SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.21 número3Um dia de endoscopia digestiva alta num país do sul da EuropaPerceção do estado de saúde e da qualidade de vida numa amostra de celíacos portugueses índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Jornal Português de Gastrenterologia

versão impressa ISSN 0872-8178

Resumo

CAETANO, Ana Célia et al. Será uma refeição ligeira fator de erro na avaliação da dureza hepática por elastografia hepática transitória?: Um estudo prospetivo. J Port Gastrenterol. [online]. 2014, vol.21, n.3, pp.102-108. ISSN 0872-8178.  http://dx.doi.org/10.1016/j.jpg.2013.10.005.

Introdução: A elastografia hepática transitória (EHT) é um método não invasivo de avaliação de fibrose utilizado na doença hepática, principalmente na infeção crónica pelo vírus da hepatite C (VHC). Está demonstrada a sua acuidade na identificação de doentes com fibrose avançada ou cirrose. No entanto, existem fatores capazes de interferir na medição da dureza hepática (DH) para além da fibrose. A ingestão alimentar poderá constituir um desses fatores de erro, embora esteja pouco estudada e até agora não esteja definida a condição em que deve ser realizado o exame. Objetivos: Avaliar a influência da ingestão alimentar na DH medida por EHT e a sua potencial interferência na orientação clínica de doentes com infeção crónica pelo vírus da hepatite B (VHB) e VHC. Doentes e métodos: Estudo prospetivo observacional em que se procedeu à realização de EHT em 2 tempos - em jejum e após (30-60 minutos) uma refeição padronizada - numa amostra de 42 doentes com infeção crónica pelo VHB, 26 pelo VHC e 42 controlos. A análise foi complementada pela divisão em subgrupos, de acordo com o estádio presumido de fibrose. Resultados: Apesar da DH variar em todos os grupos com a ingestão alimentar, só se verificou um aumento estatisticamente significativo nos indivíduos sem fibrose presumida (baixa DH) infetados pelo VHB (p = 0,001). Constatou-se que as variações observadas poderiam interferir na orientação clínica de 11,8% dos doentes. Conclusão: No nosso estudo a ingestão alimentar fez variar o valor de DH no subgrupo de doentes com hepatite crónica pelo VHB com baixa fibrose presumida. Neste sentido, não parece interferir de forma significativa com a decisão e orientação clínica dos doentes, o que não nos permite fazer sugestões sobre a utilidade de efetuar o exame em jejum.

Palavras-chave : Dureza hepática; Elastografia hepática transitória; Jejum; Refeição ligeira.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )