SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
 número11Atividades de ocupação terapêutica: intervenções de enfermagem estruturadas em reabilitação psicossocialComunicação terapêutica em enfermagem: Como a caraterizam os enfermeiros índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental

versão impressa ISSN 1647-2160

Resumo

PEREIRA, Ana Mónica et al. Burnout e interação trabalho-família em enfermeiros: Estudo exploratório com o Survey Work-Home Interaction Nijmegen (SWING). Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental [online]. 2014, n.11, pp.24-30. ISSN 1647-2160.

O trabalho e a família constituem os principais Contextos na sociedade atual. Inicialmente, as investigações centraram-se na perspetiva negativa da relação trabalho-família, nomeadamente no desencadear do burnout. Com o desenvolvimento da Psicologia Positiva, a investigação privilegiou a perspetiva positiva desta relação, mantendo-se a ideia de bidirecionalidade. Pelas exigências da sua atividade profissional os enfermeiros constituem um grupo vulnerável ao burnout e ao conflito entre trabalho e família. O Survey Work-Home Interaction Nijmegen (SWING, de Geurts et al., 2005) avalia esta bidirecionalidade nas duas perspetivas e neste trabalho pretende-se explorar as propriedades psicométricas do SWING numa amostra de enfermeiros e conhecer a prevalência da interação trabalho-família e sua relação com o burnout. Através do SWING e do Maslach Burnout Inventory foram recolhidos dados de 307 enfermeiros de hospitais públicos e centros de saúde portugueses. Os enfermeiros reportam baixos níveis de burnout, maior interação trabalho-família negativa do que interação família-trabalho negativa, e maior interação família-trabalho positiva do que interação trabalho-família positiva. A análise fatorial confirmatória revelou que o modelo de quatro fatores correlacionados, que distingue a direção da interação (trabalho-família ou família-trabalho) e a qualidade (negativa ou positiva), é o que melhor se adequa aos dados. A versão portuguesa do SWING apresenta boa consistência interna e existem correlações significativas entre as dimensões do SWING e o burnout. Os resultados permitem concluir que esta versão do SWING possui propriedades psicométricas satisfatórias, constituindo um instrumento de medida da interação trabalho-família adequado à língua portuguesa e útil para conhecer a realidade profissional dos enfermeiros.

Palavras-chave : Enfermeiros; Burnout; Análise fatorial; Conflito.

        · resumo em Espanhol | Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )