SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.25 número1Tratamento de Infeções Protésicas com Desbridamento e Preservação do Implante: Resultados da Aplicação Prospetiva de um Protocolo Pré-estabelecido índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Portuguesa de Ortopedia e Traumatologia

versão impressa ISSN 1646-2122versão On-line ISSN 1646-2939

Resumo

SOBRAL, Luis; ANGELO, Ana C; VINGA, Susana  e  AZEVEDO, Clara. Rotura do Tendão do Grande Peitoral: Revisão Sistemática dos Métodos de Reinserção. Rev. Port. Ortop. Traum. [online]. 2017, vol.25, n.1, pp.5-15. ISSN 1646-2122.

Objetivo: Revisão sistemática da literatura focando a comparação dos resultados dos diversos métodos de reinserção na rotura do tendão do Grande Peitoral. Fontes dos dados: Foi realizada uma revisão sistemática de case-reports, case-series e estudo clínicos indexados à PubMed desde 1941 que descrevem os resultados do tratamento cirúrgico da rotura do Grande Peitoral. O outcome primário foi o resultado clínico segundo a classificação de Bak et al. Os outcomes secundários incluíram o timing da cirurgia, idade de rotura e tempo de follow-up. Comparam-se os resultados dos diversos métodos de reparação, dos diversos tipos de âncoras e do tratamento agudo versus crónico. Síntese dos dados: Vinte e sete estudos com 110 doentes e 9 métodos de reparação foram incluídos: suturas topo-a-topo, suturas transósseas, parafusos com anilhas, âncoras não especificadas, âncoras absorvíveis, âncoras de titânio, âncoras de sutura, âncora de titânio com sutura transóssea e botão cortical. A idade média foi de 29,6 anos e o tempo médio de follow-up foi de 28 meses. A maioria dos resultados (90,9 %) foi excelente ou bom não se verificando diferença estatisticamente significativa entre os diversos métodos de reparação. A análise do subgrupo das âncoras (11 casos) não demonstrou superioridade de qualquer tipo de âncoras. A reparação aguda (54 casos) esteve associada a melhores resultados que o tratamento crónico (56 casos). Conclusões: De acordo com esta revisão sistemática, o tratamento cirúrgico deverá ser realizado na fase aguda não existindo evidência suficiente para recomendar um determinado método de reinserção.

Palavras-chave : Músculo grande peitoral; rotura; lesões tendinosas; doença aguda; doença crónica; resultado de tratamento.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons