SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.15 número3Doenças pulmonares intersticiais: Acuidade diagnóstica e riscos da biópsia pulmonar cirúrgicaA intervenção da célula epitelial na asma índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Portuguesa de Pneumologia

versão impressa ISSN 0873-2159

Resumo

GERALDES, Luísa; TODO-BOM, Ana  e  LOUREIRO, Carlos. Avaliação da inflamação das vias aéreas. Vias áreas superiores e compartimento broncopulmonar. Rev Port Pneumol [online]. 2009, vol.15, n.3, pp.443-460. ISSN 0873-2159.

Faz-se uma revisão sobre métodos de avaliação da inflamação nas vias aéreas que contribuam para o diagnóstico, terapêutica e prognóstico de patologias como a rinossinusite e a asma. Serão também considerados métodos susceptíveis de fornecer informação relevante sobre inflamação na DPOC. A inflamação crónica das vias aéreas condiciona fenómenos obstrutivos objectivados na função respiratória basal, na hiperreactividade brônquica e nasal e em quadros clínicos de dificuldade respiratória. A tomografia computorizada informa sobre as dimensões do lúmen, a espessura das paredes brônquicas e os índices de densidade pulmonar, alterações que decorrem da inflamação e remodelação das vias aéreas. Um processo inflamatório localizado nas vias respiratórias é susceptível de ser detectado por modificações em marcadores sistémicos de inflamação. Os métodos directos recorrem a análise imunoistoquímica de tecidos e de fluidos em condições basais ou após estimulação. Os eosinófilos aumentam em biópsias, lavados nasais e broncoalveolares na asma e na rinite e modificam-se com a terapêutica. Ocorrem alterações nas proteínas e expressão de RNAm de mediadores envolvidos na activação celular. A expectoração induzida identifica inflamação eosinofílica que se relaciona inversamente com a função ventilatória. Em cada ciclo respiratório o ar é enriquecido em compostos voláteis produzidos no decurso da respiração celular. A FENO é o biomarcador mais estudado e os seus níveis estão elevados na asma. No condensado do ar expirado identificam-se espécies reactivas de oxigénio, derivados de membrana, citocinas e quimiocinas pró-inflamatórias. Se a avaliação não invasiva da inflamação for fidedigna e reprodutível, será imprescindível na monitorização das doenças das vias aéreas.

Palavras-chave : Asma; exames auxiliares de diagnóstico; inflamação; rinite.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )