SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.31 número5Profilaxia do tromboembolismo venoso em viagens de longa duraçãoTrombofilia hereditária: um caso, várias questões índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Portuguesa de Medicina Geral e Familiar

versão impressa ISSN 2182-5173

Resumo

VENTURA, Teresa. Poliomielite e seus efeitos tardios: viver ao ritmo da doença. Rev Port Med Geral Fam [online]. 2015, vol.31, n.5, pp.326-333. ISSN 2182-5173.

Introdução: Muitos sobreviventes da poliomielite, após período de estabilidade clínica, desenvolvem complicações relacionadas com a doença. Este caso demonstra a necessidade do médico de família familiarizar-se com as múltiplas vertentes das repercussões tardias da poliomielite e reconhecê-las como entidade nosológica. Descrição do caso: Doente, 69 anos, apresenta sequelas de poliomielite. A narrativa de vida evidencia o quanto a luta pela superação da deficiência foi central na sua trajetória. Inicia, décadas após a doença aguda, queixas progressivas de fraqueza muscular, fadiga, mialgias, poliartralgias, parestesias das mãos e depressão, condicionando incapacidade funcional crescente, bem como intolerância ao frio, incontinência urinária e perturbação do sono, por vezes associada a fasciculações. O exame objetivo e exames auxiliares de diagnóstico evidenciam lesão neurogénea crónica nos membros inferiores, síndroma do túnel cárpico e diversas doenças músculoesqueléticas. Face a novos sintomas, velhos sentimentos relacionados com a deficiência, que a própria julgava ultrapassados, são despertados. O plano terapêutico envolve uma equipa multidisciplinar e inclui intervenções que incidem sobre: controlo dos sintomas e da evolução da doença; tratamento da psicopatologia coexistente; promoção de estilos de vida salutogénicos; adaptação da habitação e prescrição de ajudas técnicas; combate ao isolamento; mobilização de recursos informais, de serviços de saúde e sociais; transmissão de informação sobre a doença e problemas com ela relacionados. Comentário: Os efeitos tardios da poliomielite podem ser minimizados nos seus sintomas mediante determinadas orientações. A sua gestão efetiva exige um olhar plural e holístico, cabendo ao médico de família identificar o cluster de sinais e sintomas presentes, bem como as suas repercussões psicossociais e, consoante estes, definir um plano terapêutico individualizado.

Palavras-chave : Síndroma Pós-poliomielite; Impacto Psicossocial; Médico de Família.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons