SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.27 número2Resposta aos críticosLer contra o tempo: Condições dos textos na cultura portuguesa (recolha de estudos em hora de vésperas) índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Diacrítica

versão impressa ISSN 0807-8967

Diacrítica vol.27 no.2 Braga  2013

 

Orbae matres. A dor da mãe pela perda de um filho na literatura latina Cristina Santos Pinheiro, Lisboa, fundação Calouste Gulbenkian, fundação para a ciência e a tecnologia, 2012. 530 pp. ISBN: 978-972-31-1436-2

Virgínia Soares Pereira*

*Universidade do Minho, Instituto de Letras e Ciências Humanas, Departamento de Estudos Portugueses e Lusófonos, 4710-057 Braga, Portugal.

virginia@ilch.uminho.pt

 

O volume em apreço, da autoria de uma docente da área de Estudos Clássicos da Universidade da Madeira, Cristina Santos Pinheiro, é o resultado de uma longa investigação que culminou (mas não terminou) na realização da dissertação de doutoramento sob o mesmo título. Nas palavras da A., “O projecto desta dissertação nasceu na sequência da união das áreas de Psicologia e de Estudos Clássicos numa estrutura nova e sem precedentes a que se deu o nome de Departamento de Psicologia e Estudos Humanísticos.” (p. 3). A inesperada afinidade de interesses entre estas duas áreas e o próprio e acentuado interesse de Cristina Santos Pinheiro pelo tema da condição feminina e das suas vivências, da sua força e das suas fragilidades, obtiveram como resultado um livro admirável e surpreendente, na sua dupla estruturação e na profunda humanidade que o envolve, que dimana da A. e se comunica ao leitor.

Para tal não deixa de contribuir o horizonte temporal escolhido para palco e cenário da investigação – os finais da República e o Principado de Augusto –, que é um tempo rico de contornos e matizes, de luzes e sombras, de tradições e de inovações, marcadamente acentuadas no tempo de Augusto no que à reavaliação moral da sociedade diz respeito, porquanto, como escreve Cristina Pinheiro, “Nesta restauração de costumes que Augusto pretendia, a existência feminina recebeu atenção singular e as mulheres da casa imperial assumiram uma importância determinante na criação da imagem pública dos imperadores que lhe sucederam.” (p. 5). Neste tempo, política, arte, religião, literatura e legislação conjugam-se, diz a A., na definição de papéis sociais e do papel da mulher, nomeadamente na questão do casamento, da maternidade e da morte.

É com este pano de fundo que o tema se desenvolve ao longo das suas 530 páginas, em duas partes distintas: A Parte I (cerca de duzentas páginas) é de âmbito histórico e sociológico e ocupa-se da saúde da mulher no que se prende com a maternidade (e o modo como é vista nas obras de medicina ginecológica), e aborda ainda questões relativas ao “enquadramento jurídico, social e moral da maternidade”, além de tratar de matérias como taxas de natalidade, doenças e causas de morte entre adultos e crianças, e ainda cerimónias fúnebres. Para este estudo são convocadas autoridades como o Corpus Hippocraticum, Plínio, o Velho, Sorano de Éfeso, Celso, que documentam como é antigo o interesse dos estudiosos pelos gynaikeia (estudos ginecológicos). Esta secção tem a ilustrá-la um conjunto de 10 quadros que reúnem interessantes informações sobre o tipo e local de sepultura de crianças e dados numéricos provenientes de escavações arqueológicas, realizadas em várias zonas e relativas aos primeiros séculos imperiais; acresce que todos estes dados são recolhidos em fontes perfeitamente identificadas.

A Parte II é de feição eminentemente literária e começa por traçar um quadro panorâmico sobre a teorização retórica do lamento nos autores clássicos, a que se segue um olhar atento sobre a expressão da dor e do luto na literatura latina, revisitados através do estudo de algumas obras de três vultos da maior envergadura poética: Virgílio, Ovídio, Séneca.

É difícil escolher entre estas duas secções tão distintas, mas ambas tão ricas de informação, de perspetivas, de sensibilidade poética, de humanidade. Entre os realia e a sua representação literária, a dissertação traz ao nosso conhecimento não só as mulheres que sofreram por serem mulheres, mães, e, sobretudo, matres orbae, enquadradas numa sociedade que tendia a reconhecê-las sobretudo como garante da tradição e perpetuação familiar, mas também a dor das mulheres da tradição mítica que a literatura representou. Para esta segunda parte, são carreados, num primeiro capítulo, estudos teóricos sobre o treno, o lamento, a consolação (documentados em algumas obras de Cícero, Rhetorica ad Herennium, Quintiliano, Séneca, Valério Máximo). Segue-se uma detida análise do sofrimento representado nas principais figuras femininas da Eneida, que refletem a mundividência do Mantuano e constituem como que o seu implicit comment:a dor de Dido, amante abandonada que não teve filhos; os lamentos desesperados da mãe do jovem Euríalo, caído em combate (a este lamento e às suas fundas implicações no universo feminino e épico do poema, são consagradas cerca de vinte páginas de minuciosa e sensível análise estilístico-literária); Juturna e a dor perante a morte iminente do irmão Turno; Evandro e Mezêncio chorando a morte dos filhos Palante e Lauso, respetivamente, caídos em combate; outras tantas mortes que constituem presença inevitável num poema épico caracterizado por uma forte componente guerreira. Note-se que a ocorrência, na Eneida,de tantas mortes ante diem tem sido objeto de inúmeras e por vezes contraditórias análises, perspetivas, conclusões, embora todas elas redutíveis, em última análise, às duas visões dicotómicas que têm norteado os estudos do epos virgiliano, uma épica e optimista, outra pessimista e profundamente trágica. Mas a A. traduziu muito bem esta dupla visão, só aparentemente paradoxal. Como escreve, na p. 276, a concluir o capítulo consagrado à Eneida: “Para nós, que lemos a Eneida neste início do século XXI, o luto e o sofrimento carregam um peso negativo que recai sobre quem deles beneficia. Para Vergílio e para os Romanos do seu tempo, são elementos intrínsecos da vitória e um preço a pagar pelo triunfo, é certo, mas também pela conquista da paz. É a parta uictoriis pax de que Augusto se vangloria nas Res Gestae (2.43-44).”

Depois da Eneida, a A. faz incidir a sua atenção em várias matres orbae e outras figuras dolorosas do universo ovidiano das Metamorfoses e dos Fastos. Refiram-se: a dor de Clímene e das Helíades perante a morte de Faetonte, o sofrimento de Agave e a morte de Penteu, Ino e Atamante, Ceres e o doloroso sentimento de perda pelo rapto de Prosérpina; a infinda dor de Níobe, que perdeu doze filhos, “seis filhas e seis filhos vigorosos” (como lembrou Homero, no final da Ilíada) e a sua transformação em pedra; a vingança de Procne e o assassínio dos filhos; Alteia e as irmãs de Meleagro, Alcmena (mãe de Héracles), a nora Íole e o relato doloroso da transformação da irmã, Dríope, em pedra; a suprema dor de Hécuba, que viu morrer todos os seus filhos (cerca de vinte páginas dedicadas a esta figura mítica que ilustra paradigmaticamente, mais do que qualquer outra, a inconstância da fortuna); são ainda objeto de atenção duas outras figuras míticas, Vénus e Aurora. Cristina Pinheiro, procurando delinear os contornos dominantes em todas estas figuras, conclui que são convencionais os traços da representação ovidiana do amor materno, que a dor infinda faz com que a mulher se comporte como um animal ou fera, e que a mulher orbata nunca deixa de ser sentida como um ser inútil à sociedade, pois a perda de um filho acaba por afetar a já frágil dignitas social da mulher.

O último grande capítulo da dissertação é dedicado a Séneca e às figuras femininas da sua dramaturgia, nomeadamente Andrómaca, Hécuba e Medeia, símbolos inquestionáveis da maternidade trágica. Uma análise profunda das Troades (“As Troianas”) comenta a tragédia das duas primeiras mulheres, Andrómaca (mãe de Astíanax) e Hécuba (mãe de Políxena). São mães inconsoláveis que perderam os seus filhos, vítimas de vingança no contexto atroz da guerra. Por sua vez, a tragédia Medeia representa, como todos sabem, a mulher que se privou dos filhos, por vingança, por amor.

Estes são os grandes capítulos que compõem o volume, que encerra com uma breve conclusão, a que acrescem uma Bibliografia (pp. 487-508) e um Index Locorum (pp. 509-530), que são de regra, sem dúvida, e da maior utilidade numa obra de recorte académico.

A extensão do volume não nos permite apresentar dele uma visão mais circunstanciada. Mas importa dar particular ênfase a alguns aspetos dignos de nota: o interesse das referências médicas e jurídicas relativas ao tema em estudo, a abundância de notas esclarecedoras e atinentes às fontes consultadas, a elegância da escrita e a acribia das constantes análises estilístico-literárias e dos comentários de inúmeros passos extraídos de Virgílio, Ovídio e Séneca, que ilustram de forma magistral as múltiplas variáveis da condição feminina: a fragilidade da mulher, a maternidade, a frustração, a dor, a vingança, etc… Nas palavras de Cristina Santos Pinheiro, que encerram este seu estudo (p. 485): “A mater orba é uma figura aterradora que representa aspetos inquietantes da humanidade: o sofrimento, a frustração do futuro, a imprevisibilidade da fortuna. Mas é precisamente devido a essa dimensão humana, é porque qualquer indivíduo se vê representado na imagem da mãe que chora a morte do filho, que ela constitui um dos motivos mais patéticos e apelativos da arte e da literatura.”

Assim termina este valioso e surpreendente estudo. Ele comprova, sem dúvida, uma constante dos estudos que se acercam da matéria e dos tempos clássicos: a sua perenidade, a sua vitalidade, a sua capacidade de continuar a interpelar-nos. Olhar o mundo que nos rodeia sem conhecer os Clássicos é possível, segundo alguns, mas a acuidade desse olhar tende forçosamente a perder-se.