SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.23 número2Influência da origem da madeira de carvalho no envelhecimento de vinhos tintos índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Ciência e Técnica Vitivinícola

versão impressa ISSN 0254-0223

Ciência Téc. Vitiv. v.23 n.2 Dois Portos  2008

 

Controlo de práticas enológicas reconhecidas internacionalmente. Uma revisão crítica

A.S. Curvelo-Garcia

 

INRB, INIA-Dois Portos, ex-Estação Vitivinícola Nacional. Quinta d’Almoínha, 2565-191 Dois Portos, Portugal (curvelo.garcia@mail.net4b.pt)

(Manuscrito recebido em 03.12.08. Aceite para publicação em 09.12 .08)

 

 

RESUMO

A descrição de uma prática enológica deverá conter o seu objectivo, o seu campo de aplicação, os limites à sua utilização e, quando for o caso, os aditivos e os auxiliares tecnológicos envolvidos. É o que se passa na OIV, com as Fichas do Código Internacional de Práticas Enológicas e do Codex Enológico. Assim, considerando designadamente os limites da sua utilização, seria pois necessário haver a disponibilidade de metodologias para controlar uma correcta aplicação dessas práticas. Passando-se em revista as diferentes práticas enológicas reconhecidas internacionalmente, descritas no Código Internacional de Práticas Enológicas, verifica-se uma enorme carência destas metodologias de controlo, concluindo-se pois pela necessidade de distinguir as prescrições de informação ou de parecer sobre a utilização das práticas enológicas (como integrando um “Código de Boas Práticas”) das prescrições obrigatórias (necessárias para assegurar a segurança alimentar dos produtos e a lealdade da competitividade).

Palavras-chave: vinho, práticas enológicas, controlo

 

 

SUMMARY

Control of enological practices recognized internationally. A critical review

Description of an enological practice will be including the objective, the application area and their limits and, if applicable, the additives and technological auxiliaries concerned. The International Code of Enological Practices and the Enological Codex of OIV respect these criteria. So, considering the applications limits of these enological practices, it is indispensable the availability of methodologies to control the proper application of these practices. But in the Code of Enological Practices of OIV, there is a great need of these control methodologies, concluding for the necessity of distinguishing the information prescriptions on the use of the enological practices (like integrating a “Code of Good Practices”) of the compulsory prescriptions (necessary to the food security guard of the products and the loyalty of the competitiveness).

Key words: wine, enological practices, control

 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Carvalho E., Costa S., Franco C., Curvelo-Garcia A.S., 1999. Acidificação de mostos e vinhos. O ácido L(+)-láctico. Ciência e Técnica Vitivinícola, 14 (2): 67-77.        [ Links ]

Carvalho E., Curvelo-Garcia A.S., 2000. Aplicação dos ácidos Ltartárico, L-láctico e DL-málico na acidificação de mostos e vinhos. Ciência e Técnica Vitivinícola, 15 (2): 65-73.

Carvalho E., Costa S., Franco C., Curvelo-Garcia A.S., 2001. Acidification des moûts et des vins. L’utilisation des acides Ltartrique, L-lactique et DL-malique. Bulletin de l’OIV. Revue Internationale, 74 (849-850): 743-751.

Curvelo-Garcia A.S., 2005. Práticas enológicas internacionalmente reconhecidas, Ciência e Técnica Vitivinícola, 20 (2): 105-130.

Gonçalves F., Cameira-dos-Santos P.J., Barros P., Pinheiro J.A., Pinho M.N. 2000. Application de l’électrodyalise à la stabilisation tartrique de Vin de Porto. Comparaison avec le procédé de froid par stabulation longue. OEnologie 99. 6e Symposium International d’Oenologie, Coord. Aline Lonvaud-Funel, Ed. Tec & Doc, Paris : 535-539.

OIV, 2008a. Code International des Pratiques Oenologiques, OIV, Paris.

OIV, 2008 b. Codex Oenologique International, OIV, Paris