Scielo RSS <![CDATA[Cadernos de Estudos Africanos]]> http://www.scielo.mec.pt/rss.php?pid=1645-379420130002&lang=en vol. num. 26 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.mec.pt/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.mec.pt <![CDATA[<b>Em torno das Práticas Desportivas em África</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-37942013000200001&lng=en&nrm=iso&tlng=en <![CDATA[<b>Following the ball</b>: <b>African soccer players, labor strategies and emigration across the Portuguese colonial empire, 1949-1975</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-37942013000200002&lng=en&nrm=iso&tlng=en This article examines the experiences of African soccer players who relocated to Portugal from 1949 to the end of the colonial era in 1975, attempted to negotiate this politically-charged environment and strove to consolidate their post-athletic futures. I argue that despite the otherwise extraordinary nature of these individuals’ lives, their experiences suggest strong continuities with, and affinities to, well-established African labor strategies, including seeking occupational advice from more senior employees (i.e., fellow players) and engaging in secondary migration in order to improve working and living conditions. The article also contends that the process of cultural assimilation that helped players adjust to their new surroundings commenced in the urban, “colonized spaces” of Africa and, thus, well before they arrived in Portugal.<hr/>Este artigo examina as experiências, negociações e a consolidação de carreiras desportivas de jogadores africanos de futebol que se transferiram entre 1949 a 1975 para uma metrópole sitiada politicamente. Apesar das vivências particulares e de certa forma extraordinárias destes indivíduos, uma análise detalhada às suas carreiras indicia a existência de continuidades e similaridades com as estratégias laborais africanas clássicas. Nomeadamente constatou-se o recurso ao aconselhamento profissional de colegas mais experientes (i.e., outros jogadores) e o facto de estas migrações secundárias terem como objetivo a procura de melhores condições de vida e de trabalho. Neste artigo demostra-se ainda que o processo de assimilação cultural se iniciava nos “espaços coloniais” urbanos africanos, e que tal contribuiu para minorar o processo de adaptação em Portugal. <![CDATA[<b>Ethnicity and race in colonial-era Beira sport</b>: <b>The case of “Sino-Mozambican”</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-37942013000200003&lng=en&nrm=iso&tlng=en No início da segunda metade do século XX o desporto passou a ter uma dimensão considerável em Moçambique. A influência dos territórios vizinhos sob domínio britânico, os contactos internacionais que tanto a Beira como Lourenço Marques desfrutavam, e a maior facilidade com que se passou a acompanhar o desporto na metrópole colonial promoveram consideravelmente a prática desportiva entre os jovens da população dita civilizada, na qual se integravam os chineses. Desenvolveu-se deste modo um verdadeiro movimento associativo da cultura desportiva. Começarei por mostrar neste artigo a história da prática desportiva e a evolução das instituições do desporto na sociedade colonial da cidade da foz do rio Pungué, mostrando em seguida o envolvimento da comunidade chinesa no desporto federado e amador.<hr/>From the beginning of the second half of the Twentieth century, sport started to develop as a significant form of recreation in Mozambique. The influence of neighbouring territories under British rule, the international contacts that residents of Beira and Lourenço Marques enjoyed, and the great facility with which sports were followed in the colonial capital led to a considerable rise in the practice of sports by the younger members of the so-called ”civilized population”, which included the Chinese. Thus, a veritable movement for the promotion of a sports culture developed, evidenced by the formation of clubs and associations. This paper begins by describing the history of the practice of sports and the evolution of sports institutions in the colonial society of Beira City, and goes on to describe the involvement of the Chinese community in federated and amateur sport. <![CDATA[<b>Tourisme sportif et identités</b>: <b>Les pratiquants de canoë en Zambie</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-37942013000200004&lng=en&nrm=iso&tlng=en Cet article repose sur une enquête sur les usages sociaux du canoë en Zambie. Il a pour objectif de décrire les caractéristiques des relations sociales qui se nouent entre étrangers et « populations locales ». Si l’organisation de l’activité recouvre une visée touristique pour nombre de pays africains, touristes et habitants entrent peu en interaction en dehors de la pratique des loisirs. Pour étudier l’identité, il s’agit de caractériser la genèse du tour en canoë afin de saisir l’émergence de modes d’appréhension de l’Autre dans le cadre du loisir en Zambie. La singularité des relations sociales entre populations occidentales et africaines pose la question de la différence culturelle, au moment où la globalisation introduit à la fois une homogénéisation des pratiques et une fragmentation dans les modes de vie. L’article proposera une réflexion critique car les modes de structuration du canoë constituent un révélateur des rapports toujours ambivalents entre pays occidentaux et africains.<hr/>From a survey of the social uses of canoeing in Zambia, this article analyzes the social relationships established between foreigners and "local people". If the organization of the business covers a tourist sight for African countries, tourists and locals come little interaction outside the recreational enjoyment. To investigate the identity, it is to characterize the genesis of the development of sport in order to capture the emergence of modes of apprehension of the Other in the territory. The singularity of social relations between Western and African populations raises the question of cultural difference. The article will provide a critical reflection as methods of structuring the canoe market is indicative of a still ambivalent relationship between North and South.<hr/>Este artigo é baseado em uma pesquisa sobre os usos sociais da canoagem na Zâmbia. Tem como objectivo descrever as características das relações sociais estabelecidas entre os estrangeiros e as “populações locais”. Se a organização da actividade integra uma estratégia turística presente em numerosos países africanos, turistas e habitantes interagem pouco fora das práticas de lazer. De forma a estudar a identidade desta actividade necessitamos caracterizar a génese dos passeios de canoa e apreender o surgimento dos modos de apreensão do Outro nas actividades de lazer na Zâmbia. A singularidade das relações sociais entre as populações ocidentais e africanas levanta a questão da diferença cultural, em que a globalização introduziu uma padronização de práticas e uma fragmentação nos estilos de vida. O artigo irá fornecer uma reflexão crítica pois os métodos de estruturação da canoagem são reveladores das ambivalências sempre presentes nas relações entre os países ocidentais e os países africanos. <![CDATA[<b>‘Meta-societies’ and ‘play communities’</b>: <b>The function of play to Liberian youth football players</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-37942013000200005&lng=en&nrm=iso&tlng=en This inquiry considers three distinct areas, firstly the Liberian definition of ‘youth’ and their post-conflict identity, secondly the tradition of community and the post conflict living arrangements, and thirdly the theme of this investigation, the use and participation of football and play amongst the ‘youth’ male population; its structure, rules, function, role, frequency, meaning and relationship to the wider society and status.<hr/>Esta investigação centra-se em três aspetos distintos, em primeiro lugar, a definição liberiana de “juventude” e a identidade liberiana pós-conflito, em segundo lugar a tradição da comunidade e as condições de vida pós-conflito e, em terceiro lugar, e tema central desta pesquisa, o uso do futebol e a participação da ”juventude” masculina em jogos de futebol. A análise foca as estruturas, as regras, as funções, os papéis, a frequência e o significado do futebol em termos das relações estabelecidas com a sociedade em geral e ao nível do status. <![CDATA[<b>The horse racing in South West Africa’s German colony (1884-1914)</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-37942013000200006&lng=en&nrm=iso&tlng=en Para a formação do campo desportivo na colônia alemã do sudoeste africano (atual Namíbia) tiveram papel importante várias associações desportivas. Entre elas, pode-se mencionar as sociedades de corrida de cavalos (Rennvereine), especialmente as de Swakopmund, Windhoek, Keetmanshoop e da Baía de Lüderitz. As corridas de cavalos constituíram parte da cultura desportiva na Alemanha do Segundo Império. Essas socie-dades desportivas serviram para o treinamento da população masculina (militar e civil) num contexto colonial, ou seja, num contexto beligerante. Com base em jornais, o presente artigo examina o protagonismo das sociedades de corridas de cavalos para a formação do campo desportivo, para a manutenção e expansão do germanismo e para a estruturação de um calendário desportivo no qual os eventos desportivos eram momentos de celebração do colonialismo<hr/>During the German colonial rule in South West Africa (now Namibia), several associations were important for the building of a culture of sport. Among these were the Horse Racing Societies (Rennvereine), especially those of Swakopmund, Windhoek, Keetmanshoop and Lüderitzbucht. Horse racing was a main part of the sporting culture of the German Second Reich. In Namibia these sports societies served as training ground for the development of a ”masculine” population (military and civilian) in a colonial context, or in other words, a belligerent context. Based on newspaper archives, this article examines the protagonist role of the Horse Racing Societies in the building of a culture of sport, for the maintenance and spread of “Germanness” and for the structuring of a calendar in which the sporting events were also moments to celebrate colonialism. <![CDATA[<b>Managing racial diversity</b>: <b>Positional segregation in South African rugby union in the post-apartheid era</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-37942013000200007&lng=en&nrm=iso&tlng=en This article intends to delineate the evolution of South African rugby union elite teams since the end of apartheid in the 1990s, when racially inclusive sports appeared, particularly the involvement of black players in what was often described as an essentially “white man’s game”. By relying on theoretical work on the notion of “centrality” and extensive statistical analysis, this article describes the limited transformation of South African rugby, both quantitatively and qualitatively, as blacks are generally confined to the “peripheral” and arguably less-important positions of the teams. In contrast, whites keep a firm control over positions that are both symbolically and functionally central, a pattern known as “positional segregation” or “stacking”.<hr/>Este artigo pretende perspetivar a evolução do rugby de elite da África do Sul desde o fim do apartheid nos anos 1990, quando apareceu o desporto racialmente inclusivo, particularmente a participação de jogadores negros no que foi descrito por muitos essencialmente como o “desporto do homem branco”. Baseado num trabalho teórico sobre a noção de “centralidade” e num vasto estudo estatístico, o artigo descreve a transformação limitada do rugby sul-africano, tanto quantitativa como qualitativamente, na medida em que os negros são geralmente confinados às posições “periféricas” e menos importantes das equipas, enquanto os brancos mantêm um controle firme sobre posições que são simbólica e funcionalmente centrais, um padrão conhecido como “segregação posicional” ou “stacking”. <![CDATA[<b>From the stalls of table football to the “crabs field”, from the stadium to the yards</b>: <b>sports fields in a microinsular space from colonial times to the post-independence era</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-37942013000200008&lng=en&nrm=iso&tlng=en Neste texto descrevem-se campos de futebol de São Tomé e Príncipe. Não se ensaia uma antropomorfização dos campos de futebol, cenário de uma prática lúdica popular e tendencialmente universal. Mas tenta-se olhar os campos de futebol como documentos históricos e, a partir daí, relacioná-los com a evolução do país. Com efeito, as marcas das mudanças políticas e sociais estão inscritas na diversidade dos campos de futebol. A seu modo, os campos de futebol são uma fonte de conhecimento histórico e social, sugerindo a elaboração de uma narrativa histórica que os toma como pontos de apoio para a interpretação das mudanças políticas e sociais no arquipélago desde o colonialismo moderno até ao pós-independência.<hr/>In this paper, we describe the many football fields of São Tomé and Príncipe. We do not seek to anthropomorphize soccer pitches, but try to look at these fields as historical documents and as texts related to the evolution of the country. Indeed, the evidence of political and social changes can be seen in the diversity of football fields. In its own way, these soccer fields are a source of historical and social knowledge, suggesting the development of a narrative that takes them to mark the political and social changes in the archipelago that have occurred since the colonialism period to the post-independence era. <![CDATA[<b>“Dos Subúrbios da Lourenço Marques Colonial aos Campos de Futebol da Metrópole”</b>: <b>uma Entrevista com Hilário Rosário da Conceição</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-37942013000200009&lng=en&nrm=iso&tlng=en Neste texto descrevem-se campos de futebol de São Tomé e Príncipe. Não se ensaia uma antropomorfização dos campos de futebol, cenário de uma prática lúdica popular e tendencialmente universal. Mas tenta-se olhar os campos de futebol como documentos históricos e, a partir daí, relacioná-los com a evolução do país. Com efeito, as marcas das mudanças políticas e sociais estão inscritas na diversidade dos campos de futebol. A seu modo, os campos de futebol são uma fonte de conhecimento histórico e social, sugerindo a elaboração de uma narrativa histórica que os toma como pontos de apoio para a interpretação das mudanças políticas e sociais no arquipélago desde o colonialismo moderno até ao pós-independência.<hr/>In this paper, we describe the many football fields of São Tomé and Príncipe. We do not seek to anthropomorphize soccer pitches, but try to look at these fields as historical documents and as texts related to the evolution of the country. Indeed, the evidence of political and social changes can be seen in the diversity of football fields. In its own way, these soccer fields are a source of historical and social knowledge, suggesting the development of a narrative that takes them to mark the political and social changes in the archipelago that have occurred since the colonialism period to the post-independence era. <![CDATA[<b>Esporte e Lazer na África</b>: <b>Novos Olhares</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-37942013000200010&lng=en&nrm=iso&tlng=en Neste texto descrevem-se campos de futebol de São Tomé e Príncipe. Não se ensaia uma antropomorfização dos campos de futebol, cenário de uma prática lúdica popular e tendencialmente universal. Mas tenta-se olhar os campos de futebol como documentos históricos e, a partir daí, relacioná-los com a evolução do país. Com efeito, as marcas das mudanças políticas e sociais estão inscritas na diversidade dos campos de futebol. A seu modo, os campos de futebol são uma fonte de conhecimento histórico e social, sugerindo a elaboração de uma narrativa histórica que os toma como pontos de apoio para a interpretação das mudanças políticas e sociais no arquipélago desde o colonialismo moderno até ao pós-independência.<hr/>In this paper, we describe the many football fields of São Tomé and Príncipe. We do not seek to anthropomorphize soccer pitches, but try to look at these fields as historical documents and as texts related to the evolution of the country. Indeed, the evidence of political and social changes can be seen in the diversity of football fields. In its own way, these soccer fields are a source of historical and social knowledge, suggesting the development of a narrative that takes them to mark the political and social changes in the archipelago that have occurred since the colonialism period to the post-independence era.