Scielo RSS <![CDATA[Cadernos do Arquivo Municipal]]> http://www.scielo.mec.pt/rss.php?pid=2183-317620190001&lang=en vol. ser2 num. 11 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.mec.pt/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.mec.pt http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2183-31762019000100001&lng=en&nrm=iso&tlng=en <![CDATA[<b>Some observations about medical practice and culture at Lisbon’s Todos-os-Santos Hospital during the Enlightenment Era</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2183-31762019000100002&lng=en&nrm=iso&tlng=en This article describes and documents the important role and influence of the Todos-os-Santos Royal Hospital in producing trained, licensed physicians and surgeons for service in the Lusophone world. During the seventeenth and the first half of the eighteenth centuries, until to the 1755 earthquake, the Todos-os-Santos Royal Hospital in Lisbon (which offered formal instruction in practical medicine), along with the antiquated medieval curriculum of the Faculty of Medicine of the University of Coimbra, were the only medical training centers structured in Portugal. This had serious implications for conventional medical treatment and practices. Even in Enlightenment era, in Portugal, training for state- -licensed healers was, at best, limited and inadequate. The Hospital was the main practical training facility for the medical arts during the late seventeenth and first half of the eighteenth century, and was more open to innovations of surgical technique and applied medicines; it was there that the most innovative official medical teaching in Portugal occurred until the end of the reign of Dom João V. For example, the hospital boasted of a separate ward built and staffed especially for the mentally ill, and experimented with remedies for tropical diseases, often with indigenous medicines imported from the colonial empire.<hr/>O artigo descreve e documenta o importante papel e a influência do Hospital Real de Todos-os-Santos na formação de físicos e cirurgiões licenciados para serviço no mundo lusófono. Durante o século XVII e a primeira metade do século XVIII, até ao terramoto de 1755, o Hospital Real de Todos-os-Santos em Lisboa (que oferecia instrução formal na prática da medicina), em conjunto com o antiquado curriculum medieval da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, foram os únicos centros de treino médico estruturado em Portugal. Este facto teve sérias implicações no tratamento e práticas médicas convencionais. Mesmo na época iluminista em Portugal, o treino oficial destes licenciados era, na melhor das possibilidades, limitado e inadequado. O Hospital foi o principal local de treino das artes médicas durante o final do século XVII e a primeira metade do século XVIII, estando mais aberto às inovações em técnicas cirúrgicas e em medicina aplicada; foi aí que ocorreram as mais inovadoras técnicas oficiais de ensino médico em Portugal até ao final do reinado de D. João V. Como exemplos, a construção de uma ala isolada especialmente equipada para doentes mentais, e experiências com medicamentos para doenças tropicais, muitas vezes com base em medicina indígena importada do império colonial. <![CDATA[<b>Lisbon’s House of Saint Lazarus in the early modern period</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2183-31762019000100003&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artigo tem como objetivo compreender algumas das componentes que caracterizaram a Casa de São Lázaro de Lisboa, uma instituição destinada a acolher indivíduos que padeciam de lepra, no alvorecer da modernidade. Focaremos, em primeiro lugar, os aspetos relacionados com a organização da instituição, nomeadamente ao nível dos seus oficiais e funcionários, do património e rendimentos que tinha à sua disposição e dos espaços que a compunham. Em segundo lugar, analisaremos aspetos administrativos, acompanhando alguns dos episódios que marcaram as disputas jurisdicionais pelo controlo da administração da gafaria. Por fim, avançaremos as conclusões possíveis sobre os enfermos que habitavam a leprosaria e sobre a sua vivência na instituição.<hr/>This article aims to understand some of the components that characterized Lisbon’s House of Saint Lazarus, an institution designed to receive individuals suffering from leprosy, during the early modern period. Firstly, we will focus on aspects relating to the organization of the institution, concerning, in particular, its officials and employees, the patrimony and the incomes it had at its disposal, and the spaces which made it up. Secondly, we will analyse the administrative aspects, following some of the episodes that marked the jurisdictional disputes for the control of the administration of the leper-house. Finally, we will advance the possible conclusions about the patients who lived in the house and about their experience in the institution. <![CDATA[<b>The quality of the records ensures a good management</b>: <b>the documents of the Todos os Santos Hospital</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2183-31762019000100004&lng=en&nrm=iso&tlng=en O Hospital de Todos os Santos foi o maior e mais importante hospital português do Período Moderno. Planeado por D. João II desde 1479, acabaria inaugurado pelo seu sucessor, D. Manuel I, mais de duas décadas depois. O conhecimento desta instituição, como as demais, depende, entre outros fatores, da qualidade do património arquivístico que nos foi deixado. Sabe-se que os arquivos, antes de serem históricos, têm como principal função servirem a entidade produtora, essencialmente para permitir tomar decisões, provar direitos e preservar a memória institucional, razão pela qual sempre foi necessário estabelecer um conjunto de práticas que garantissem a organização e a salvaguarda da documentação. Este texto tem como objetivo dar a conhecer a documentação produzida pelo Hospital de Todos os Santos de modo a compreender o funcionamento e a estruturação do seu arquivo no Antigo Regime. Para tal, foi necessário analisar as grandes séries documentais do arquivo do Hospital, o que comprovou que este manteve praticamente inalterado o funcionamento e a organização documental desde a sua fundação até ao século XVIII, pese embora a progressiva complexificação de ambos.<hr/>Todos os Santos Hospital was the biggest and most important Portuguese Hospital of the modern period. Planned by D. João II since 1479 it was finally opened by his successor, D. Manuel I, over two decades later. We get to know this institution, like all others, among other factors, from the quality of the archival heritage that was left to us. We know that the archives before its historical function have as principal function to allow the institution, essentially, to take decisions, to demonstrate rights and maintain the institutional memory, which is why it has always been necessary to establish a set of actions that guarantee the organization and safeguard of the documentation. This text aims to show the documents produced by Todos os Santos Hospital so that we can understand the structuring and functioning of the archive during the Old Regime. For this, it was necessary to go through the great documentary collections of the Hospital archive and it was shown that the documental acting and organization remained virtually unchanged since its creation until the XVIII century, despite the progressive complexity of both. <![CDATA[<b>The local administration in Atlantic territories during the 17<sup>th</sup> century</b>: <b>the Câmara de Lisboa and the Cabildo de Tenerife facing the exogenous adversities</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2183-31762019000100005&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este trabajo presenta una investigación acerca de la actuación de la administración mediata ante eventualidades en puertos volcados al Atlántico. A través de un análisis de la documentación municipal de Lisboa y de Tenerife hemos realizado un estudio comparativo entre ambos territorios durante el siglo XVII. A partir de la acción de los miembros del gobierno local analizamos los mecanismos empleados para resolver las amenazas y los intereses que subrayasen dentro de la oligarquía. Del mismo modo, abordamos la consolidación de las vías de comunicación entre distintas administraciones, ya fueran castellanas o portuguesas, como elemento esencial para preservar la seguridad y el abastecimiento. Finalmente, este estudio tratará las conexiones que se forjaron entre gobiernos locales dependientes de sus vínculos transoceánicos a partir del análisis de la élite lusa que llegó a formar parte del Regimiento Tenerife y los lazos que construyeron con otras administraciones de su entorno portugués.<hr/>Este trabalho apresenta uma investigação sobre a atuação da administração mediata diante de eventualidades nos portos voltados para o Atlântico. Através de uma análise da documentação municipal de Lisboa e Tenerife, fizemos um estudo comparativo entre os dois territórios durante o século XVII. Com base na ação dos membros do governo local, analisamos os mecanismos usados para resolver ameaças e os interesses que eles destacaram dentro da oligarquia. Da mesma forma, abordamos a consolidação de canais de comunicação entre diferentes administrações, seja castelhana ou portuguesa, como um elemento essencial para preservar a segurança e o abastecimento. Finalmente, este estudo tratará das conexões que foram forjadas entre os governos locais, dependentes de seus laços transoceânicos, com base na análise da elite portuguesa que se tornou parte do Regimento de Tenerife e os laços que eles construíram com outras administrações no seu ambiente português.<hr/>This paper presents an investigation about the action of the local government against eventualities in Atlantic ports. Through an analysis of the municipal documentation of Lisbon and Tenerife I have made a comparative study between both territories during the 17th century. Based on the action of the members of the local government, I analyze the mechanisms used to solve the threats and the interests of the oligarchy. In the same way, I analyze the consolidation of communication channels between different administrations, whether Castilian or Portuguese, as an essential element to preserve security and supply. Finally, this study will explore the connections that were forged between local governments dependent on their transoceanic ties from the perspective of the analysis of the Portuguese elite that became part of the Tenerife Regiment and the ties they built with other Portuguese Atlantic administrations. <![CDATA[<b>A photo set of property plaques of the All-Saints Royal Hospital in the Mac-Bride collection</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2183-31762019000100006&lng=en&nrm=iso&tlng=en O Hospital Real de Todos-os-Santos foi uma importante unidade de cuidados médico-cirúrgicos e assistenciais, existente em Lisboa entre os séculos XVI e XVIII. As suas características gerais, assim como as políticas que motivaram a sua criação e desativação são conhecidas dos historiadores que se têm debruçado sobre o tema, mas também por todos aqueles que se interessam pela História de Lisboa, em particular sobre o Terramoto de 1755, cataclismo que danificou grandemente o famoso edifício, que foi demolido alguns anos depois. Do património predial do Hospital Real fazia parte uma série de imóveis que chegou à sua posse de diversas formas. Na fachada de cada um deles, junto da porta, existia uma pequena placa com o monograma da instituição. Uma parte significativa dessas placas chegou aos nossos dias, tendo sido registada pelo fotógrafo Eduardo Portugal, em 1945, por indicação de Alberto Mac-Bride, médico-cirurgião e olisipógrafo, interessado na história do Hospital Real de Todos-os-Santos.<hr/>Between the 16th and 18th centuries, the All-Saints Royal Hospital was the most important medical, surgical and assistance institution in Lisbon. Its general characteristics, as well as the policies that motivated its creation and deactivation, are well known to historians who have considered the subject, but also to all those interested in the history of Lisbon, particularly about the 1755 Earthquake, a cataclysm that greatly damaged the famous building, which was demolished a few years later. A number of buildings were part of the estate of the Royal Hospital, which came into its possession in various forms. In each, there was a small plaque with the monogram of that institution by the door. Several of these plaques survived to our days, and were registered by photographer Eduardo Portugal in 1945, by request of Alberto Mac-Bride, a doctor-surgeon and olisipograph, interested in the history of the Royal Hospital of All Saints. <![CDATA[<b>The <i>Island</i></b>: <b>The history of the large block where the Hospital Real de Todos-os-Santos once stood (1750-1779)</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2183-31762019000100007&lng=en&nrm=iso&tlng=en Contrariamente a uma ideia generalizada e muitas vezes repetida, não foi o Terramoto de 1755 que condenou o Hospital Real de Todos-os-Santos, ao Rossio, a um irremediável desaparecimento. Na verdade, não só o plano de reconstrução da Baixa de Lisboa não lhe previa uma nova localização, como, nos anos subsequentes, uma campanha de obras de reconstrução chegou a ser equacionada e (parcialmente) executada. O seu destino foi traçado por uma carta régia assinada por D. José, a 26 de setembro de 1769, que decretou a passagem do hospital para o edifício do antigo Colégio jesuítico de Santo Antão e deu indicações precisas para a divisão e venda do seu terreno, ao Rossio. Mas antes (e depois disso), o local do grande quarteirão que chegou a ser conhecido como a Ilha em que estava edificado o Hospital Real de Todos os Santos¹ foi impregnado de uma riquíssima história como poucos em Lisboa.<hr/>In the late 15th century a significant part of the Convent of São Domingos’ enclosure was occupied by the new Hospital Real de Todos-os-Santos. Located in the eastern side of Rossio square, soon this large block became known as the island where the Royal Hospital stands. Although the hospital building was destroyed first by a fire in 1750 and then by a devastating earthquake in 1755, only in 1769 king José decided to transfer it to the former Jesuit College of Santo Antão. This article aims to trace the history of the final years of the Hospital Real de Todos-os-Santos building and the island where it was located. <![CDATA[<b>From <i>Island</i> to <i>Archipelago</i></b>: <b>The history of the site of the large block where the Hospital Real de Todos-os-Santos once stood (1834-2019)</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2183-31762019000100008&lng=en&nrm=iso&tlng=en No presente estudo procura-se traçar a história do lugar do grande quarteirão onde outrora se implantou o Hospital Real de Todos-os-Santos, depois da sua transferência para o antigo Colégio Jesuíta de Santo Antão, em 1775. A subsequente demolição do edifício hospitalar original, acompanhada da supressão do contíguo Convento de São Domingos em 1834, alterou profundamente a morfologia do sítio e permitiu um remate fora de tempo do grande plano da Baixa Pombalina, que seria aproveitado para a aproximar e coser às novas áreas da cidade que a norte se desenvolveram ao longo do século XX.<hr/>The transference of the Hospital Real de Todos-os-Santos to the former Jesuit College of Santo Antão in 1775 and the suppression of the Convent of São Domingos in 1834 deeply changed the urban morphology of the site of the large block once known as the island where the Royal Hospital stands. It allowed an out of time expansion of the mid-18th century Baixa Pombalina plan that was ultimately essential to a straighter connection to the new neighborhoods developed in the northern part of the city during the 20th century. http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2183-31762019000100009&lng=en&nrm=iso&tlng=en <![CDATA[<b>Relação dos oficiais de saúde na cidade de Lisboa (1504-1775)</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2183-31762019000100010&lng=en&nrm=iso&tlng=en No presente estudo procura-se traçar a história do lugar do grande quarteirão onde outrora se implantou o Hospital Real de Todos-os-Santos, depois da sua transferência para o antigo Colégio Jesuíta de Santo Antão, em 1775. A subsequente demolição do edifício hospitalar original, acompanhada da supressão do contíguo Convento de São Domingos em 1834, alterou profundamente a morfologia do sítio e permitiu um remate fora de tempo do grande plano da Baixa Pombalina, que seria aproveitado para a aproximar e coser às novas áreas da cidade que a norte se desenvolveram ao longo do século XX.<hr/>The transference of the Hospital Real de Todos-os-Santos to the former Jesuit College of Santo Antão in 1775 and the suppression of the Convent of São Domingos in 1834 deeply changed the urban morphology of the site of the large block once known as the island where the Royal Hospital stands. It allowed an out of time expansion of the mid-18th century Baixa Pombalina plan that was ultimately essential to a straighter connection to the new neighborhoods developed in the northern part of the city during the 20th century. <![CDATA[<b>Hospitais e Saúde no Oitocentos</b>: <b>diálogos entre Brasil e Portugal</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2183-31762019000100011&lng=en&nrm=iso&tlng=en No presente estudo procura-se traçar a história do lugar do grande quarteirão onde outrora se implantou o Hospital Real de Todos-os-Santos, depois da sua transferência para o antigo Colégio Jesuíta de Santo Antão, em 1775. A subsequente demolição do edifício hospitalar original, acompanhada da supressão do contíguo Convento de São Domingos em 1834, alterou profundamente a morfologia do sítio e permitiu um remate fora de tempo do grande plano da Baixa Pombalina, que seria aproveitado para a aproximar e coser às novas áreas da cidade que a norte se desenvolveram ao longo do século XX.<hr/>The transference of the Hospital Real de Todos-os-Santos to the former Jesuit College of Santo Antão in 1775 and the suppression of the Convent of São Domingos in 1834 deeply changed the urban morphology of the site of the large block once known as the island where the Royal Hospital stands. It allowed an out of time expansion of the mid-18th century Baixa Pombalina plan that was ultimately essential to a straighter connection to the new neighborhoods developed in the northern part of the city during the 20th century. <![CDATA[<b>Imago Civitatis. Hospitales y manicomios en Occidente</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2183-31762019000100012&lng=en&nrm=iso&tlng=en No presente estudo procura-se traçar a história do lugar do grande quarteirão onde outrora se implantou o Hospital Real de Todos-os-Santos, depois da sua transferência para o antigo Colégio Jesuíta de Santo Antão, em 1775. A subsequente demolição do edifício hospitalar original, acompanhada da supressão do contíguo Convento de São Domingos em 1834, alterou profundamente a morfologia do sítio e permitiu um remate fora de tempo do grande plano da Baixa Pombalina, que seria aproveitado para a aproximar e coser às novas áreas da cidade que a norte se desenvolveram ao longo do século XX.<hr/>The transference of the Hospital Real de Todos-os-Santos to the former Jesuit College of Santo Antão in 1775 and the suppression of the Convent of São Domingos in 1834 deeply changed the urban morphology of the site of the large block once known as the island where the Royal Hospital stands. It allowed an out of time expansion of the mid-18th century Baixa Pombalina plan that was ultimately essential to a straighter connection to the new neighborhoods developed in the northern part of the city during the 20th century. <![CDATA[<b>A arte das mãos</b>: <b>cirurgia e cirurgiões em Portugal durante os séculos XII a XV</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2183-31762019000100013&lng=en&nrm=iso&tlng=en No presente estudo procura-se traçar a história do lugar do grande quarteirão onde outrora se implantou o Hospital Real de Todos-os-Santos, depois da sua transferência para o antigo Colégio Jesuíta de Santo Antão, em 1775. A subsequente demolição do edifício hospitalar original, acompanhada da supressão do contíguo Convento de São Domingos em 1834, alterou profundamente a morfologia do sítio e permitiu um remate fora de tempo do grande plano da Baixa Pombalina, que seria aproveitado para a aproximar e coser às novas áreas da cidade que a norte se desenvolveram ao longo do século XX.<hr/>The transference of the Hospital Real de Todos-os-Santos to the former Jesuit College of Santo Antão in 1775 and the suppression of the Convent of São Domingos in 1834 deeply changed the urban morphology of the site of the large block once known as the island where the Royal Hospital stands. It allowed an out of time expansion of the mid-18th century Baixa Pombalina plan that was ultimately essential to a straighter connection to the new neighborhoods developed in the northern part of the city during the 20th century. <![CDATA[<b>Arquipatologia (tratados I-IX)</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2183-31762019000100014&lng=en&nrm=iso&tlng=en No presente estudo procura-se traçar a história do lugar do grande quarteirão onde outrora se implantou o Hospital Real de Todos-os-Santos, depois da sua transferência para o antigo Colégio Jesuíta de Santo Antão, em 1775. A subsequente demolição do edifício hospitalar original, acompanhada da supressão do contíguo Convento de São Domingos em 1834, alterou profundamente a morfologia do sítio e permitiu um remate fora de tempo do grande plano da Baixa Pombalina, que seria aproveitado para a aproximar e coser às novas áreas da cidade que a norte se desenvolveram ao longo do século XX.<hr/>The transference of the Hospital Real de Todos-os-Santos to the former Jesuit College of Santo Antão in 1775 and the suppression of the Convent of São Domingos in 1834 deeply changed the urban morphology of the site of the large block once known as the island where the Royal Hospital stands. It allowed an out of time expansion of the mid-18th century Baixa Pombalina plan that was ultimately essential to a straighter connection to the new neighborhoods developed in the northern part of the city during the 20th century.