Scielo RSS <![CDATA[Economia Global e Gestão]]> http://www.scielo.mec.pt/rss.php?pid=0873-744420110001&lang=pt vol. 16 num. 1 lang. pt <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.mec.pt/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.mec.pt http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0873-74442011000100001&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <![CDATA[<b>Perspectivas futuras da economia portuguesa</b>: <b>um ensaio exploratório</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0873-74442011000100002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Na presente conjuntura portuguesa, é provável que a vertente «diálogo social» seja sacrificada às exigências da competitividade e que o Estado dê primazia à satisfação dessas exigências. Como também aos objectivos da estabilidade monetária e financeira relativamente aos objectivos do crescimento e da redução do desemprego. E isto em resultado do condicionamento do poder político pelos interesses económicos dominantes no País que, por sua vez, reflectem interesses dominantes nas instâncias internacionais de regulação. Todavia, é possível uma crescente valorização dos recursos humanos nacionais no contexto internacional. Hipótese que requer também crescente capacidade do Estado para, directa e indirectamente, contribuir para essa valorização seguindo apropriada estratégia de reformas.<hr/>In light of the current economic situation in Portugal, it is likely that “social dialogue” will be sacrificed so as to meet the demands of competitiveness which the State will make its priority. Equally, the objectives for monetary and financial stability will predominate over those for growth and the reduction of unemployment. And this is a result of the constraints imposed on political power by the leading economic interests in Portugal which, in turn, reflect those of the predominant international regulation agencies. Nevertheless, a growing valorization of national human resources is possible within the international context. But this means that the State would also need an increasing capacity to contribute, directly and indirectly, to this valorization by following an appropriate reform strategy. <![CDATA[<b>Contribuindo para o estabelecimento do estado da arte na Gestão da Cadeia de Abastecimento</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0873-74442011000100003&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt The purpose of this paper is to contribute to the development of the SCM theory and practice. First, by revisiting the theories and areas of knowledge that contributed to the emergence of SCM. Secondly, by establishing a set of statements - for discussion - that should constitute the basis of Supply Chain Management as an area of organizational and inter-organizational knowledge, able to create competitive advantages and to be foreseen as an idiosyncratic though pre-paradigmatic area of knowledge.<hr/>O intuito deste artigo é o de contribuir para o desenvolvimento da teoria e prática associadas à Gestão da Cadeia de Abastecimento. Primeiro revisitando as áreas que deram origem ao pensamento e conhecimento estabelecido na Gestão da Cadeia de Abastecimento. Depois estabelecendo um conjunto de proposições simples, a debater, que devem constituir os fundamentais da área de Gestão da Cadeia de Abastecimento como área organizacional e inter-organizacional do conhecimento, capaz de criar e sustentar vantagens competitivas e de ser encarada como uma área idiossincrática do conhecimento, não obstante pré-paradigmática. <![CDATA[<b>O papel da China nos PALOP</b>: <b>o caso de Moçambique (Segunda Parte)</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0873-74442011000100004&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Due to the Reform and Open Door Policies initiated in 1978, China has since recorded rapid and sustainable economic growth, turning it into the world’s second largest economy. With an export oriented economic model, strongly supported by foreign direct investment, China became world’s number one exporter when it overtook Germany in 2009. Presently China has the world’s largest foreign exchange currency funds, 50% of which is being applied in American bonds while the remaining supports Chinese health and social security systems, Chinese banks’ solvability, internationalization of the Chinese economy, outward foreign direct investment (OFDI) and Chinese official foreign aid (ODA) to other developing countries. Although the Chinese OFDI fluxes are nowadays more oriented to mature economies, the bulk is mainly directed to partnerships with other developing countries like African countries; more specifically, the Chinese government identified the Portuguese Speaking African Countries as strategically important for cooperation and investment. These countries have high expectations of this Chinese investment and cooperation and our research questions are: (a) Should this investment be considered ODA or OFDI?; (b) How far can Chinese finance fluxes contribute to the development of these countries in terms of employment, exports, technology transfer?; (c) Is this investment seen as an opportunity or a threat by local people, is it fulfilling the created expectations or not? Our empirical research concentrates on the Mozambique case in this paper.<hr/>Devido às políticas de Reforma e Porta Aberta iniciadas em 1978, a China registou, desde essa altura, um rápido crescimento económico sustentado, tornando-a na segunda maior economia do mundo. Com um modelo económico orientado para a exportação, altamente apoiado por investimento directo externo, a China tornou-se no maior exportador mundial, depois de ultrapassar a Alemanha em 2009. Presentemente, a China tem a maior reserva do mundo de divisas estrangeiras, 50% aplicada em títulos do Tesouro americanos e o restante nos sistemas de saúde e segurança chineses, na solvabilidade dos bancos chineses, na internacionalização da economia chinesa, no investimento directo da China no exterior (IDENE) e na ajuda pública da China ao desenvolvimento de outros países (APED). Embora os fluxos de IDENE da China estejam hoje em dia mais virados para as economias maduras, a sua maior percentagem ainda se dirige a parcerias com outros países em desenvolvimento, como por exemplo os países africanos, e dentro destes o governo chinês identificou um grupo estrategicamente importante para cooperar e investir, os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP). Estes países têm grandes expectativas no investimento e cooperação com a China e as questões que pesquisamos são: (a) Deve este investimento ser considerado IDENE ou APED?; (b) Até que ponto estes fluxos financeiros contribuem para o desenvolvimento desses países em termos de emprego, exportações, transferência de tecnologia?; (c) Este investimento é visto como uma ameaça ou uma oportunidade pela população local, está ele a corresponder às expectativas criadas ou não? Neste artigo iremos focar a nossa pesquisa no caso de Moçambique. <![CDATA[<b>Mulheres brasileiras em posições de liderança</b>: <b>Novas perspectivas para antigos desafios</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0873-74442011000100005&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Neste artigo apresentamos os resultados de uma pesquisa na qual entrevistamos 12 executivas e gerentes gerais da cidade do Rio de Janeiro com idades entre os 25 e os 45 anos. Os textos resultantes da transcrição das entrevistas foram submetidos a uma análise de discurso a partir das seguintes categorias: Família e Maternidade; Trabalho; Estratégias de Conciliação Trabalho-Família; Investimento na Carreira e Estilo de Liderança. Para todas as entrevistadas, família e trabalho foram considerados «prioridade» em suas vidas e a maternidade foi vista como algo fundamental que dá um sentido de completude na vida das mulheres. A conciliação carreira e maternidade, ainda que difícil, foi considerada por todas elas não apenas como possível, mas também desejável. No que diz respeito à atuação das mulheres no trabalho, as entrevistadas mencionaram a existência de discriminação, ainda que velada, com relação, principalmente, aos cargos mais elevados, como o de CEO. Finalmente, nossos dados apontam para o fato de que é mais difícil para as mulheres provar sua competência e eficiência para alcançar os cargos mais elevados e que, de maneira geral, as mulheres estão mais preocupadas com o funcionamento da equipe, têm maior sensibilidade para lidar com os subordinados, têm melhores habilidades comunicativas e uma maior destreza para lidar com diferentes tarefas simultaneamente do que os homens.<hr/>This article presents the results of a study in which we interviewed 12 Brazilian women in leadership positions in organizations, aged 25 to 45. The resulting texts were submitted to a discourse analysis, according to the following categories: Motherhood and Family Life; Career; Conciliating Career and Maternity; Career Development and Leadership Style. For all our interviewees both family and work were considered a “priority” in their lives and maternity was seen as a fundamental part of women’s lives, something that gives them a sense of completeness. Conciliating career and maternity, although difficult, was seen as not only possible but also as desirable. Regarding women’s performance at work, the interviewees mentioned the existence of discrimination against women, though often veiled, especially in relation to the highest functions, such as that of CEO. Finally, our data point to the fact that it is harder for women to prove their competence and efficiency so as to reach the highest positions and that, in general, women are more worried about the functioning of the team, have more sensibility to deal with subordinates, better communication skills and have a greater ability to manage different tasks simultaneously than men. <![CDATA[<b>Ciclo de vida organizacional</b>: <b>descrição de três estágios de desenvolvimento das pequenas empresas em quatro especificidades</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0873-74442011000100006&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Este artigo tem como objetivo apresentar construtos teóricos caracterizadores dos estágios de desenvolvimento organizacional da pequena empresa. A falta de consenso e de fundamentação sobre construtos teóricos para os estágios da pequena empresa dificulta o progresso da pesquisa empírica sobre o tema. Os construtos aqui apresentados foram avaliados por meio de instrumento quantitativo. Os construtos foram descritos e agrupados em quatro especificidades organizacionais da pequena empresa. O artigo apresenta resultados de uma pesquisa de campo com 71 pequenas empresas instaladas no Estado de São Paulo, Brasil. Na análise dos dados, utilizaram-se as técnicas estatísticas de Análise de Agrupamentos e de Análise de Correspondência. Os resultados e as discussões mostraram que a escala utilizada na coleta de dados atendeu satisfatoriamente o propósito de classificar as pequenas empresas em determinado estágio do seu ciclo de desenvolvimento.<hr/>This article aims to present theoretical models to describe the stages of organizational development of small business. The lack of consensus and validity about theoretical constructs for the stages of small business development hinders the progress of empirical research on the topic. The constructs presented here were evaluated with quantitative instruments. The constructs were described and then grouped in four of organizational specificities of small business. The paper presents results from a field survey of 71 small companies located in São Paulo, Brazil. Statistical techniques of cluster analysis and correspondence analysis were employed in data analysis. Results and discussions showed that the scale used in data collection serves the purpose of classifying small businesses in specific stages of their development cycle. <![CDATA[<b>Cultura e desenvolvimento</b>: <b>Reflexões em torno do conceito de bacia cultural</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0873-74442011000100007&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Este artigo tem como objetivo apresentar construtos teóricos caracterizadores dos estágios de desenvolvimento organizacional da pequena empresa. A falta de consenso e de fundamentação sobre construtos teóricos para os estágios da pequena empresa dificulta o progresso da pesquisa empírica sobre o tema. Os construtos aqui apresentados foram avaliados por meio de instrumento quantitativo. Os construtos foram descritos e agrupados em quatro especificidades organizacionais da pequena empresa. O artigo apresenta resultados de uma pesquisa de campo com 71 pequenas empresas instaladas no Estado de São Paulo, Brasil. Na análise dos dados, utilizaram-se as técnicas estatísticas de Análise de Agrupamentos e de Análise de Correspondência. Os resultados e as discussões mostraram que a escala utilizada na coleta de dados atendeu satisfatoriamente o propósito de classificar as pequenas empresas em determinado estágio do seu ciclo de desenvolvimento.<hr/>This article aims to present theoretical models to describe the stages of organizational development of small business. The lack of consensus and validity about theoretical constructs for the stages of small business development hinders the progress of empirical research on the topic. The constructs presented here were evaluated with quantitative instruments. The constructs were described and then grouped in four of organizational specificities of small business. The paper presents results from a field survey of 71 small companies located in São Paulo, Brazil. Statistical techniques of cluster analysis and correspondence analysis were employed in data analysis. Results and discussions showed that the scale used in data collection serves the purpose of classifying small businesses in specific stages of their development cycle. <![CDATA[<b>Pelo pluralismo e a abertura interdisciplinar na investigação sobre a Economia</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0873-74442011000100008&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Este artigo tem como objetivo apresentar construtos teóricos caracterizadores dos estágios de desenvolvimento organizacional da pequena empresa. A falta de consenso e de fundamentação sobre construtos teóricos para os estágios da pequena empresa dificulta o progresso da pesquisa empírica sobre o tema. Os construtos aqui apresentados foram avaliados por meio de instrumento quantitativo. Os construtos foram descritos e agrupados em quatro especificidades organizacionais da pequena empresa. O artigo apresenta resultados de uma pesquisa de campo com 71 pequenas empresas instaladas no Estado de São Paulo, Brasil. Na análise dos dados, utilizaram-se as técnicas estatísticas de Análise de Agrupamentos e de Análise de Correspondência. Os resultados e as discussões mostraram que a escala utilizada na coleta de dados atendeu satisfatoriamente o propósito de classificar as pequenas empresas em determinado estágio do seu ciclo de desenvolvimento.<hr/>This article aims to present theoretical models to describe the stages of organizational development of small business. The lack of consensus and validity about theoretical constructs for the stages of small business development hinders the progress of empirical research on the topic. The constructs presented here were evaluated with quantitative instruments. The constructs were described and then grouped in four of organizational specificities of small business. The paper presents results from a field survey of 71 small companies located in São Paulo, Brazil. Statistical techniques of cluster analysis and correspondence analysis were employed in data analysis. Results and discussions showed that the scale used in data collection serves the purpose of classifying small businesses in specific stages of their development cycle.