SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.27 número1Transplante renal no norte de Portugal: tipo de dador e tempo de diálise dos receptoresImunoglobulina intravenosa eficaz no tratamento de nefrite lúpica resistente índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Portuguese Journal of Nephrology & Hypertension

versão impressa ISSN 0872-0169

Resumo

COSTA, Rui et al. Peritonites em Diálise Peritoneal: experiência de 10 anos de um Serviço de Nefrologia. Port J Nephrol Hypert [online]. 2013, vol.27, n.1, pp.31-40. ISSN 0872-0169.

Objectivo: Determinar a incidência, etiologia, preditores e prognóstico dos casos de peritonite nos nossos doentes em Diálise Peritoneal (DP). Doentes e métodos: Um estudo observacional retrospectivo foi realizado em 59 doentes durante um período de 10 anos e englobou a epidemiologia, apresentação clínica, perfil microbiológico, tratamento e prognóstico dos nossos casos de peritonite. Resultados: Foram contabilizadas 88 peritonites em 31 doentes (idade média 43 ±15 anos), com ocorrência predominante no sexo masculino (68,0% vs. 39.0%, p < 0,01) e incidência calculada de 0,57 peritonites.doente.ano. O agente mais frequentemente identificado foi o Staphylococcus coagulase-negativo (25,9%). Encontrámos associação entre as peritonites por Staphylococcus aureus (17,0%) e a ocorrência de peritonites de repetição (44,4% vs. 14,3%, p = 0,02). Nestes casos, metade dos doentes eram portadores nasais e cinco casos (33%) foram precedidos de infecção do orifício de saída do cateter por este agente. As peritonites estéreis (15,9%) apresentaram contagem leucocitária peritoneal inicial inferior (< 1500 cell/mm3: 64,3% vs. 32,4%, p = 0,02) e as onze peritonites refractárias contabilizadas associaram -se a maior duração da antibioterapia (34 vs. 20 dias, p < 0,01), de internamento (16 vs. 5 dias, p < 0,01) e a remoção do cateter de DP foi necessária em oito casos. A cura foi atingida na maioria dos casos (n = 80, 90, 9%) mas sete doentes foram transferidos para hemodiálise e ocorreu uma morte por peritonite. A sobrevida da técnica aos 36 meses dos doentes com peritonite foi de 80%. A transferência da hemodiálise (OR 5,9; CI 95%: 1,2 -29,3) e o sexo masculino (OR 5,1; CI 95%: 1,02 - 25,1) foram os fatores de risco apurados para ocorrência de peritonite no primeiro ano da técnica. Considerando todos os doentes, o risco de peritonites cumulativas ( ≥ 3 episódios) foi superior nos doentes com episódio de peritonite no primeiro ano da técnica (OR 10,28; CI 95%: 1,27 -83,32). A idade e diabetes mellitus não conferiram maior risco para estes eventos. Conclusão: Os resultados obtidos foram globalmente satisfatórios. A transferência da hemodiálise e o sexo masculino foram identificados como fatores de risco para peritonite no primeiro ano da técnica. Este evento precoce está associado a maior risco para a ocorrência de três ou mais peritonites nestes doentes durante o tempo em DP.

Palavras-chave : Diálise peritoneal; peritonite; preditores; prognóstico.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons