SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.21 número4Azatioprina na doença inflamatória intestinal: fatores preditivos da resposta sustentada a longo prazoHemorragia digestiva obscura complicada de choque em Testemunha de Jeová índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Jornal Português de Gastrenterologia

versão impressa ISSN 0872-8178

Resumo

MAGALHAES, Joana et al. Hiperhomocisteínemia: Uma ameaça oculta da doença inflamatória intestinal?. J Port Gastrenterol. [online]. 2014, vol.21, n.4, pp.155-160. ISSN 0872-8178.  http://dx.doi.org/10.1016/j.jpg.2014.01.005.

Introdução e objetivos: Estudos recentes têm demonstrado um aumento dos níveis de homocisteína na doença inflamatória intestinal (DII). A hiperhomocisteínemia (hHcys) foi confirmada como um fator de risco independente para doença arterial coronária e trombose arterial e venosa, constituindo um importante fator patogénico a ter em conta na DII. O objetivo d esteestudo foi avaliar a prevalência de hHcys nos doentes com DII e investigar a associação entre os níveis de homocisteína e os seus principais determinantes. Material e métodos: Estudo prospetivo, unicêntrico, incluindo 47 doentes (29 com doença de Crohn e 18 com colite ulcerosa) consecutivamente observados numa consulta de DII. Efetuado em todos os doentes estudo analítico, com determinação dos níveis de proteína C reativa, ácido fólico, vitamina B12 e homocisteína. Os registos clínicos desde a data do diagnóstico até à determinação dos níveis de homocisteína foram analisados. A associação entre variáveis categóricas e comparação de médias foi realizada recorrendo ao teste exato de Fisher e teste t de Student, respetivamente. Para identificar fatores preditivos de hHcys recorreu-se a uma análise de regressão linear. Considerou-se o nível de significância p < 0,05 e a análise estatística foi realizada recorrendo ao SPSS (versão 18.0). Resultados: Verificou-se a presença de hHcys em 10,6% dos doentes com DII. Cinco doentes (10,6%) apresentavam história prévia de tromboembolismo. Comparando os doentes de acordo com os níveis de homocisteína, aqueles com hHcys eram mais jovens (p < 0,001), tinham baixos níveis de ácido fólico (p < 0,001) e uma menor duração da doenc¸a (p < 0,001), tendo-se verificado ainda uma associação significativa entre a presença de hHcys e os hábitos tabágicos (p < 0,001). A análise de regressão linear para identificar fatores preditivos de hHcys baseada na idade, duração da doença, níveis de vitamina B12 e ácido fólico, foi significativa (p = 0,001), justificando 37% da variação dos níveis de homocisteína desta amostra. Os níveis de ácido fólico foram um fator preditivo significativo (p = 0,01). Conclusão: A hiperhomocisteínemia é um fenómeno frequente nos doentes com DII. Medidas preventivas devem focar-se nos fatores de risco reversíveis relacionados com hHcys, tais como a cessação de hábitos tabágicos e a correção de défices vitamínicos.

Palavras-chave : Doença inflamatória intestinal; Doença de Cronh; Colite ulcerosa; Hiperhomocisteínemia.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )