

(3) Química Industrial, Fundação Padre Leonel Franca, e-mail: camorim@cepel.br

(*) A quem a correspondência deve ser dirigida, e-mail: fragata@cepel.pt