SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.30 número2Potencialidades do Pinus pinaster e Cytisus multiflorus na fitoestabilização de escombreiras na mina de ouro de Santo António (Penedono)Cádmio, Cobre, Níquel e Zinco em solos com ocupação agrícola em Portugal índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista de Ciências Agrárias

versão impressa ISSN 0871-018X

Resumo

MENINO, M.R. et al. Evolução do N residual e do pH num Podzol da Campina de Faro, por efeito da fertirrega gota-a-gota num pomar de jovens laranjeiras. Rev. de Ciências Agrárias [online]. 2007, vol.30, n.2, pp.350-357. ISSN 0871-018X.

Num pomar de jovens laranjeiras ‘Lane Late’ enxertadas em citrangeira ‘Carrizo’, plantadas em Abril de 1999, num Podzol Hidromórfico, na Campina de Faro (Algarve), foram ensaiados 5 níveis de N, aplicados por fertirrega gota-a-gota, em doses crescentes ao longo de 3 anos (N1 - 10, 15, 20; N2 - 20, 30, 40; N3 - 40, 60, 80; N4 -80, 120, 160; N5 - 160, 240, 320 g N por árvore). Anualmente, no início e fim de cada ciclo cultural, colheram-se amostras de terra na zona de humedecimento dos gotejadores para caracterização química, apresentando- -se, neste trabalho, uma apreciação da evolução dos teores de N residual e do pH do solo, na medida da sua influência na disponibilidade dos nutrientes fornecidos à planta. O teor de N “total” no solo não variou significativamente por efeito do tratamento azotado, observando-se um decréscimo gradual com a profundidade, como seria de esperar num solo arenoso (96% de areia). O teor de N mineral, variou significativamente com a época de amostragem, nível de N aplicado e profundidade, em particular para o N nítrico, em que se registaram decréscimos no final de cada Inverno, em consequência do período das chuvas. O teor de nitratos foi significativamente superior para os níveis mais elevados de aplicação de N, sugerindo que tais doses terão sido excessivas. No final do 1º ano de ensaio, o pH do solo aumentou significativamente, provavelmente devido ao fornecimento contínuo e localizado de água de rega alcalina e com teores relativamente elevados de HCO3-, Ca2+ e Mg2+. No final do 2º e 3º anos, o valor do pH do solo manteve-se idêntico ao inicial, o que poderá explicar-se pela aplicação de doses mais elevadas de adubos acidificantes, bem como pela lavagem das tuba-gens com soluções também acidificantes. No que se refere ao teor dos restantes nutrientes, apesar de se terem registado diferenças significativas, os valores encontrados foram sempre baixos ou muito baixos, não exercendo grande influência na nutrição das plantas.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons