SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.15 número3Avaliação da inflamação das vias aéreas. Vias áreas superiores e compartimento broncopulmonarDéfice de alfa -1 antitripsina. A experiência do Hospital de Pulido Valente com a terapêutica de reposição índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Portuguesa de Pneumologia

versão impressa ISSN 0873-2159

Resumo

PINTO, Anabela Mota  e  TODO-BOM, Ana. A intervenção da célula epitelial na asma. Rev Port Pneumol [online]. 2009, vol.15, n.3, pp.461-472. ISSN 0873-2159.

Faz -se uma revisão da intervenção da célula epitelial brônquica na fisiopatologia da asma. O epitelio que reveste as vias respiratórias actua como uma barreira física, separando o meio externo do meio interno pulmonar, controla a permeabilidade intercelular e transcelular, e, deste modo, a acessibilidade dos agressores inalantes as células apresentadoras de antigenio envolvidas na resposta imunoinflamatoria. As células epiteliais unidas por tight junctions contribuem para a integridade das vias aéreas e expressam poliovirus receptor-related protein (PRR), toll like receptors (TLR) e protease -activated receptors (PAR), que reconhecem agentes bacterianos e alergenios. A sua disfuncao transforma -as em fonte de mediadores intervenientes na inflamação. A interacção bidireccional entre, por um lado, o epitelio e os elementos constitutivos do brônquio e por outro, as partículas inaladas, tem subjacente a formação de uma unidade, com identidade propria designada EMTU - epithelial mesenchymal trophic unit. Esta extensa intervencao coloca a célula epitelial no centro de accao da cronicidade e remodelacao do processo asmático. As doenças infecciosas e o stress ambiental sao capazes de induzir alterações a nível da célula epitelial susceptíveis de modificar a sua resposta a estimulações futuras, nomeadamente a ampliar a resposta a outras agressões infecciosas por acção sinérgica das vias de sinalização. O epitelio brônquico tem assim funções de barreira que lhe permite exercer uma permeabilidade selectiva, a nível intracelular e transcelular, e ainda metabolicamente activo pelas capacidade de produzir mediadores quimiotacticos e citocinas envolvidos no recrutamento e na activação celular, com repercussão na broncomotricidade e na remodelação da parede brônquica.

Palavras-chave : Asma; epitelio; inflamação.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )