Scielo RSS <![CDATA[Psicologia, Saúde & Doenças]]> http://www.scielo.mec.pt/rss.php?pid=1645-008620150002&lang=pt vol. 16 num. 2 lang. pt <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.mec.pt/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.mec.pt <![CDATA[<b>Atividade física e estilos educativos parentais</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-00862015000200001&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt O objectivo do estudo foi de determinar a relação entre sexo, idade e prática de actividade física ao nível dos estilos educativos parentais e das atitudes e comportamentos habituais de estudo. Participaram 272 alunos (101 rapazes e 171 raparigas) de uma escola da zona interior norte de Portugal, com idades compreendidas entre 13 e os 21 anos de idade (M = 15,66, DP = 1,71). Para avaliar as diferentes dimensões em estudo utilizamos o Questionário de Estilos Educativos Parentais (QEEP). Os resultados evidenciaram que os adolescentes percepcionam ambos os pais como mais responsivos e menos exigentes. Ambos os sexos percepcionam os estilos educativos parentais do mesmo modo, os adolescentes mais jovens (entre os 13 e 14 anos) percepcionam pai e mãe como mais responsivos e menos exigentes. O mesmo não acontece entre praticantes e não praticantes de actividade física fora do contexto escolar, uma vez que entre estes dois grupos não se verificaram diferenças nos estilos parentais percebidos. Quando olhamos ao sexo combinado com a prática de actividade física, constatou-se que os rapazes praticantes e as raparigas não praticantes percepcionam pai e mãe como mais exigentes do que responsivos. Com o presente estudo é possível concluir que ambos os pais tendem a adoptar um estilo mais responsivo e menos exigente, sendo notório um maior envolvimento parental com os adolescentes mais novos do que com os mais velhos. Por outro lado, os pais tendem a educar rapazes e raparigas dentro do mesmo estilo, sejam eles praticantes ou não de actividade física.<hr/>This study was conducted in order to determine the relationship between gender, age and physical activity, outside the school context, according to parenting styles and study attitudes and behaviors. The sample consisted of 272 students (101 girls and 171 boys) of a school from northern Portugal, aged between 13 and 21 years old (M = 15.66, SD = 1.71). For the purposes of the present studt the Questionário de Estilos Educativos Parentais (QEEP) was used. Results showed that adolescents perceived their parents as being more responsive and less demanding. Furthermore, boys and girls perceived parenting styles in the same way, and younger teens (between 13 and 14 years old) perceived their parents as being more responsive and less demanding. Among physically active and inactive students there were no differences in perceived parenting styles. However, when we analyze the combined effect of sex and physical activity, it was found that activie boys and inactive girls perceived their parents as more demanding than responsive. We can conclude that parents tend to adopt a more responsive and less demanding style, there is a greater parental involvement with younger adolescents than older ones. Moreover, parents tend to educate boys and girls in the same way, whether they are Physicalle active or inactive. <![CDATA[<b>Ansiedade, depressão e stresse</b>: <b>um estudo com jovens adultos e adultos portugueses</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-00862015000200002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt A nível europeu, Portugal é um dos países com maior prevalência de perturbações mentais, destacando-se as perturbações de ansiedade e as perturbações de humor (Wang et al., 2011). Diversas investigações têm reforçado a forte relação entre as perturbações de ansiedade e as respostas de stresse, bem como uma forte comorbilidade entre as perturbações de ansiedade e a depressão (e.g., Pais-Ribeiro, Honrado & Leal, 2004). Neste sentido, face aos vários fatores que podem contribuir para o desenvolvimento destas perturbações, bem como as suas consequências no bem-estar e qualidade de vida das pessoas, torna-se pertinente estudar estes sintomas emocionais através de instrumentos adequados à população portuguesa. Este estudo avalia as qualidades psicométricas da Escala de Ansiedade, Depressão e Stress (EADS-21; Pais-Ribeiro, Honrado, & Leal, 2004), e analisa diferenças nestes sintomas emocionais considerando variáveis sociodemográficas. Participaram 280 jovens adultos e adultos portugueses (M = 37,34 anos; DP = 11,46), tendo-lhes sido administrado o EADS-21, um instrumento de autorrelato constituído por 21 itens que incidem sobre a identificação de sintomas emocionais vivenciados na última semana. A análise de fiabilidade indicou valores de consistência interna de 0,831 para a ansiedade, 0,886 para a depressão e 0,859 para o stresse. A adequação do modelo foi avaliada através da análise fatorial confirmatória, sendo comprovada a sua qualidade no ajustamento aos dados empíricos (X²/df = 1,853, CFI = 0,942, GFI = 0,896, RMSEA = 0,055). Registaram-se diferenças estatisticamente significativas nos níveis de ansiedade, depressão e stresse em função do sexo, idade, formação académica, e satisfação com a vida. Retiram-se implicações para o aprofundamento desta linha de investigação.<hr/>At a European level, Portugal is one of the countries with the highest prevalence of mental disorders, especially anxiety disorders and mood disorders (Wang et al., 2011). Several researches have reinforced the strong relationship between anxiety disorders and stress responses, as well as a strong comorbidity between anxiety disorders and depression (e.g., Pais-Ribeiro, Honorado& Leal, 2004). In this sense, given the many factors that can contribute to the development of these disorders and their consequences on the well-being and quality of life, it becomes pertinent to study these emotional symptoms through appropriate instruments to the Portuguese population. This study evaluates the psychometric properties of the Depression, Anxiety and Stress Scale (DASS-21; Pais-Ribeiro, Honorado, & Leal, 2004), and analyzes differences in these emotional symptoms considering socio-demographic variables. Participated 280 Portuguese adults and young adults (M = 37,34 years, SD = 11,46), who were administered the DASS-21, a self-report instrument consisting of 21 items that focus on the identification of emotional symptoms experienced in last week. The reliability analysis indicated internal consistency values ​​of 0,831 for anxiety, 0,886 for depression, and 0,859 for stress. The model fit was assessed by a confirmatory factor analysis, and proven its quality in fit to the empirical data (X²/df = 1.853, CFI = 0,942, GFI = 0,896, RMSEA = 0,055). There were statistically significant differences in levels of anxiety, depression and stress by sex, age, academic background, and life satisfaction. Implications are drawn to the development of this research line. <![CDATA[<b>Alterações do estado de humor em praticantes de ecofitness</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-00862015000200003&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt A prática de atividade física é uma recomendação da organização mundial da saúde devido aos seus benefícios para a saúde e qualidade de vida das pessoas. Entre as atividades previstas na literatura,as atividades físicas de aventura na natureza parecem ser mais efetivas. O objetivo deste trabalho é verificar as respostas do estado de humor antes e após uma prática de Ecofitness em turistas adultos.Este é um estudo de campo com amostra composta por 41 sujeitos de ambos os gêneros, praticantes eventuais de Ecofitness. Para a análise do estado de humor foi utilizado o Perfil PoMS de McNair, Lorr, e Droppleman (1971), versão portuguesa proposta por Viana, Almeida, e Santos (2001). O questionário é composto de seis variáveis divididas em 42 palavras que descrevem sensações cotidianas. A atividade de Ecofitness consistiu em uma caminhada de seis (6) horas com aproximadamente seis (6) Km por terrenos com aclives e declives. O questionário foi aplicado antes de iniciar o percurso e ao final da última atividade. Foi realizado o teste t-Student para testar Hipóteses, e os resultados foram agrupados individualmente entre as seis variáveis medidas pelo instrumento. As quatro variáveis que apresentaram diferenças significativas entre pré e pós-teste diminuiram seus valores. A variável Vigor, embora não tenha apresentado diferença significativa no pré e pós-teste apresentou valores mais elevados. A amostra feminina apresentou os mesmos resultados que o grupo como um todo. A amostra masculina apresentou diferenças altamente significativas (p<0,01) para Tensão/Ansiedade e diferenças significativas (p<0,05) para Hostilidade/Raiva e Confusão.<hr/>The practice of physical activity is a recommendation of the World Health Organization because of its benefits to health and quality of life. Among the activities planned in the literature, physical adventure activities in nature sounds be more effective. The objective of this work is to verify the answers of mood state before and after a practice of Ecofitness by adult tourists. This is a field study with a sample of 41 individuals of both genders, Ecofitness practitioners. For the analysis of mood state we used the POMS Profile of McNair, Lorr, e Droppleman (1971), Portuguese version by Viana, Almeida, e Santos (2001) proposal. The questionnaire consists of six variables divided into 42 words that describe daily feelings. The Ecofitness activity consisted in a walk of six (6) Km per six(6) hours in a uphill and downhill land. The questionnaire was administered before and after the walk. The study use the Student's t-test and the results were grouped individually among the six variables measured. The four variables that showed significant differences between pre and post-test values decreased. The vigor variable did not show a significant difference in pre and post-test, however showed higher values. The female sample showed the same results as the group as a whole. The male sample showed highly significant differences (p <0.01), for Tension/ Anxiety and significant differences (p <0.05) in Hostility / Anger and Confusion. <![CDATA[<b>A recessão económica e a saúde mental</b>: <b>análise da situação portuguesa</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-00862015000200004&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Recently, some European countries (e.g., Greece, Ireland, and Portugal) suffered an economic recession, mainly due to problems in the banking system and high sovereign debt. Economic stressors, such as economic hardship, financial threat, and financial well-being may contribute negatively to individuals' psychological health, potentiating the appearance of negative psychological outcomes. The objective of the current research was to analyze the impact of economic stressors (i.e., economic hardship, financial threat, and financial well-being) on mental health indicators (i.e., stress, anxiety, and depression). Data from a sample of 729 Portuguese participants was collected, 482 (66.1%) women and 247 (33.9%) men, with an average age of, approximately, 37 years old (M=36.99; SD=12.81). Structural Equation Modeling (SEM) was used to examine the relationship between the economic stress and psychological health variables. The obtained results demonstrated a model with economic hardship and financial threat as significant predictors of stress, anxiety, and depression, while financial well-being was a significant predictor of anxiety and depression. Some implications of these results are discussed.<hr/>Recentemente, alguns países europeus (e.g., Grécia, Irlanda e Portugal) sofreram uma recessão económica, principalmente devido a problemas no sistema bancário e a uma elevada dívida soberana. Stressores económicos, tais como dificuldades económicas, ameaça financeira e bem-estar financeiro podem contribuir negativamente para a saúde psicológica dos indivíduos, potenciando o aparecimento de psicopatologia. O objetivo da presente investigação foi analisar o impacto de stressores económicos (i.e., dificuldades económicas, ameaça financeira e bem-estar financeiro) em indicadores de saúde mental (stresse, ansiedade e depressão). Foram recolhidos dados de uma amostra de 729 participantes portugueses, 482 (66,1%) do género feminino e 247 (33,9%) do masculino, com uma média de idades de, aproximadamente, 37 anos (M=36,99; DP=12,81). Foi utilizado um Modelo de Equações Estruturais para examinar a relação entre as variáveis de stresse económico e saúde psicológica. Os resultados obtidos apresentaram um modelo em que as dificuldades económicas e a ameaça financeira eram preditores significativos de stresse, ansiedade e depressão, ao passo que o bem-estar financeiro se assumiu como uma variável preditora da ansiedade e depressão. Algumas implicações destes resultados são discutidas. <![CDATA[<b>Adaptação do questionário de suporte parental (qsp-6)- versão reduzida para adolescentes</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-00862015000200005&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt A família tem grande poder de influência e de transformação na vida de crianças e adolescentes. Os estudos recentes referem que o suporte familiar parece influenciar o desenvolvimento de comportamentos agressivos. Afirmam ainda a existência de uma relação entre o comportamento de bullying e o suporte que os jovens recebem das suas famílias. Assim, partindo da hipótese de que na fase da adolescência dos filhos, o suporte social dos pais poderá estar na origem de diferentes tipos de comportamentos agressivos/vitimizantes, o objetivo deste estudo é o de explorar as propriedades psicométricas do Questionário de Suporte Parental (QSP-6) - versão reduzida para Adolescentes (Clouse, 2007). Deste modo, apresentamos os resultados obtidos a partir de uma amostra de 728 adolescentes e jovens (372 do sexo feminino e 356 do sexo masculino) com idades compreendidas entre os 12 e os 21 anos. A estrutura relacional dos 18 itens foi avaliada por uma Análise Fatorial Exploratória (AFE) sobre a matriz de correlações, com extração dos fatores pelo método das componentes principais, seguido de rotação varimax. Os estudos psicométricos do QSP-6 revelam, de forma global, bons índices de fiabilidade e validade do instrumento.<hr/>The family has great power to influence and change the lives of children and adolescents. Recent studies indicate that family support appears to influence the development of aggressive behaviour. Still claim the existence of a relationship between bullying behaviour and support young people receive from their families. Thus, on the assumption that in children adolescence, parental social support may be the cause of different types of aggressive/victim behaviour, the aim of the present study is to explore the psychometric properties of the Parental Support Questionnaire (QSP- 6) -short form for teens (Clouse, 2007). Therefore, we present the results obtained from a sample of 728 adolescents and youth (372 females and 356 male) aged between 12 and 21 years. The relational structure of 18 items was evaluated by Exploratory Factor Analysis (AFE) of the correlation matrix with factors of extraction by the method of principal components, followed by varimax rotation. Psychometric studies of the QSP-6 reveal, globally, good levels of reliability and validity of the instrument. <![CDATA[<b>“Para mim é fácil”</b>: <b>Escala de avaliação de competências pessoais e sociais</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-00862015000200006&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt As competências pessoais e sociais têm um papel fundamental no desenvolvimento das crianças e adolescentes, assim como no seu comportamento face aos fatores de risco. A Escala “Para mim é fácil” é um instrumento de medida das competências pessoais e sociais que foi construído e validado pela Equipa Aventura Social www.aventurasocial.com. O presente artigo tem como objetivo o estudo da validação do instrumento. O estudo inclui 960 crianças e adolescentes Portugueses, com média de idades de 15,3 anos (DP=3,7). Inclui 56,8% rapazes de diferentes níveis de escolaridade. A versão estudada do Instrumentos demonstrou boas propriedades métricas, e a estrutura fatorial identifica 5 dimensões da competência social e pessoal (Competências Básicas, Resolução de Problemas, Regulação Emocional, Relações Interpessoais e Definição de Objetivos). A Escala “Para mim é fácil” pode ser considerada um instrumento que responde a uma necessidade e contribui para a investigação e avaliação da intervenção em crianças e adolescentes Portugueses no âmbito especificamente da prevenção e promoção de competências pessoais e sociais e de um desenvolvimento saudável.<hr/>The personal and social skills play a key role in children and adolescents development, as well as their behavior towards risk factors. The Scale " For me it Easy " is a measuring instrument of personal and social skills that was built and validity by Adventure Social Team www.aventurasocial.com .This manuscript aims to study the validation of the instrument. The study includes 960 Portuguese children and adolescents with a mean age of 12.5 years (SD = 1.61). Were included 56.8 % boys of different educational levels. The studied version of the instruments demonstrated good psychometric properties and the factor structure identifies 5 dimensions of personal and social skills (Basic Skills, Problem Solving, Emotional Regulation, Interpersonal Relationships and Defining Objectives). . The Scale "Easy for me" can be considered an instrument that meets a need and contributes to the research and evaluation of intervention in Portuguese children and adolescents, especially in prevention and promotion of personal and social skills and healthy development. <![CDATA[<b>Questionário sobre o uso de substâncias e comportamento sexual</b>: <b>um estudo de validação</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-00862015000200007&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Working with drug addicts we frequently face patients complains on sexual sphere .Literature doesn't elucidate about the impact of cognitive factors. Aiming to enable a better understanding of the relation between psychoactive substance use and sexuality we proposed to adapt and validate the Substance Use and Sexual Behavior Survey (SUSBS) questionnaire. We studied 488 drug addict subjects, outpatients of the public drug addiction Portuguese centers. Exploratory factor analysis indicated a four-component structure we termed: Inhibitor impact of substance of abuse in sexuality, Indissociability of sexuality and substance use, Enhancer impact of substance in sexuality, Substance use favoring risky sexual behaviors, explained approximately 65% of the total variance. The confirmatory factor analysis exhibited overall fits. The results suggested that the Portuguese version of the SUSBS has adequate psychometric properties. We present a discussion in terms of the questionnaire utility, recommend its use for clinical and research purposes.<hr/>Desenvolvendo prática clínica com toxicodependentes, frequentemente nos deparamos com queixas na esfera sexual. A literatura não elucida relativamente ao impacto dos factores cognitivos, nesta dinâmica. Procurando alcançar uma melhor compreensão acerca da relação entre o uso das substâncias psicoactivas e a sexualidade propusemo-nos a adaptar e validar o questionário: Substance Use and Sexual Behavior Survey (SUSBS). Estudamos 488 sujeitos toxicodependentes, utentes dos Centros de Resposta Integrada para a toxicodependência, da Administração Regional de Saúde de Portugal. A análise exploratória resultou na indicação de uma estrutura em quatro factores, que designamos: Impacto do abuso de substâncias como inibidor da sexualidade, Indissociabilidade entre abuso de substâncias e sexualidade, Impacto do abuso de substâncias como potenciador da sexualidade e Uso de substâncias como favorecedor de comportamentos sexuais de risco. Esta estrutura explica aproximadamente 65% da variância total. A análise confirmatória exibiu valores estatísticos satisfatórios. Os resultados sugerem que a versão portuguesa do SUSBS possuiu adequadas propriedades psicométricas. Apresentamos a discussão acerca da utilidade deste questionário, recomendando o seu uso na prática clínica e na investigação. <![CDATA[<b>Reflexões sobre a saúde do adolescente brasileiro</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-00862015000200008&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt As mudanças rápidas nos processos de desenvolvimento humano durante o período da adolescência exigem adaptações constantes do indivíduo e dos contextos nos quais ele se insere. Estes ajustes são decisivos para a saúde do adolescente, da família e da comunidade, e tem implicações para os estágios subsequentes do curso de vida. Este artigo objetiva estimular uma reflexão a respeito das relações entre o desenvolvimento do adolescente e a promoção de sua saúde. Primeiramente, discutimos a complexidade do conceito de adolescência, que precisa ser compreendido na sua pluralidade, e não, simplesmente, por meio dos marcos de mudança cronológica ou fisiológica. Os indicadores de saúde associados às principais características de mudança desta fase do desenvolvimento humano são destacados, visando fornecer subsídios para as ações e políticas de cuidado e proteção dos adolescentes. Ênfase é dada à importância de se investir nas políticas públicas que consideram a diversidade cultural e regional dos adolescentes brasileiros.<hr/>The rapid changes in the processes of human development during adolescence require constant adaptations of the individual and the contexts in which they have lived. These adjustments are crucial to the health of the adolescent, family and community, and they have implications on the subsequent stages of the life course. This article aims to stimulate a reflection on the relationship between the development and promotion of adolescent health. Primarily, we discuss the complexity of the concept of adolescence, which must be understood in its diversity and not simply through the milestones of chronological or physiological change. The health indicators of the main characteristics of change at this stage of human development are highlighted, aiming to supply subsidies for care and protection policies and actions for adolescents. Emphasis is placed on the importance of investing in public policies that take into account the wide range of cultural and regional differences of Brazilian adolescents. <![CDATA[<b>Qualidade de vida relacionada com sáude oral avaliada em adultos</b>: <b>revisão integrativa</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-00862015000200009&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt As alterações da saúde oral podem afetar a alimentação, a comunicação, a interação social, o desempenho intelectual e o descanso. Ao avaliar as experiências subjetivas relacionadas com o impacto das condições de saúde oral -Qualidade de Vida Relacionada com a Saúde Oral (QdVRSO) - é possível recolher informações valiosas para melhorá-la.Esta revisão integrativa visareunir informações consistentes sobre QdVRSO com foco nos instrumentos de avaliação para adultos. As bases de dados eletrónicas consultadas foram PubMed, SciELO e B-ON com o uso dos descritores “oral health-related quality of life”, “questionnaires” e “adults”. Foram adotadas as reco­mendações propostas no guia PRISMA. As 19 publicações analisadas consistem em estudos observacionais, publicados entre 2005 e 2014, que apontam para uma diversidade de instrumentos validados empiricamente, com abordagem genérica de saúde oral (OHIP-14, OIDP, GOHAI, OHQOL) e abordagem específica (PIDAQ). Globalmente, os instrumentos revelam boa sensibilidade e validade de construto, distinguindo-se pela diversidade de domínios e de itens, que se focalizam no funcionamento físico, emocional e social. Os instrumentos são breves, de fácil compreensão e rápida administração. Centram-se no impacto negativo da saúde oral na QdV e apenas dois instrumentos (GOHAI, PIDAQ) integram simultaneamente os dois tipos de impacto. Comparativamente aos restantes instrumentos, o OHIP-14 apresenta mais versões culturais, maior versatilidade por incluir mais domínios e permite aceder a informação relativa à gravidade, extensão e prevalência dos impactos negativos percebidos, sugerindo que pode ser o mais adequado para contextos de intervenção clínica e investigação intercultural.<hr/>Changes in oral health can affect feeding, communication, social interaction, intellectual performance and rest. In assessing subjective experiences related to the impact of oral health conditions - Oral Health-Related Quality of Life (OHRQoL) - valuable information can be collected with the intend of improving it. This integrative review aims to gather consistent information about OHRQoL focusing on assessment tools for adults. The electronic databases consulted were PubMed, SciELO and B-ON with the use of the descriptors "oral health-related quality of life", "questionnaires" and "adults". Recommendations proposed in PRISMA guide were adopted. The 19 assessed publications comprise observational studies published between 2005 and 2014, pointing to a diversity of instruments empirically validated, referring generic approach to oral health (OHIP-14, OIDP, GOHAI, OHQOL) and specific approach (PIDAQ).Overall, the instruments showed good sensitivity and construct validity, as distinguished by the diversity of domains and items that focus on the physical, emotional and social functioning. The instruments are brief, easy to understand and of quick administration. Generally, they focus on negative impact of oral health on QoL and only two instruments (GOHAI, PIDAQ) integrate, simultaneously, the two kinds of impact. Compared to other instruments, the OHIP-14 has more cultural versions, versatility by including more domains and provides access to information on the severity, extent and prevalence of perceived impacts, suggesting it may be the most appropriate in contexts for clinical intervention and intercultural research. <![CDATA[<b>Terceiro trimestre de gravidez</b>: <b>expectativas e emoções sobre o parto</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-00862015000200010&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt A mudança na forma como a gravidez é vivenciada pela família juntamente com a facilidade de acesso à informação sobre esta temática, têm desafiado a perceção do parto como sendo unicamente um ato médico, o que implicou alterações nas representações sobre a gravidez. Deste modo, pretende-se analisar as vivências emocionais e as expetativas que a grávida no terceiro trimestre tem relativamente ao parto. Consiste num estudo qualitativo descritivo e exploratório, baseado numa amostra de 30 grávidas, de nacionalidade portuguesa, cuja média de idades é de 32 anos. Realizou-se um questionário sociodemográfico e uma entrevista semi-directiva intitulada Interview of Maternal Representations During Pregnancy - Revised Version (IRMAG-R, Ammaniti & Tambelli, 2010). Os resultados demonstram que nesta fase da gestação há uma envolvência afetiva intensa com o bebé, que se projeta nas preocupações relativas ao seu bem-estar no pós-parto e em menor número nas preocupações durante o parto. As expetativas são positivas. A grávida espera ter um parto rápido, fácil, com pouca intervenção médica, em que a dor é percecionada como um fator intrínseco ao acontecimento. Apresenta uma postura de confiança, em que a ansiedade é caracterizada pelo desejo de querer conhecer o bebé real. Pretende que o pai do bebé esteja presente durante o parto e refere a sua mãe como figura principal de suporte no pós-parto. Torna-se fundamental ajudar a mulher ao longo da gestação a lidar com estas questões e a formular expetativas saudáveis de modo a adaptar-se à nova fase da sua vida.<hr/>Transformations in the way of how pregnancy is experienced in the family, along with the facility of access to information on this subject, have challenged the perception of childbirth as being merely a medical act. This implies alterations on the representations of pregnancy. Consequently, we intend to analyze the emotional experiences and the expectations that the pregnant woman has in relation to childbirth in the third trimester. It consists of a qualitative, descriptive and exploratory research based on a sample of 30 pregnant Portuguese women whose average age is 32 years old. A socio-demographic questionnaire and a semi-directive interview entitled Interview of Maternal Representations During Pregnancy - Revised Version (IRMAG-R, Ammaniti & Tambelli, 2010) were carried out. The results show that on this stage of pregnancy there is an intense emotional involvement with the baby, which is projected on concerns regarding his well-being in the postpartum and, on a smaller scale, on concerns during childbirth. The expectations are positive. The pregnant woman expects a fast and easy childbirth, with little medical intervention, and pain is perceived as an intrinsic factor. She shows a confident posture, in which the experienced anxiety is characterized by the desire to know the real baby. She desires the baby's father to be present during birth and refers her mother as the main figure of support during the postpartum period. It is fundamental to help women during pregnancy in dealing with these issues and formulating healthy expectations in order to adapt to the new phase of her life. <![CDATA[<b>Crise económica, saúde e doença</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-00862015000200011&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt As crises económicas produzem impactos na saúde das populações. Os fatores de risco para a saúde aumentam enquanto os fatores protetores diminuem. Os efeitos manifestam-se em diferentes fases ao longo do tempo e podem ser prevenidos e mitigados. No sentido de estudar os efeitos negatives das crises económicas na saúde das populações e as formas de os prevenir procurámos na MEDLINE e em outros sites de Medicina baseada na evidência artigos publicados entre Janeiro de 2000 e Junho de 2013 usando os termos Mesh: Crise económica, Crise financeira, Saúde e Saúde Mental. A produção científica publicada mostra os efeitos das crises económicas na saúde. A mortalidade infantil e a mortalidade relacionada com homicídios e suicídios aumentam enquanto a mortalidade por acidentes rodoviários diminui. O aumento do desemprego está associado a um aumento das taxas de suicídio. Os grupos mais vulneráveis são particularmente afetados em épocas de crise económica. Os efeitos das crises económicas podem ser mitigados. Investimentos em políticas activas de emprego diminuem o impacto da recessão na saúde mental das populações amortecendo as suas consequências negativas e diminuindo o suicídio. Sistemas de proteção social fortes tornam as sociedades mais aptas a resistir às adversidades. Programas de apoio às famílias de baixos rendimentos, a instituições capazes de criar e promover redes sociais, medidas para combater o sobre-endividamento, diminuir a acessibilidade ao álcool e centros de saúde mental de proximidade podem fazer a diferença. Os efeitos adversos das crises económicas nas populações são previsíveis e podem ser mitigados com medidas apropriadas.<hr/>Economic crises produce impacts on the health of the populations. Health risk factors increase while protection decreases. The effects manifest themselves differently in time but can be prevented or mitigated. To understand the negative effects of economic downturns on population health and ways to prevent them we search in MEDLINE, and other sites of evidence-based medicine, articles published from January 2000 until June 2013, using the MeSH terms: Economic crisis, Financial crisis, Health, Mental Health. The scientific production in recent years has shown the effects of economic crises on health. Infant mortality, mortality related to homicides and suicides increases whereas mortality from road accidents decreases. The rise in unemployment is associated with higher suicide rates. The most vulnerable groups are particularly affected. The effects of economic crises can be mitigated. Investment in active labor market policies reduces the impact of the recession on the population's mental health and decreases suicide rates. Strong social protection systems make societies more able to face adversity. Support programs for low-income families, institutions that create social networks, measures to combat over-indebtedness, decreased accessibility to alcohol and the proximity of mental health services to the people can make a difference. The adverse effects of economic crises on populations are predictable and can be mitigated with appropriate measures.