SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.37 issue1Social representations of HIV/AIDS for adolescents: A structural approachHow transactive memory systems and reflexivity relate with innovation in healthcare teams author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

  • Have no similar articlesSimilars in SciELO

Share


Análise Psicológica

Print version ISSN 0870-8231On-line version ISSN 1646-6020

Abstract

FIGUEIRA, Pedro  and  GARCIA-MARQUES, Teresa. O outro lado da automonitorização: Inibição dentro e fora de contexto sociais. Aná. Psicológica [online]. 2019, vol.37, n.1, pp.29-39. ISSN 0870-8231.  http://dx.doi.org/10.14417/ap.1498.

Sendo claro que o efeito Stroop ocorre devido a falhas nos processos de monitorização cognitivo, até ao momento desconhece-se se o traço de personalidade Automonitorização interfere com o desempenho dessa monitorização. Neste estudo opomos duas hipóteses prováveis. Se assumirmos que as funções do controlo executivo são mais ativadas pelos indivíduos com tendências de personalidade para monitorizar o seu próprio comportamento, é expectável então que indivíduos com alto nível de automonitorização tenham um desempenho onde os níveis de interferência Stroop sejam reduzidos. No entanto se assumirmos a Automonitorização como traço de personalidade que apenas monitora características socias do contexto, então pode ser que indivíduos com altos níveis de automonitorização demonstrem uma falta de recursos executivos para desempenharem a tarefa Stroop em contextos sociais que requeriam essa monitorização. Em dois estudos testamos estas hipóteses. O contexto social é manipulado quer através de uma tarefa de primação (estudo 1) quer através da manipulação da presença física de indivíduos (estudo 2). Em ambos os estudos participantes com altos e baixos níveis de automonitorização desempenharam uma tarefa de Stroop. Resultados de ambos os estudos demonstram que os indivíduos com baixos níveis de automonitorização desempenham melhor em contextos sociais do que não-sociais, enquanto os indivíduos com altos níveis de automonitorização desempenham pior em contextos sociais. Este padrão de resultados sugere que a atividade de monitorização dos indivíduos com altos níveis de automonitorização na presença de outros, interfere com a sua capacidade de controlar a interferência Stroop.

Keywords : Automonitorização; Facilitação social; Tarefa Stroop.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )

 

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License