SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.29 número3Crescer com doença renal crónica - O desafio continuaFgf-23 e calcificação vascular numa população em diálise peritoneal com função renal residual índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Portuguese Journal of Nephrology & Hypertension

versão impressa ISSN 0872-0169

Resumo

CANDIDO, Cristina et al. Gravidez em doentes transplantadas renais: efeitos sobre a mãe e o recém-nascido - 29 anos de experiência num único centro. Port J Nephrol Hypert [online]. 2015, vol.29, n.3, pp.228-235. ISSN 0872-0169.

Introducão: A doença renal crónica provoca a diminuição da fertilidade. Com a transplantação renal a ferti- lidade é recuperada em poucos meses. Objetivo: Analisar a viabilidade da gravidez no transplante renal e o seu impacto sobre a função renal, as complicações na mulher e no recém-nascido. Métodos: Estudo retro- spectivo das gravidezes ocorridas em transplantadas renais entre 1985 e 2014 numa Unidade de Transplantação, com um follow-up de 12 meses pós gravidez. Resultados: Foram incluídas 18 gravidezes (1 gravidez gemelar) em 13 transplantadas renais com uma média de idades de 31 anos. Destas, 12 gravidezes progrediram, 5 resultaram em aborto espontâneo e 1 em aborto induzido. Apenas uma gravidez se complicou por diabetes gestacional. Ocorreram dois nados-mortos (gravidez gemelar). O peso médio dos 11 recém-nascidos foi de 2,6 kg. Verificou-se uma diminuição significativa da taxa de filtração glomerular estimada aos 3 meses pós parto [p < 0.05], mas 1 ano pós parto a tendência deixou de ser significativa [p> 0.05]. Relativamente à proteinuria, o aumento significativo aos 3 meses pós parto manteve-se aos 12 meses [p < 0.05]. No 3o trimestre verificou-se um aumento significativo da tensão arterial [p < 0.05], que não se manteve aos 12 meses pós parto [p > 0.05]. Nos doentes sob ciclosporina verificou-se uma diminuição dos níveis séricos [p < 0.05] ao longo da gravidez. Não se detetou nenhuma rejeição assim como falência do enxerto durante a gravidez ou no follow-up pós parto. Conclusão: Embora a amostra seja limitada, o número de abortos espontâneos foi superior ao da população geral (24% versus 8 a 20%). O aumento significativo da proteinuria mantido após um ano sugere o aumento do risco de disfunção do enxerto a longo prazo. A diminuição dos níveis séricos de ciclosporina ao longo da gravidez implica uma vigilância mais apertada deste parâmetro neste período

Palavras-chave : Fertilidade; gravidez; transplante renal.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons