SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.27 número2Tratamento da hiperglicémia nos doentes diabéticos tipo 2 com Doença Renal CrónicaAcidose tubular renal distal e surdez neurossensorial com mutação no gene ATP6V1B1 índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Portuguese Journal of Nephrology & Hypertension

versão impressa ISSN 0872-0169

Resumo

FARINHA, Ana et al. Inibidores da mTOR em transplantação renal: impacto da conversão na sobrevida do enxerto e do doente. Port J Nephrol Hypert [online]. 2013, vol.27, n.2, pp.101-107. ISSN 0872-0169.

Introdução: Os mTOR mostraram-se eficazes na imunossupressão de manutenção em relação à sobrevida do enxerto, mas o seu impacto na sobrevida do doente só recentemente foi avaliado. Neste estudo analisámos todos os doentes transplantados renais na nossa unidade desde 2006/01/01 até 2011/12/31 no que respeita à falência do enxerto e à mortalidade comparando os doentes que foram convertidos para mTOR com os que permaneceram sob inibidor da calcineurina (CNI).População e métodos: Foram avaliados 425 doentes (idade média de 46 ± 13 anos, 60,7% do sexo masculino, 10,1%, diabéticos com tempo médio de seguimento de 44 meses). Durante este período, 123 doentes foram convertidos para mTOR: 8, incluídos no protocolo de um estudo, 13 por neoplasia e 102 por evidência de disfunção crônica do enxerto. Os restantes doentes foram mantidos sob CNI. A sobrevida do enxerto e do doentes foram comparados por Kaplan-Meier e p<0,05 foi considerado significativo.Resultados: Durante o tempo de seguimento, 10 doentes morreram e 28 perderam o enxerto. As características basais foram semelhantes para ambos os grupos, com excepção da idade (os doentes convertidos eram mais velhos, p = 0,012), sexo (masculino mais frequente no grupo mTOR grupo, p = 0,04) e raça (os caucasianos foram mais prevalentes no grupo mTOR, p = 0,012).Não houve diferença entre os dois grupos na sobrevida do enxerto ou do paciente, mesmo após ajuste para idade, sexo, presença de diabetes mellitus ou risco imunológico. Além disso, no subgrupo de doentes com baixo risco imunológico, o uso de mTOR foi associado a uma tendência para a melhoria da sobrevivência dos enxertos renais, embora não estatisticamente significativa (p = 0,06).Conclusão: Apesar do pior prognóstico conferido pelas principais indicações para a conversão de inibidores de mTOR (neoplasia ou disfunção crônica do enxerto) e da idade avançada, não foi encontrada diferença na sobrevida do enxerto ou do doente entre os dois grupos. Em doentes com baixo risco imunológico, o grupo mTOR mostrou uma tendência para melhor sobrevida do enxerto.

Palavras-chave : Falência do enxerto; inibidor da calcineurina; inibidor da mTOR; mortalidade.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons