SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.15 número3Caracterização territorial do desemprego registado em Portugal: aplicação da análise de clustersSaúde pública no Brasil: rede social, pacto de gestão e o Programa Mais Saúde Direito de Todos 2008-2011 índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Economia Global e Gestão

versão impressa ISSN 0873-7444

Resumo

ILHEU, Fernanda. O papel da China nos PALOP: o caso de Moçambique (Primeira Parte). Economia Global e Gestão [online]. 2010, vol.15, n.3, pp.27-41. ISSN 0873-7444.

Devido às políticas de Reforma e Porta Aberta iniciadas em 1978, a China registou, desde essa altura, um rápido crescimento económico sustentado, tornando-a na segunda maior economia do mundo. Com um modelo económico orientado para a exportação, altamente suportado por Investimento Directo Externo, a China tornou-se no maior exportador mundial, depois de ultrapassar a Alemanha em 2009. Presentemente, a China tem a maior reserva do mundo de divisas estrangeiras, 50% aplicada em títulos do Tesouro americanos e o restante nos sistemas de saúde e segurança chineses, na solvabilidade dos bancos chineses, na internacionalização da economia chinesa, no investimento directo da China no exterior (IDENE) e na ajuda pública da China ao desenvolvimento de outros países (APED). Embora os fluxos de IDENE da China estejam hoje em dia mais virados para as economias maduras, a sua maior percentagem ainda se dirige a parcerias com outros países em desenvolvimento, como por exemplo os países africanos, e dentro destes o governo chinês identificou um grupo estrategicamente importante para cooperar e investir, os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP). Estes países têm grandes expectativas no investimento e cooperação com a China e as questões que pesquisamos são: (a) Deve este investimento ser considerado IDENE ou APED?; (b) Até que ponto estes fluxos financeiros contribuem para o desenvolvimento desses países em termos de emprego, exportações, transferência de tecnologia?; (c) Este investimento é visto como uma ameaça ou uma oportunidade pela população local, está ele a corresponder às expectativas criadas ou não? Neste artigo iremos focar a nossa pesquisa no caso de Moçambique.

Palavras-chave : China; Investimento Directo da China no Exterior; Ajuda Pública da China ao Desenvolvimento; PALOP; Consenso de Pequim; Moçambique.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )