SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.19 número1Qualidade do Ar e Exposição de Bombeiros ao Fumo em Fogos Florestais ExperimentaisComposição de Ecomosaicos e Índices de Utilidade Esperada índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Silva Lusitana

versão impressa ISSN 0870-6352

Resumo

PANDEY, Rajiv; RAWAT, G.S.  e  KISHWAN, J.. Alterações na Distribuição do Carbono em Diferentes Tipos de Floresta na Índia entre 1995-2005. Silva Lus. [online]. 2011, vol.19, n.1, pp.41-54. ISSN 0870-6352.

A Índia tem 76,87 milhões de hectares de floresta, distribuídos por 16 tipos de espécies principais. Estas florestas, para os pobres residentes dos subúrbios, são uma fonte potencial de bens e serviços obtidos a partir de ecossistemas frágeis. Por outro lado, o papel significativo que as florestas desempenham no armazenamento e sequestro do carbono, aumentou a sua importância e colocou-as no centro das estratégias de mitigação das alterações climáticas. As políticas nacionais de conservação e sustentabilidade das florestas na Índia aproveitaram a oportunidade criada para considerar as florestas como sumidouros de carbono. De 1995 a 2005, o carbono armazenado na totalidade das florestas indianas aumentou de 6244,78 para 6621,55 milhões de toneladas (MT). Este sequestro do carbono tem várias origens. O seu potencial pode ser intensificado reduzindo as barreiras dos diferentes tipos de floresta, que obstaculizam o sequestro do carbono. Neste estudo, tentámos pesquisar o aumento e redução do carbono nos diferentes tipos de floresta, utilizando dados de vários relatórios e trabalhos, de modo a que as florestas em que a capacidade de sequestro de carbono esteja a diminuir possam ser identificadas e geridas para que a referida capacidade aumente. O nosso estudo revela que o acréscimo de carbono/ha é máximo nas florestas temperadas húmidas de montanha, seguidas pelas florestas subalpinas e alpinas e pelas florestas secas subtropicais de folha persistente, de 1995 a 2005. No entanto, para alguns tipos de floresta, a capacidade de sequestro de carbono tem vindo a decrescer há décadas. Este facto tem o seu máximo nas florestas pantanosas do litoral, seguindo-se as florestas tropicais de folha semi-persistente e subtropicais de folhosas de montanha. Apontam-se as possíveis causas de aumento de carbono, com o objectivo de melhorar o sequestro de carbono das florestas existentes.

Palavras-chave : Sequestro de carbono; sumidouro; carbono da biomassa; gestão florestal; medidas de mitigação.

        · resumo em Inglês | Francês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )