SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.4 número3A prática da atividade física: estudo comparativo entre os alunos de graduação da UNICAMP (Universidade Estadual de Campinas, Brasil)Influência do Alongamento no Estresse pré-competitivo em jogadores de futebol da categoria juvenil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Motricidade

versão impressa ISSN 1646-107X

Resumo

CESAR, Eurico Peixoto et al. Modificações Agudas dos Níveis Séricos de Creatina Quinase em Adultos Jovens Submetidos ao Trabalho de Flexionamento Estático e de Força Máxima. Motri. [online]. 2008, vol.4, n.3, pp.49-55. ISSN 1646-107X.

A força e a flexibilidade são componentes presentes em um programa de treinamento, e seus valores máximos são obtidos através de testes específicos. No entanto pouco se sabe sobre seus efeitos deletérios no aparelho músculo tendíneo. Objetivo: verificar as modificações séricas de CK 24 h após uma rotina de alongamentos, flexionamento estático e teste de 1-RM. Métodos: participaram do estudo 14 indivíduos de ambos os sexos (28 ± 6 anos), divididos em grupo controle (GC N = 7) e grupo experimental (GE N = 7), sendo o último submetido a uma rotina de alongamentos (GE-AL), de flexionamento estático (GE-FLEX) e ao teste de 1-RM (GE-1-RM). A antropometria foi aferida através de uma balança digital com estadiômetro. As coletas de sangue foram obtidas utilizando-se seringas descartáveis e depositadas em recipientes de vidro vedados e enviadas ao laboratório para deteminar os níveis de CK. Utilizou-se a técnica de De Lorme e Watkins nos exercícios Supino Horizontal e Leg Press para determinar a carga de 1-RM. Realizou-se 3 séries de 20 s de insistência flexionamento e 3 séries de 6 segundos de insistência para o alongamento. E estatística empregada foi a Prova de Friedman com post hoc de Tukey. Resultados: Os valores de CK basal e pós 24 h no GC e GE (AL; FLEX e 1-RM) foram respectivamente: 195,0 ± 129,5 vs. 202,1 ± 124,2; 213,3 ± 133,2 vs. 174,7 ± 115,8; 213,3 ± 133,2 vs. 226,6 ± 126,7 e 213,3 ± 133,2 vs. 275,9 ± 157,2. Só foi observada diferença significativa (a = 0,02) nos valores do GE-1RM. Conclusão: Conclui-se que apenas os exercícios dinâmicos de força máxima foram capazes de aumentar os níveis de CK pós exercício.

Palavras-chave : Flexibilidade estática; 1-RM; CK; dano muscular.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons