SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
 número182Língua e hegemonia nas ciências sociaisO amor no século xix: Jaime Batalha Reis e Celeste Cinatti índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Análise Social

versão impressa ISSN 0003-2573

Anál. Social  n.182 Lisboa jan. 2007

 

Indicadores de C&T, inovação e conhecimento: onde estamos? Para onde vamos?**

 

Manuel Mira Godinho*

 

Ao descrever a trajectória evolutiva dos indicadores de «C&T, inovação e conhecimento», argumenta-se que nos situamos numa terceira geração destes indicadores. Neste âmbito avalia-se a posição relativa de Portugal, que, a par de fragilidades conhecidas, revela igualmente traços evolutivos interessantes. A análise permite referenciar vantagens e desvantagens de diferentes tipos de indicadores, bem como a complexidade associada à oferta e ao emprego de uma quantidade crescente de fontes e recursos estatísticos. Finalmente, refere-se a dificuldade de navegação na ausência de independência e de um sólido quadro teórico.

Palavras-chave: indicadores estatísticos; C&T; inovação; economia baseada no conhecimento.

 

Indicateurs de S&T, innovation et connaissance: où en sommes-nous? où allons-nous ?

La description de la trajectoire d'évolution des indicateurs de «S&T, innovation et connaissance» entraîne l'argument que nous nous situons dans la troisième génération de ces indicateurs. C'est dans ce cadre que l'auteur évalue la position relative du Portugal qui, en plus des fragilités connues, révèle également des traits intéressants d'évolution. L'analyse révèle les avantages et les inconvénients de différents types d'indicateurs, ainsi qu'une complexité associée à l'offre et à l'emploi d'une quantité croissante de sources et ressources statistiques. Pour terminer, référence est faite à la difficulté de naviguer en l'absence d'indépendance et d'un cadre théorique solide.

Mots clés: indicateurs statistiques; S&T; innovation; économie basée sur la connaissance.

 

Science and technology, innovation and knowledge indicators: where are we? where are we going?

In describing how science and technology, innovation and knowledge indicators have developed, this article argues that we are currently in the third generation of these indicators. In this context we assess Portugal's relative position, which combines known weaknesses with some interesting developmental features. This analysis enables us to identify advantages and disadvantages of different types of indicators, as well as to see the complexity involved in the supply and use of an increasing number of statistical sources and resources. Finally, the article identifies navigational problems in a context where there is a lack of independence and solid theoretical framework.

Keywords: statistical indicators; science and technology; innovation; knowledge-based economy.

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

Referências bibliográficas

Archibugi, D., e Pianta M. (1996), «Innovation surveys and patents as technology indicators: the state of the art», in OCDE, Innovation, patents and technological strategies, Paris, OCDE.        [ Links ]

Ávila, P., e Castro, P. (2002), «Compreender a ciência: o inquérito à cultura científica dos portugueses», in Maria Eduarda Gonçalves (org.), Os portugueses e a Ciência, Lisboa, D. Quixote.

Bóia, M. J., Conceição, P., Heitor, M., e Beira, E. (2004), Mapear Conhecimento e Inovação em Portugal — uma proposta de indicadores e um programa de observação, Relatório Final, Lisboa, UMIC.

Brown, G., Micklewright, J., Schnepf, S., e Waldmann, V. R. (2005), Cross-National Surveys of Learning Achievement: How Robust are the Findings?, IZA discussion paper no. 1652.

Cardoso, G., Costa, A. F., Conceição, C. P., e Gomes, M. C. (2005), A Sociedade em Rede em Portugal, Lisboa, Campo das Letras.

Castells, M. (1996), The Rise of the Network Society, Malden, Blackwell.

Conceição, P., e Ávila, P. (2001), A Inovação em Portugal, II Inquérito Comunitário às Actividades de Inovação, Oeiras, Celta.

Conceição, P., Heitor, M. H., e Veloso, F. (2003), «Innovative shocks and productivity. What do we know about innovation?», comunicação à «Conferência em honra de Keith Pavitt», Sussex, SPRU.

Costa, A. F., Ávila, P., e Mateus, S. (2002), Públicos da Ciência em Portugal, Lisboa, Gradiva.

David, P., e Foray, D. (1995), «Assessing and expanding the science and technology knowledge base», in STI Review, 16.

Espanha, R., Soares, L., e Cardoso, G. (2005), «Do multimedia ao wireless: as dietas mediáticas dos portugueses», comunicação ao seminário internacional «A sociedade em rede e a economia do conhecimento: Portugal numa perspectiva global», Lisboa, 5 e 6 de Março.

ETAN (1998), Internationalisation of Research and Technology: Trends, Issues and Implications for S&T Policies in Europe, Directorate General XII, Directorate AS — RTD Actions: Strategy and Co-ordination, Bruxelas/Luxemburgo, Julho de 1998.

Freeman, C., e Perez, C. (1988), «Structural crises of adjustment, business cycles and investment behaviour», in G. Dosi, C. Freeman, R. Nelson, G. Silverberg e L. Soete (orgs.), Technical Change and Economic Theory, Londres, Pinter Publishers.

Geroski, P. A. (1994): Market structure, corporate performance and innovative activity, Oxford, Clarendon Press.

Godin, B. (2003), «The knowledge-based economy: conceptual framework or buzzword», working paper no. 24,«project on the history and sociology of S&T statistics», a publicar no Journal of Technology Transfer (disponível em http://www.csiic.ca/PDF/Godin_24.pdf).

Godin, B. (2004), «The who, what, why and how of S&T measurement», working paper no. 26, «Project on the history and sociology of S&T statistics», publicado in Le banquet (revista do CERAP), 19-20, Janeiro, 159-170 (disponível em http://www.csiic.ca/PDF/Godin_26_a.pdf).

Godinho, M. M. (1999), «Inquéritos à inovação em Portugal: diversidade de abordagens e resultados», in M. M. Godinho e J. Caraça (orgs.), O Futuro Tecnológico: Perspectivas para a Inovação em Portugal, Oeiras, Celta.

Godinho, M. M. (2000), Análise Económica das Patentes: Sumário da «Lição de Síntese» Apresentada para as Provas Públicas de Agregação em Economia, Lisboa, ISEG-UTL.

Godinho, M. M., Pereira, T. S., Simões, V. C., Mendonça, S., e Sousa, V. (2004), Estudo sobre a Utilização da Propriedade Industrial em Portugal, Lisboa, INPI.

Godinho, M. M. (2005), «Sistemas de inovação nacionais em perspectiva: o desempenho do S. I. português», capítulo a publicar no livro de actas do seminário internacional «A sociedade em rede e a economia do conhecimento: Portugal no contexto global», promovido pela Presidência da República Portuguesa, Lisboa, 5-6 de Março (disponível em http://www.presidenciarepublica.pt/network/apps/miragodinho.pdf).

Godinho, M. M., Mendonça, S., e Pereira, T. S. (2005), Towards a taxonomy of innovation systems, série de working papers do Dep. de Economia do ISEG, 2005/13 (disponível em http://pascal.iseg.utl.pt/~depteco/wp/wp132005.pdf).

Godinho e Simões (2006), «Formação avançada e capacitação para inovar: objectivos possíveis no período de programação 2007-2013», a publicar em Sociedade Trabalho.

Gonçalves, F., e Caraça, J. M. (1986), «A mutação tecnológica e o potencial inovador da indústria transformadora», in Análise Social, vol. xxii (94), 5.º, pp. 929-939.

Gonçalves, F., e Caraça, J. M. (1988), «Gap tecnológico: uma tentativa de quantificação para países da OCDE», in Estudos de Economia, vol. ix (1), p. 49.

Griliches, Z. (1990), «Patent statistics as economic indicators: a survey», in Journal of Economic Literature, vol. 27, pp. 1661-707.

Kleinknecht, A. (org.) (1996), Determinants of Innovation: the message from new indicators, MacMillan.

Lopes, L. F., e Godinho, M. M. (2005), Services Innovation and Economic Performance: An analysis at the firm level, DRUID working paper 2005-8 (disponível em http://www.druid.dk/wp/pdf_files/05-08.pdf).

Lundvall, B.-A. (org.) (1992), National Systems of Innovation — Towards a Theory of Innovation and Interactive Learning, Londres, Pinter.

Mendonça, S., Pereira, T. S., e Godinho, M. M. (2005), «Trademarks as an indicator of innovation and industrial change», in Research Policy, Elsevier, vol. 33 (9), pp. 1385-1404.

Moutinho, A., e Godinho, M. M. (2006), «S&T culture: a blooming dimension, a publicar em Research Evaluation.

Narin, F., e Olivastro, D. (1988), «Technology indicators based on patents and patent citations», in A. van Raam (org.), Handbook of Quantitative Studies of Science and Technology, Amsterdão, North Holland.

Nonaka, I. (1991), «The knowledge-creating company», in Harvard Business Review, 69, Novembro-Dezembro, pp. 96-104.

Nonaka, I., e Takeuchi, H. (1995), The Knowledge Creating Company, Nova Iorque, Oxford University Press.

JNICT (1996), Indicadores Bibliométricos de Produção Científica Portuguesa, Lisboa, Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica.

OCDE (1963), The Measurement of Scientific and Technical Activities: Proposed Standard Practice for Surveys of Research and Experimental Development (Manual Frascati), Paris, OCDE.

OCDE (1992a), Technology and the economy: the key relationships. The Technology/Economy Programme (TEP), Paris, OCDE.

OCDE (1992b), Proposed Guidelines for Collecting and Interpreting Technological Innovation Data: Oslo Manual, Paris, OCDE.

OCDE (1996), Science, Technology and Industry Outlook, Paris, OCDE.

OCDE (2004), Compendium of Patent Statistics, Paris, OCDE (disponível em http://www.oecd.org/dataoecd/60/24/8208325.pdf).

OCDE (2005), Science, Technology and Industry Scoreboard 2005 — Towards a knowledge-based economy (disponível em http://ariel.sourceoecd.org/vl=988592/cl=70/nw=1/rpsv/scoreboard/).

OCES (2005), Impactos de citação da produção científica portuguesa, Lisboa, Observatório da Ciência e do Ensino Superior (disponível em www.oces.mctes.pt).

OCT (1999), Produção Científica Nacional Referenciada Internacionalmente: 1980-1997, Março, Lisboa, Observatório das Ciências e das Tecnologias.

Pavitt, K. (1984), «Patterns of technical change: towards a taxonomy and a theory», in Research policy, 13, pp. 343_374.

Pavitt, K. (1985), «Patent statistics as indicators of innovative activities: possibilities and problems», in Scientometrics, vol. 7, n.os 1-2, pp. 77-99.

Pereira, T. S. (1996) «Uma análise do impacto das políticas europeias na colaboração internacional em investigação científica em Portugal e no Reino Unido», in Análise Social, vol. xxxi (135), pp. 229-265.

Pereira, T. S. (2000), A Bibliometric Study of the Portuguese Research System in Biotechnology, RISE project working paper, DMS 020/2000, Dezembro, INETI.

Prahalad, C. K., e Hamel, G. (1990), «The core competence of the corporation», in Harvard Business Review, 68, pp. 79-91.

Price, D. S. (1965), «Networks of scientific papers», in Science, 149, pp. 510-515.

Price, D. S. (1976), «General theory of bibliometric and other cumulative advantage processes», in JASIS, 727, pp. 292-306.

Rodrigues, M. L., e Mata, J. T. (2003), «A utilização de computadores e da Internet pela população portuguesa», in Sociologia, Problemas e Práticas, n.º 43, pp. 161-178.

SEC (2001), 1414, Painel da Inovação 2001, doc. de trabalho dos serviços da Comissão, Bruxelas, 14-9-2001.

SEC, Commision Staff Working paper, (2004), European Innovation Scoreboard 2004, Comparative Analysis of Innovation Performance, Bruxelas, 19-11-2004.

Silva, C. M., e Lisboa, M. (1994), «Mudanças institucionais na produção científica portuguesa», in J. M. Gago (org.), Prospectiva do Ensino Superior em Portugal, Lisboa, DEP/GEF, Ministério da Educação e Instituto da Prospectiva.

Smith, K. (1992), «Technological innovation indicators: experience and prospects», in Science and Public Policy, 19 (6), pp. 383-392.

Smith, K. (2005), «Measuring innovation», in J. Fagerberg, D. Mowery e R. Nelson (orgs.), Oxford Handbook of Innovation, Oxford, OUP.

Sousa, C. (2005), A criação e difusão de conhecimento no sistema de inovação português: actores, interacções e instituições, tese apresentada para obtenção de doutoramento em Economia no ISEG/UTL.

Stewart, T. A. (1997), Intellectual Capital: The New Wealth of Organization, Doubleday.

Teece, D. J., e Pisano, G. (1994), The Dynamic Capabilities of Firms: An Introduction, Industrial and Corporate Change (3), pp. 537-556.

Teece, D. (2001), Managing Intellectual Capital: Organizational, Strategic, and Policy Dimensions, Oxford, OUP.

UNCTAD (2005), World Investment Report 2005: Transnational Corporations and the Internationalization of R&D, Nova Iorque, UN.

 

* ISEG, Universidade Técnica de Lisboa.

** Este artigo foi apresentado numa versão preliminar à conferência «Qualificações, inovação e emprego», organizada pelo Observatório do Emprego e Formação Profissional, Lisboa, 14 de Novembro de 2005.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons