SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.23 issue1Risk and resilience factors in children’s academic and emotional adjustment to their parents’ divorceTherapeutic change and innovative moments author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

  • Have no similar articlesSimilars in SciELO

Share


Psicologia

Print version ISSN 0874-2049

Abstract

MOREIRA, Maria Paula  and  MONTEIRO, Maria Benedicta. Televisão e crenças sobre a realidade social. Psicologia [online]. 2009, vol.23, n.1, pp.27-54. ISSN 0874-2049.  http://dx.doi.org/10.17575/rpsicol.v23i1.316.

Este estudo teve como objectivo principal verificar a existência e a natureza da relação prevista entre a exposição à televisão e a percepção de determinados aspectos da realidade social, tais como medo de vitimação, desconfiança em relação aos outros e o locus de controlo, tal como foi teorizado por Gerbner e colaboradores na teoria de Cultivação de Crenças, enquanto efeito indirecto da exposição elevada à televisão. Foram inquiridos 226 jovens residentes na cidade de Lisboa, entre os 15 e 18 anos, tendo sido efectuadas ANOVAS sobre os valores obtidos nos três factores de percepção da realidade social encontrados, de modo a averiguar a existência de diferenças nas crenças dos jovens espectadores portugueses quanto ao modo como vêem o mundo à sua volta, no que respeita a sentimentos de medo, insegurança e desconfiança em relação aos outros, em função da exposição à televisão (tempo e conteúdos violentos) e das características sócio-demográficas dos participantes. Os resultados indicaram que, nesta amostra portuguesa, existe uma relação entre a exposição à televisão e algumas crenças sobre a realidade social, se bem que não tão linearmente como propuseram Gerbner e colaboradores ao lançarem as bases da Teoria de Cultivação de Crenças. No que respeita ao factor Medo Pessoal-Controlo Externo, a alta exposição à televisão tem efeitos contrários consoante o género dos telespectadores: Com o aumento do consumo televisivo para além de 3 horas diárias, só as raparigas acentuam a crença na possibilidade de serem vítimas, apelando mais à segurança através da intervenção das autoridades, enquanto que os rapazes muito assíduos não se percepcionam como prováveis vítimas de violência, aumentando mesmo a percepção de que podem eles próprios controlar essas situações. Não só o tempo de exposição total à televisão, mas também o tipo de programação preferido e visionado, estão igualmente associados às crenças que os jovens partilham: Os que assistem a mais programas violentos manifestam maior medo social, associado à percepção da capacidade individual para assegurar a autodefesa. Uma análise de regressão múltipla mostrou ainda que os três factores de crenças dos adolescentes sobre a realidade social que os rodeia tiveram como principal preditor o tempo de exposição à televisão.

Keywords : violência; televisão; crenças; comunicação social; teoria da cultivação de crenças.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · Portuguese ( pdf )