SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
 issue44Ruptured biliary cyst with biliary peritonitis: a case reportParathyroid Carcinoma author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

  • Have no similar articlesSimilars in SciELO

Share


Revista Portuguesa de Cirurgia

Print version ISSN 1646-6918

Abstract

CUNHA, Liliana et al. Os eosinófilos e a proteína C-reactiva são marcadores de diagnóstico e gravidade na apendicite aguda. Rev. Port. Cir. [online]. 2018, n.44, pp.19-24. ISSN 1646-6918.

Introdução: Os parâmetros inflamatórios têm sido utilizados no diagnóstico, prognóstico e monitorização de diversas patologias. O objectivo deste trabalho é avaliar as alterações do leucograma, plaquetas e da proteína C reactiva (PCR) e a sua correlação com o diagnóstico e gravidade da apendicite aguda (A A). Métodos: Estudo retrospectivo de doentes submetidos a apendicectomia no ano de 2011. Registaram-se a idade, o sexo, o tempo de internamento, os resultados laboratoriais obtidos antes da apendicectomia (leucograma, plaquetas e PCR) e a análise histológica da peça operatória. Resultados: Foram incluídos 214 doentes submetidos a apendicectomia, 93 mulheres e 121 homens, idade (mediana (Q1-Q3)) 30,0 anos (21,0 - 41,5). Em 10,3%, o apêndice não apresentava alterações, 68,7% tinham apendicite fleimonosa e 21,0% tinham apendicite gangrenada. Entre estes grupos, a contagem de linfócitos e eosinófilos, os rácios plaquetas/linfócitos, plaquetas/eosinófilos, neutrófilos/eosinófilos, neutrófilos/linfócitos e a PCR apresentaram diferenças estatisticamente significativas apenas na apendicite gangrenada após a aplicação da correcção de Bonferroni. Na A A (independentemente da classificação histológica), a contagem de eosinófilos estava significativamente diminuída 4,0x109/L (1,0 - 10,8) versus 7,5 x109/L (4,0 - 17,8) e a PCR aumentada 3,4mg/dL (0,9 - 9,7) versus 2,1mg/dL (0,4 - 4,4), em comparação com o grupo do apêndice sem alterações histológicas. Conclusão: A contagem de eosinófilos e a PCR apresentaram-se como possíveis marcadores diagnósticos e de gravidade da A A. No entanto, mais estudos são necessários para confirmar estes resultados.

Keywords : Eosinófilos; Apendicite; Proteína C-Reactiva.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · Portuguese ( pdf )

 

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License