Scielo RSS <![CDATA[Psicologia, Saúde & Doenças]]> http://www.scielo.mec.pt/rss.php?pid=1645-008620100002&lang=pt vol. 11 num. 2 lang. pt <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.mec.pt/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.mec.pt <![CDATA[<b>Editorial</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-00862010000200001&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <![CDATA[<b>Adversidade na gravidez</b>: <b>Um estudo comparativo da adaptação de grávidas infectadas pelo VIH e grávidas sem risco médico associado</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-00862010000200002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Em Portugal, as mulheres representam cerca de 25% dos indivíduos que vivem com o Vírus da Imunodeficiência Humana (VIH). Considerando que a maioria destas mulheres se encontra em idade reprodutiva (aproximadamente 75%), a transição para a maternidade tem assumido uma importância crescente. Numa amostra composta por 47 grávidas infectadas pelo VIH e 51 grávidas sem risco médico associado, a adaptação à gravidez foi avaliada considerando os seguintes indicadores: percepção de stresse, sintomatologia psicopatológica, reactividade emocional e qualidade de vida (QdV). Os resultados deste estudo apontam para a existência de maiores dificuldades de adaptação entre as grávidas seropositivas (particularmente as diagnosticadas durante a gravidez), que reportam, comparativamente às grávidas sem risco médico associado, níveis mais elevados de stresse, sintomatologia psicopatológica e reactividade emocional negativa e menor QdV. Os resultados mostram ainda que a adaptação à gravidez é marcada por uma maior ambivalência entre as mulheres seropositivas. Estes resultados poderão ter importantes implicações clínicas para a intervenção psicológica junto das mulheres infectadas pelo VIH. Torna­se central para os técnicos de saúde mental e de outras áreas médicas conhecer mais sobre as dinâmicas psicológicas quando envolvidas, em simultâneo, duas situações indutoras de stresse: ter um filho e a possibilidade de morte antecipada.<hr/>In Portugal, about 25% of people living with Human Immunodeficiency Virus (HIV) are women. Because the majority of HIV­infected women are of reproductive age (about 75%), the issue of transition to motherhood is a matter of greater importance. In a sample of 47 HIV­pregnant women and 51 pregnant women without medical condition, the adaptation to pregnancy was assessed considering the following indicators: perceived stress, psychological symptoms, emotional reactivity, and quality of life. The results of the current study showed that HIV­infected women experienced more difficulties in adaptation to pregnancy. This group reported, comparatively to the pregnant women without associated medical risk, higher stress, more psychopathology, more negative emotional reactivity, and lower quality of life. Globally, the results of this study show a higher ambivalence in the adaptation to pregnancy among HIV­positive women. Among HIV­positive, women diagnosed during the current pregnancy report more adaptation difficulties. These findings may also have clinical implications for the psychological intervention of HIV­infected women. It is important for mental health professionals and other medical fields to know more about women’s psychological dynamics when involved in two very stressful concomitant situations: giving birth and possibility of an anticipated death. <![CDATA[<b>Experiências relacionais precoces, vulnerabilidade ao stress, estratégias de coping e adaptação à decisão e experiência de interrupção voluntária da gravidez</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-00862010000200003&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt A decisão de interrupção voluntária da gravidez (IVG) constitui uma experiência emocionalmente exigente, que implica a mobilização de recursos pessoais por parte da mulher. É importante identificar os factores psicológicos que podem condicionar a forma como as mulheres se ajustam a esta resolução reprodutiva, de modo a preparar estratégias de intervenção psicológica adequadas. Este estudo prospectivo teve como objectivo investigar a relação entre a recordação dos estilos educativos dos pais, a vulnerabilidade ao stress e as estratégias de coping de 53 mulheres que procuraram a Consulta de Aconselhamento Reprodutivo da Maternidade Dr. Daniel de Matos dos Hospitais da Universidade de Coimbra entre Dezembro de 2007 e Março de 2008 para interromper a gravidez, e a sua adaptação no período da decisão e após a IVG. Os estilos educativos parentais (EMBU - Memórias da Infância) e a vulnerabilidade ao stress (23QVS) foram avaliados no período da decisão. Os estilos de coping (COPE Inventory adaptado à experiência de IVG) foram avaliados após a IVG. A adaptação (Escala de Avaliação das Emoções, Inventário de Sintomas Psicopatológicos) foi avaliada nos dois momentos do estudo. Em ambos os momentos de avaliação, a sobreprotecção materna e a vulnerabilidade ao stress revelaram associações positivas com indicadores de psicopatologia e reactividade emocional negativa, à semelhança do uso de estratégias de coping religioso, ventilação emocional e negação, no período pós-­IVG. São debatidas as implicações destes resultados para a investigação e prática clínica.<hr/>The decision of induced abortion constitutes an emotionally exigent experience that implicates the mobilization of woman’s personal resources. In this sense, it is important to identify the psychological factors that may influence women’s adjustment to this reproductive resolution, in order to prepare appropriated psychological interventions. This prospective study aimed to investigate the relation between the memories of parental educative styles, vulnerability to stress and coping of 53 women who seeked for the Reproductive Counselling Consultation at the Maternity Doctor Daniel de Matos of the University of Coimbra Hospitals, between December 2007 and March 2008 to abort, and their adjustment during the decision period and after the abortion. Parental educative styles (EMBU - Childhood Memories) and vulnerability to stress (23 QVS) were assessed at the moment of decision. Coping styles (COPE Inventory adapted for induced abortion) was assessed after the abortion. Adjustment (Emotional Assessment Scale, Brief Symptom Inventory) was assessed in both assessment moments. In both assessment moments, maternal overprotection and the vulnerability to stress revealed positive associations with indicators of psychopathology and negative emotional reactivity, as well as the use of religious coping, emotional ventilation and negation, in the post­abortion period. The implications of these results for research and clinical practice are discussed. <![CDATA[<b>A vivência de infertilidade e endometriose</b>: <b>pontos de atenção para profissionais de saúde</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-00862010000200004&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Este estudo discute aspectos do cotidiano da paciente com endometriose. São considerados alguns hábitos de vida relacionados com a endometriose e o sentimento feminino perante o diagnóstico e o tratamento. Dados foram colhidos numa amostra de 40 mulheres com diagnóstico de endometriose, por meio de seleção de prontuários e aplicação de questionários. A frequência de exposição a substâncias químicas tóxicas na amostra foi alta. Mais da metade das participantes não praticava atividade física e a ingestão de vitaminas E, C e de fibras era insuficiente. Insegurança e ansiedade foram os sentimentos mais frequentes frente ao diagnóstico, mas, uma vez iniciado o tratamento, a maioria das participantes relatou bem-estar como sentimento predominante. As mais frequentes fontes de apego que ajudaram as mulheres durante o tratamento foram: a fé, o parceiro e a família. O profissional da saúde precisa atentar para o impacto prejudicial de preconceitos culturais e apoiar as tentativas da paciente de lidar com a insegurança, ansiedade, tristeza e o medo ao receber o diagnóstico. Precisa orientar a paciente quanto às mudanças de estilo de vida e exposição a substâncias tóxicas. Além disso, precisa amparar a resposta emocional positiva da paciente ao tratamento e estimular o apoio do companheiro no decorrer do tratamento.<hr/>This study discusses aspects of the daily life of patients with endometriosis. It considers life habits related to endometriosis and the feelings of women confronted with the diagnosis and the treatment. Data were collected in a sample of 40 women with diagnosis of endometriosis, through a selection of patient files and through interviews. Exposure to toxic substances was high in this sample. More than half of the participants did not practice sufficient physical activity. The diets of many patients lacked vitamin E, C and fibras. Insecurity and anxiety were the main feelings when receiving the diagnosis, but, once the treatment started, positive emotions predominated. The most frequent sources of emotional support that helped the women to live through the treatment were: faith, the partner and the family. Health professionals need to pay attention to the destructive impact of cultural prejudices. They need to help the patient cope with her insecurity, anxiety, sadness and fear during the diagnostic process. They must provide coaching concerning life style changes and questions related to exposure to toxic substances. And they also need to help sustain both the patient’s positive emotional responses to treatment and her partner’s support during treatment. <![CDATA[<b>Interrupção da gravidez por malformação congénitica</b>: <b>a perspectiva da mulher</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-00862010000200005&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt O presente estudo pretende conhecer a experiência da interrupção terapêutica da gravidez, por malformação congénita, do ponto de vista das mulheres que a vivenciaram. Para a realização deste estudo, recorreu-se a uma metodologia qualitativa (Grounded Theory). A amostra, constituída por 18 mulheres, resultou de uma amostragem intencional, sendo a recolha de dados realizada através de entrevista semi­ estruturada. Os resultados do estudo apontaram a interrupção de gravidez por malformação congénita, como uma experiência emocionalmente intensa. A notícia do diagnóstico de uma malformação foi recebida com choque e surpresa. A tomada de decisão de prosseguir ou interromper a gravidez foi considerada a mais difícil da vida do casal pela ambivalência de sentimentos e dilemas morais que produziu. Conhecer as reacções das mães, as razões e dificuldade na decisão representa, para os profissionais envolvidos no processo, uma oportunidade de definirem estratégias de aconselhamento e suporte facilitadoras do processo decisório.<hr/>The present study aims to understand the experience of therapeutic pregnancy interruption, due to congenital malformation, according to mother’s perspective. For this study, a qualitative methodology (Grounded Theory) was chosen. The sample, composed of 18 women was the result of an intentional sampling and the data was collected through semi-structured interviews. The results of the study revealed the interruption of pregnancy, due to congenital malformation, as an emotional intense experience. The news of the diagnosis of a malformation was received with shock and surprise. The decision to continue or to interrupt the pregnancy was considered the most difficult in the couple’s life due to the ambivalence of feelings and moral dilemmas it produced. Understand mother’s reactions and the reasons and difficulties in the decision regarding pregnancy interruption represents for the professionals involved in the process, a chance to define strategies to facilitate counseling and support in the decision process. <![CDATA[<b>Relacionamento conjugal durante a gravidez em mulheres e homens ansiosos e deprimidos</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-00862010000200006&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt To assess anxiety, depression and relationship satisfaction in both women and men during pregnancy, the State Anxiety Inventory (STAI), The Center for Epidemiological Studies­-Depression Scale (CES­D) and The Relationship Questionnaire (RQ) were administered during the second trimester to a sample of 59 pregnant women and their partners. Anxious pregnant women rated their relationships as less positive. Depressed pregnant women also rated their relationships as less positive. The women’s anxiety scores were predictive of their positive and negative relationship scores. The women and their partners’ negative relationship scores were also predictive of each others’ negative relationship scores. These results highlight the importance of targeting anxiety as well as depression, and pregnant women as well as their partners in prenatal intervention programs.<hr/>Para avaliar a ansiedade, a depressão e o relacionamento conjugal em mulheres e homens durante a gravidez, o State Anxiety Inventory (STAI), o Center for Epidemiological Studies ­Depression Scale (CES­D) e o Relationship Questionnaire (RQ) foram administrados durante o segundo trimestre a uma amostra de 59 grávidas e seus companheiros. As mulheres grávidas ansiosas avaliaram o seu relacionamento como menos positivo. As mulheres grávidas deprimidas também avaliaram o seu relacionamento como mesmo positivo. Os valores de ansiedade mostraram ser preditores do relacionamento positivo e negativo. Os valores do relacionamento da mulher e do seu companheiro também se mostraram mutuamente preditores dos seus relacionamentos negativos. Estes resultados mostram a importância de considerar a ansiedade tanto quanto a depressão e a mulher grávida tanto quanto o seu companheiro em programas de intervenção pré-natal. <![CDATA[<b>Sintomatologia de Couvade e o envolvimento paterno vivenciado durante a gravidez</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-00862010000200007&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Com o objectivo de verificar a existência de sintomatologia de Couvade e qual a sua relação com o envolvimento paterno, desenhou-se um estudo observacional­­-descritivo transversal no qual participaram 200 pais expectantes numa amostra não probabilística de conveniência. O material utilizado foi, para lá de um questionário sócio­-demográfico construído para o efeito, um questionário versando aspectos relacionados com a gravidez (planeada vs não planeada/ desejada vs não desejada; idade, idade gestacional, estatuto da paternidade e risco associado à gravidez), o Inventário de Sintomatologia(The Symtomatology Inventory, Black, Holditch­-Davis, Sandelowski, & Harris, 1995) e a Escala de Envolvimento Emocional Pré-­natal(Antenatal Emocional Attachment Scale de Condon, 1993. Versão portuguesa de Gomez & Leal, 2007). As principais conclusões do nosso estudo são a confirmação da existência de sintomatologia de Couvade na nossa amostra e não associação entre estes sintomas e o envolvimento paterno.<hr/>In order to assess the existence of Couvade symptoms and their relation with the paternal involvement, an observational, descriptive and cross-sectional study was designed, in which a convenience sample of 200 expectant fathers participated. The materials used were: a socio­-demographic questionnaire, developed for this study; a questionnaire regarding different pregnancy related aspects (planned vs. unplanned/unwanted vs. wanted, age, gestational period, parenthood status and risks associated to the pregnancy); the Symtomatology Inventory (Black, Holditch-­Davis, Sandelowski, & Harris, 1995); and the Portuguese version of the Antenatal Emocional Attachment Scale (Condon, 1993; Gomez & Leal, 2007). The main findings of our study were the confirmation of Couvade symptoms in our sample, and the non­-association between these symptoms and paternal involvement. <![CDATA[<b>A importância da massagem do bebé para as atitudes face à maternidade</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-00862010000200008&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt A transição para a maternidade é uma fase de grande mudança, contudo vários factores podem contribuir para que a mulher a viva de uma forma mais tranquila. A massagem do bebé poderá ser um destes factores. O objectivo deste estudo foi avaliar a importância da massagem do bebé nas atitudes das mães face à maternidade. Para tal utilizou-se o CAQ­P aplicado em 3 momentos, no final da gravidez e até aos 4 meses. A amostra foi constituída por 194 díades mãe/ bebé, divididas em dois grupos (Grupo 1­massagem e Grupo 2­controlo). No 1º momento, não se encontraram diferenças significativas entre grupos. Contudo, no 2º e 3º momentos, as mães do grupo de massagem apresentaram atitudes mais positivas face à maternidade. Os resultados obtidos indicam que as mães que participaram em sessões de massagem para bebés apresentam atitudes mais positivas face à maternidade e partilham e envolvem mais os pais nos cuidados do bebé.<hr/>The transition to motherhood is a time of great change in a women’s life. However several factors may contribute so that it can be lived in a more peaceful way. Infant massage can be one of these factors. The purpose of this study is to assess the importance of infant massage in the attitudes towards motherhood through the CAQ­P, over 3 time points (end of pregnancy up to 4 months). The sample consists of 194 mothers, divided by two groups (group 1­massage; Group 2­control). At the 1st moment no significant differences were found between groups, but on the 2nd and 3th moments, the massage group showed more positive attitudes towards motherhood. This study suggests that the mothers who learn to perform infant massage have more positive attitudes towards motherhood. They also involve and share with the fathers the baby’s needs. <![CDATA[<b>Reacções parentais ao diagnóstico perinatal de anomalia congénita do bebé </b> <b>Implicações para a intervenção dos profissionais de saúde</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-00862010000200009&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt A notícia de um diagnóstico de anomalia congénita do bebé no período perinatal reveste-se de um impacto emocional significativo para os pais, constituindo um desafio para a actuação dos profissionais de saúde. O objectivo deste trabalho é delinear implicações para a intervenção dos profissionais de saúde, tendo por base uma reflexão sobre a investigação existente acerca das reacções parentais ao diagnóstico de anomalia congénita do bebé. A investigação empírica descreve reacções parentais iniciais semelhantes à resposta de luto (choque, tristeza, ansiedade, culpa e raiva), num processo gradual de adaptação, geralmente conducente à restituição do equilíbrio emocional. Verificam-se também algumas especificidades, em função do momento em que o diagnóstico é conhecido. Da reflexão sobre estes resultados, emergem algumas orientações para a actuação dos profissionais de saúde, nomeadamente no que respeita à comunicação do diagnóstico, à necessidade de uma equipa multidisciplinar coordenada que proporcione um contexto seguro de prestação de cuidados e à relevância de intervenções psicossociais com estas famílias.<hr/>The communication of a congenital anomaly diagnosis of the baby during the perinatal period has a significant emotional impact for parents, being a challenge for the intervention of health professionals. The aim of this paper is to outline implications for the intervention of health professionals, based on a reflection on existing research about parental reactions to the diagnosis of congenital anomaly of the baby. Empirical research describes initial parental reactions similar to mourning response (shock, sadness, anxiety, guilt and anger), in a gradual process of adaptation, often leading to recovery of emotional well­being. There are also some specific features, depending on when the diagnosis is known. From the reflection on the research results presented, some guidelines for different health professionals emerged, particularly as regards the communication of the diagnosis, the need for a coordinated multidisciplinary team that provides a safe context of care, as well as the relevance of psychosocial interventions with these families. <![CDATA[<b>Ajustamento psicossocial na infertilidade</b>: <b>um estudo comparativo de casais inférteis, casais a realizar tratamentos de reprodução medicamente assistida e casais presumidamente férteis</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-00862010000200010&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt The aim of the present study was to investigate psychosocial adjustment and infertility related stress of infertile couples and couples undergoing Assisted Reproductive Technologies (ART). In a cross sectional study, 148 couples were recruited: 79 couples undergoing ART, 25 infertile couples in their first medical appointment in an infertility centre and no previous ART treatments and 44 childless couples in reproductive age without infertility history. Measures assessed emotional adjustment, quality of life, marital relationship and infertility stress. Couples were the focus of the analysis. Results indicated that couples undergoing ART presented more adjustment difficulties, especially women. No significant differences were found in marital adjustment, although ART couples idealized their marital relationship to a higher degree. Results are discussed in terms of clinical implications and future research directions.<hr/>O objectivo deste estudo foi investigar o ajustamento psicossocial e o stress associado à infertilidade em casais inférteis e casais que recorreram à Reprodução Medicamente Assistida (RMA). Neste estudo transversal, a amostra foi constituída por 148 casais: 79 casais a realizar tratamento de RMA, 25 casais inférteis, sem tratamentos de RMA anteriores, na sua primeira visita a um serviço de infertilidade e 44 casais em idade reprodutiva, sem filhos e sem história de infertilidade. Foi avaliado o ajustamento emocional, a qualidade de vida, a relação conjugal e o stress associado à infertilidade. Os resultados indicaram que os casais, principalmente as mulheres, que estão a realizar um tratamento de RMA apresentam maiores dificuldades de ajustamento. No que se refere ao relacionamento conjugal, de um modo geral não foram encontradas diferenças, apesar de os casais que recorreram à RMA tenderem a idealizar mais o seu relacionamento conjugal. As implicações clínicas e futuras áreas de investigação são discutidas. <![CDATA[<b>Preocupações parentais sobre a saúde e o desenvolvimento</b>: <b>sugestões para a reorganização dos cuidados de saúde pediátricos</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-00862010000200011&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Developmental and behavioural disorders affect 12 to 16% of children. There are effective interventions to promote the wellbeing of both children and their families to reduce negative outcomes. The provision of appropriate developmental and behavioural services must be guided by family needs. Parental concerns are a reliable tool to evaluate children’s developmental and behavioural status and to make decisions regarding these services. This study explored parents’ concerns in a Portuguese health care setting. We used an interview, focusing on concerns about parenting and the child’s physical health, development, behaviour and interaction. When questioned in a systematic and standardized way, parents discussed concerns about their children’s development and behaviour, as well as the parental role. All parents had at least one concern about their child. Most parents expressed concerns about their child’s behaviour, particularly about discipline. We discuss implications for the provision of developmental and behavioural services within well­-child care.<hr/>As perturbações de desenvolvimento e comportamento afectam 12 a 16% das crianças. Existem intervenções efectivas para promover o bem-estar das crianças e famílias e para reduzir o impacte negativo dessas perturbações. Os serviços orientados para responder aos problemas de desenvolvimento e comportamento das crianças devem ter em conta as necessidades das famílias. As preocupações parentais são um instrumento fiável para avaliar o desenvolvimento e comportamento das crianças e para tomar decisões sobre estes serviços. Este estudo explorou as preocupações parentais em consulta de cuidados primários. Utilizámos uma entrevista sobre as preocupações relacionadas com o papel parental, saúde física, desenvolvimento e comportamento dos filhos. Quando questionados de forma sistemática, os pais discutiram preocupações sobre desenvolvimento, comportamento e papel parental. Todos tinham pelo menos uma preocupação com o filho. A maioria dos pais expressou preocupações sobre o comportamento da criança, particularmente sobre disciplina. São discutidas implicações para a prestação de serviços direccionados para o desenvolvimento e comportamento no contexto da vigilância de saúde infantil. <![CDATA[<b>Envolvimento paterno num grupo de pais de crianças do 1º ciclo</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-00862010000200012&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt The purpose of this study was to evaluate the degree of paternal involvement in Portuguese parents of children between 5 and 9 years old, exploring factors of interindividual variability (father´s age, education, socioeconomic status and number of children), as well as the association between father involvement and a number of factors identified in the literature: parental satisfaction, parental stress and marital adjustment. The sample consists of 145 married fathers aged between 28 and 59 years (M = 40.14), most of them with a high and college degree of education and a middle socioeconomic status. Data collection was based on self-­report assessment scales, along with a questionnaire for socio-­demographic characterization. The main results point to a relatively high degree of paternal involvement, particularly in the dimensions Care and Availability, although in relative terms the father’s reports indicate a higher percentage of time given to mothers as primary caregivers of children. There were no significant differences between the fathers depending on the individual variables studied. However, we found a moderate negative association between father involvement and parental stress, and also a moderate positive association between father involvement and dyadic adjustment, which is consistent with other studies in this area. The results support the multidimensional conceptualization of father involvement, suggesting different dimensions of paternal behavior in relation to the care and education of children. In addition, the study confirms the multi­-determined nature of paternal involvement, suggesting that personal and relational factors may have an impact on how men perform paternity.<hr/>O estudo pretendeu avaliar o grau de envolvimento paterno de pais Portugueses de crianças entre os 5 e os 9 anos de idade, explorando factores de variabilidade interindividual (idade do pai, educação, nível socioeconómico e número de filhos), bem como a associação entre envolvimento paterno e alguns factores identificados na literatura: satisfação parental, stress parental e ajustamento conjugal. A amostra é constituída por 145 pais casados, com idades entre os 28 e os 59 anos (M=40,14), a maioria dos quais com um nível de escolaridade secundário e superior e um nível socioeconómico médio. A recolha de dados foi realizada através da aplicação de questionários de auto-­resposta, juntamente com um questionário para caracterização sócio­-demográfica. Os principais resultados mostram um grau relativamente elevado de envolvimento paterno, sobretudo nas dimensões Cuidados e Disponibilidade, embora em termos relativos os pais atribuam às mães uma maior percentagem de tempo como principais figuras cuidadoras da criança. Não foram encontradas diferenças significativas entre os pais em função das variáveis individuais estudadas. Contudo, foi encontrada uma associação negativa moderada entre o envolvimento paterno e o stress parental, bem como uma associação positiva igualmente moderada entre o envolvimento e o ajustamento diádico, o que vai ao encontro de outros estudos realizados nesta área. Estes resultados suportam a conceptualização multidimensional do envolvimento paterno, sugerindo diferentes dimensões de comportamento paterno face aos cuidados e educação das crianças. Adicionalmente, confirmam a natureza multideterminada do envolvimento, sugerindo que factores pessoais e relacionais podem ter impacto na forma como os homens desempenham a paternidade.