SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.26 número1Relação entre os Dados Antropométricos e o Controlo Glicémico nos DiabéticosCuidados Paliativos na Insuficiência Cardíaca Avançada: A Experiência de uma Equipa Intra-Hospitalar de Suporte Em Cuidados Paliativos índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Medicina Interna

versão impressa ISSN 0872-671X

Resumo

SOUSA, Ana C. Isabel Chora; JACINTO, Margarida Maria Maia Leonardo Pimenta; PIRES, Vitória Isabel Duarte  e  ABREU, Tiago Tribolet de. Inibidores da Bomba de Protões na Profilaxia da Úlcera de Stress em Doentes Não Críticos. Medicina Interna [online]. 2019, vol.26, n.1, pp.28-32. ISSN 0872-671X.  http://dx.doi.org/10.24950/rspmi/original/115/1/2019.

Introdução: A utilização de inibidores da bomba de protões (IBPs) tem um papel bem estabelecido na profilaxia da hemorragia gastrointestinal no doente crítico; contudo, a sua utilização em doentes não-críticos é controversa. Os autores propuseram-se a avaliar a prescrição de IBPs em doentes num Serviço de Medicina Interna, incluindo a sua indicação e os custos associados. Material e Métodos: : Estudo prospectivo, observacional, transversal. Foram incluídos todos os doentes admitidos no nosso Serviço de Medicina Interna durante 31 dias. Na admissão foi preenchido pelo médico assistente uma escala de risco para hemorragia gastrointestinal. A pontuação igual ou superior 10 pontos afirmava a indicação para profilaxia com IBPs. Os custos associados ao uso de IBPs foram avaliados no período do estudo. Resultados: Foram admitidos 115 doentes, dos quais 99 doentes foram incluídos no estudo (54,5% mulheres, idade média 76,2 anos). Factores de risco: 28,3% lesão renal aguda, 10,1% patologia hepática, 20,2% sépsis, 40,4% anticoagulação profiláctica e 30,3% coagulopatia. De acordo com a escala de risco, 67,7% encontrava-se nos grupos baixo risco e 32,4% nos grupos alto risco. Verificámos que 59,6% dos doentes realizaram terapêutica com IBPs; destes, 45,8% de acordo com a escala de risco utilizada não apresentavam indicação para tal. O gasto em IBPs durante o estudo foi de 101,9€, portanto o valor estimado de gastos inapropriados foi de 46,6€ durante o estudo. Conclusão: A utilização de IBPs foi elevada no nosso departamento de medicina interna (59,6%). Destes doentes a utilização de IBPs foi inapropriada em 45,8%, o que representa um problema actual com risco iatrogénico e impacto económico.

Palavras-chave : Hemorragia Gastrointestinal/prevenção e controlo; Inibidores da Bomba de Protões; Úlcera Péptica/ prevenção e controlo.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons