SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.29 número1Epidemiologia de Trichomonas vaginalis em mulheresA eficácia do proFamílias em doentes de Acidente Vascular Cerebral (AVC) e cancro e seus familiares índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Portuguesa de Saúde Pública

versão impressa ISSN 0870-9025

Resumo

PAREDES, Tiago; CANAVARRO, Maria Cristina  e  SIMOES, Mário Rodrigues. Impacto do cancro do osso e tecidos moles no ajustamento emocional e qualidade de vida. Rev. Port. Sau. Pub. [online]. 2011, vol.29, n.1, pp.35-46. ISSN 0870-9025.

Introdução: O presente estudo procurou comparar o ajustamento emocional e qualidade de vida (QdV) de doentes diagnosticados com cancro do osso e tecidos moles, que se encontravam em diferentes fases da trajectória da doença. Material e métodos: Cinquenta e cinco doentes entre o diagnóstico e o inicio dos tratamentos, 55 a realizarem tratamento e 74 em consultas de seguimento ou follow-up foram avaliados com recurso a questionários de auto-resposta. Setenta indivíduos da população geral foram usados como grupo de controlo. Resultados: Nas diferentes fases da doença, a maioria dos doentes com sarcoma revelou níveis normais ou ligeiros de ansiedade e depressão mas, uma minoria considerável exibiu níveis moderados a severos. De um modo geral, os doentes em cada fase da doença revelaram um distress emocional sem relevância clínica e comparável ao de indivíduos saudáveis. Apenas os doentes a realizarem tratamento exibiram níveis de depressão significativamente superiores aos manifestados pelos sobreviventes na fase de follow-up. Na fase de diagnóstico e tratamento observou-se uma pior percepção de QdV global e na dimensão física, quer comparativamente à fase de follow-up quer aos controlos saudáveis. O impacto na QdV, de um modo geral, parece ser mais evidente na fase de tratamento dados os piores níveis de funcionamento em diversas áreas da vida e a maior experiência de sintomas físicos, principalmente em relação à fase de follow-up. Os sobreviventes livres de doença apresentam uma QdV comparável à de indivíduos da população geral, nas suas diferentes dimensões. Conclusões: O número de doentes que exibe um distress emocional significativo (entre 25 % e 29,6 % para a ansiedade e 8,3 % e 23,6 % para a depressão) e o impacto do cancro do osso e tecidos moles na QdV, principalmente na fase de diagnóstico e durante os tratamentos, apelam para a necessidade de implementar intervenções multidisciplinares em indivíduos diagnosticados com este tipo específico de patologia oncológica. Estas intervenções deverão incluir um componente psicossocial e ser adaptadas a cada fase da trajectória da doença.

Palavras-chave : Sarcomas; Ajustamento emocional; Qualidade de vida; Trajectória da doença.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )