SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.14 número5Internamento devido a PAC por Streptococcus pneumoniae - Avaliação de factores de mortalidadeAvaliação da densidade mineral óssea em doentes com fibrose quística índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Portuguesa de Pneumologia

versão impressa ISSN 0873-2159

Resumo

SEABRA, Bárbara; GUIMARAES, Miguel; CARVALHO, Aurora  e  DUARTE, Raquel. Prevalência de hábitos tabágicos e sua repercussão numa população de asmáticos. Rev Port Pneumol [online]. 2008, vol.14, n.5, pp.617-624. ISSN 0873-2159.

Introdução - A prevalência de hábitos tabágicos em Portugal e na Europa ronda os 19,2 e 33%, respectivamente. Não existem, porém, dados precisos quanto à prevalência de hábitos tabágicos na popoulação asmática. Objectivos - Determinar a prevalência de hábitos tabágicos e sua repercussão numa amostra populacional asmática. Material e métodos - Cento e dez doentes asmáticos observados em consultas consecutivas de asma foram classificados como não fumadores, ex-fumadores ou fumadores, de acordo com os seus hábitos tabágicos. Subsequentemente, baseados numa avaliação clínica e funcional, foram incluídos num de quatro grupos: asma persistente severa (APS), persistente moderada (APM), persistente ligeira (APL) e intermitente (AI). Resultados - Entre os 110 doentes (65% do sexo feminino), com idades compreendidas entre os 18 e 78, 8% eram fumadores, 9% ex-fumadores e 83% não fumadores. Distribuição entre os asmáticos: - Fumadores - 0% APS, 56% APM, 33% APL, 11%AI; - Ex-fumadores - 10% APS, 30% APM, 50% APL, 10%AI; - Não fumadores - 7%APS, 27%APM, 36%APL, 30%AI; A avaliação funcional foi globalmente pior em doentes com exposição (actual ou prévia) a tabaco. Conclusão - A prevalência de hábitos tabágicos nesta amostra populacional foi de 8%, consideravelmente inferior à sua prevalência na população portuguesa (19,2%). A análise e comparação do grau de severidade de asma e da sua avaliação funcional revelou resultados piores na população de fumadores e ex-fumadores. Estes reforçam o papel da exposição ao tabaco como factor de agravamento da asma e, consequentemente, do seu prognóstico. Estudos posteriores podem revelar-se importantes na comprovação dos bem conhecidos riscos dos hábitos tabágicos, contribuindo para alertar a população asmática neste sentido.

Palavras-chave : Asma; tabaco; GINA; VEMS.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )