SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.23 número6Próteses Metálicas Auto-Expansíveis no Cancro Colo-Rectal: Das Guidelines para a Prática Clínica índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


GE-Portuguese Journal of Gastroenterology

versão impressa ISSN 2341-4545

Resumo

CASTRO, Francisca Dias de et al. Papel da Ultrassonografia Endoscópica na Abordagem Diagnóstica das Lesões Subepiteliais Altas. GE Port J Gastroenterol [online]. 2016, vol.23, n.6, pp.287-292. ISSN 2341-4545.  http://dx.doi.org/10.1016/j.jpge.2016.05.001.

Introdução: As lesões subepiteliais (LS) são achados frequentes, particularmente no trato digestivo alto. Incluem um grande número de entidades, algumas com potencial maligno, cuja história natural não é totalmente conhecida e o adequado manejo controverso. O nosso objetivo foi analisar o papel da ultrassonografia endoscópica (EUS) na abordagem diagnóstica das LS do trato digestivo alto. Material: Estudo retrospetivo de doentes consecutivos submetidos a EUS alta para estudo diagnóstico de LS entre 2008-2014. Analisadas as características ultrassonográficas e a orientação definida. Resultados: Incluídos 324 doentes, 60% com LS gástrica, 28% esofágica e 12% duodenal. O diagnóstico segundo as características ultrassonográficas foi: GIST 25%, lipoma 21%, leiomioma 19%, pâncreas ectópico 17%, quisto submucosa 7%, tumor células granulares 1%, carcinoide 1%, lesões da mucosa 1% e em 8% indefinido. A orientação proposta após EUS foi em 35% de vigilância e em 20% intervenção diagnóstica/terapêutica (punção aspirativa agulha fina - PAAF ou ressecção cirúrgica/endoscópica). Esta última por características EUS de agressividade no diagnóstico (53%), diagnóstico indefinido em EUS (39%) ou alterações de tamanho em EUS subsequentes (8%). As características EUS associadas significativamente à decisão de PAAF/ressecção foram: tamanho, hipoecogenicidade, heterogeneidade, bordos irregulares, calcificações, componente quístico e adenopatias. A associação de várias características associou-se a maior percentagem de doentes submetidos a esta abordagem (p < 0,001), em 100% quando 4 ou mais critérios. Nos 33 doentes submetidos a PAAF, em 66% o diagnóstico foi inconclusivo. Em todas as LSE orientadas para vigilância não se verificaram intercorrências neste período. Conclusão: A EUS é o método de eleição no estudo das LS do trato digestivo alto, na maioria definindo um diagnóstico. A abordagem diagnóstica definitiva ou terapêutica, pode ser baseada na associação de características ultrassonográficas de agressividade, apresentadas na maioria logo no diagnóstico inicial. Foi demonstrada segurança nas LSE orientadas para vigilância e a necessidade de aguardar melhores resultados com PAAF.

Palavras-chave : Doenças Gastrointestinais/ultrassonografia; Endossonografia; Tracto Gastrointestinal/ultrassonografia; Tumores do Estroma Gastrointestinal/ultrassonografia.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons