SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.16 número3Mindfulness, pasos hacia un consumo conscienteCooperação e boas práticas na Rede PME Inovação COTEC índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Economia Global e Gestão

versão impressa ISSN 0873-7444

Resumo

PANZONE, Luca et al. Incentivos económicos para diferenciação vertical de produtos no setor dos vinhos brasileiros. Economia Global e Gestão [online]. 2011, vol.16, n.3, pp.91-107. ISSN 0873-7444.

Apesar do vinho ser visto tradicionalmente como um produto típico dos países produtores europeus e mediterrânicos, nas últimas décadas as vinhas têm-se implantado em todos os continentes. Consequentemente, os vinhos são classificados como provenientes do Velho Mundo (países produtores tradicionais europeus e do médio oriente) e do Novo Mundo (países com tradição mais recente na produção de vinho). Para além do gosto individual, estes dois tipos de origem apresentam estratégias de marketing claramente diferentes: baseada sobretudo no local de origem no Velho Mundo, através do uso da Denominação de Origem; baseada nas castas das videiras, no Novo Mundo. Todavia, a segmentação pela qualidade tem-se tornado mais frequente no Novo Mundo, já que permite que os produtores possam competir em diferentes segmentos de mercado. Neste trabalho usamos informação relativa ao vinho brasileiro, produzido em empresas localizadas no Vale dos Vinhedos, Estado do Rio Grande do Sul, uma região que produz cerca de 90% de todo o vinho brasileiro. As empresas brasileiras começaram recentemente a diferenciar também os seus produtos com base na origem dos sinais de qualidade, oferecendo no mercado múltiplos produtos específicos, aumentando, assim, a segmentação do mercado. Para esta região vinícola em particular, estimamos uma função de produção para diferentes categorias de vinho, identificando os diferentes fatores que contribuem para a estratégia de marketing na área em estudo. Os resultados indicam que a diferenciação vertical é uma estratégia utilizada para optimizar a eficiência económica dos fatores. Em particular, os gastos em fatores relacionados com o tipo de produto (por exemplo, a uva, o tipo de garrafa, etc.) são particularmente importantes para os segmentos mais baixos, enquanto os gastos em fatores relacionados com a qualidade (por exemplo, o trabalho especializado) são cruciais para os vinhos de alta qualidade. Por conseguinte, sugere-se que, no mercado do vinho, a diferenciação vertical é mais consequência de incentivos económicos baseados na eficiência, do que baseados numa renda de origem política ou económica.

Palavras-chave : Segmentação Horizontal e Vertical; Função de Produção; Vinho; Brasil.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )