SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
 número especial 5Programas de intervenção psicoterapêutica grupal: Implementação e avaliação num contexto da prática clínicaA plasticidade criativa possibilitada pela sociopoética: a perspectiva da criação de relaxamentos índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental

versão impressa ISSN 1647-2160

Resumo

VALENTIM, Olga Sousa; SANTOS, Célia  e  RIBEIRO, José Pais. Grupos de autoajuda: a perceção de gravidade do alcoolismo, da saúde física e mental. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental [online]. 2017, n.spe5, pp.93-97. ISSN 1647-2160.  http://dx.doi.org/10.19131/rpesm.0174.

O alcoolismo é uma doença crónica com efeitos previsíveis de degradação do bem-estar. A perceção da gravidade da doença e da saúde poderá influenciar a adesão e a eficácia do tratamento. Os Grupos de Autoajuda (GA) encontram-se associados a melhores resultados durante e após o tratamento. OBJETIVO(S): Descrever a relação entre a perceção de gravidade do alcoolismo e a perceção de saúde física e mental em pessoas que frequentam ou não GA. METODOLOGIA:Estudo descritivo, correlacional e transversal. Aplicámos o questionário de Estado de Saúde (SF-36V2) e a dimensão "consequências" do Revised Illness Perception Questionnaire (IPQ-R) para avaliar a perceção da gravidade da doença a 444 pessoas com alcoolismo diagnosticado há pelo menos um ano. Recorremos à análise exploratória, descritiva e de regressão múltipla (método stepwise). RESULTADOS: A gravidade da doença, não mostra uma correlação estatisticamente significativa com a perceção de saúde física ou mental e entre quem frequenta ou não GA. A regressão linear mostra que, para a "saúde física" as variáveis preditoras explicam 10% da variância, permanecendo na equação o "GA" (p<0,03). Na "saúde mental", explicam 31% da variância, ficando na equação por ordem de variância explicada: "idade" (p<0,02), "GA" (p<0,03) e "sexo" (p<0,05). Os indivíduos que frequentavam GA tiveram valores mais elevados de "saúde física" e "mental". CONCLUSÕES: A gravidade percebida não explica o funcionamento físico nem mental. No entanto a participação em GA constitui um preditor de melhor saúde mental e física. Destaca-se na intervenção de enfermagem a articulação com os GA.

Palavras-chave : Grupos de Autoajuda; Alcoolismo; Perceção; Saúde.

        · resumo em Espanhol | Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons