Scielo RSS <![CDATA[Economia Global e Gestão]]> http://www.scielo.mec.pt/rss.php?pid=0873-744420090001&lang=pt vol. 14 num. 1 lang. pt <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.mec.pt/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.mec.pt <![CDATA[<b>Explicar o «atraso» português</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0873-74442009000100001&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <![CDATA[<b>O sistema de gestão nipónico de marketing</b>: <b>perspectivas de desenvolvimento em Portugal</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0873-74442009000100002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Este artigo respeita a uma das sugestões para futuras pesquisas que foram apresentadas na minha tese de doutoramento e tem como objectivo investigar a relação existente entre o sistema de gestão nipónico de marketing e a competitividade das empresas com actividade em Portugal.Particularmente, procurou-se avaliar os resultados da competitividade nas empresas quando utilizam práticas específicas de gestão nipónica de marketing.Através de testes estatísticos, foi verificado que a competitividade das empresas com capital nipónico é induzida pelos custos, pela qualificação dos recursos humanos e pelas tecnologias adoptadas.<hr/>This article refers to one of the suggestions for future research that had been presented in my doctorate thesis and aims to investigate the existing relation between the niponic marketing management system and competition in enterprises, with activity in Portugal. In particular, it was researched the competitiveness of those enterprises, when they use specific practices of Japanese marketing management. Through statistical testing, it was verified that the competitiveness of niponic capital companies is induced by costs, human resources qualification and technological process. <![CDATA[<b>O dragão chinês e o elefante indiano</b>: <b>Traços de similitude e de divergência nos processos de abertura e reforma económica</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0873-74442009000100003&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Um dos sinais indissociáveis da economia global no início deste novo século é, indiscutivelmente, a mudança do centro do crescimento económico mundial do ocidente para o oriente, em grande medida suscitado pelo ressurgimento económico chinês e indiano. Os respectivos processos de transição, caracterizados por uma maior abertura comercial e por alterações estruturais, impulsionaram a integração gradual daqueles países no sistema económico internacional. Importa ressalvar, no entanto, que, face à natureza distinta de cada um daqueles mercados, além dos diferentes percursos históricos e especificidades culturais, os dois países oferecem aos investidores internacionais condições de negócio divergentes. O presente ensaio vai ao encontro das principais diferenças e similitudes dos dois processos de abertura e reforma económica, na ânsia de melhor compreender a natureza de cada um dos mercados à disposição do investimento internacional, as suas debilidades e virtudes, naquele que já é considerado o «século da Ásia».<hr/>One of the main traces of the global economy at the beginning of the new century is the shift of focus of worldwide economic growth from the West to the East, being driven to a large extent by the Chinese and the Indian economic resurgence. Their transitional processes, characterized by greater trade openness and structural changes, boosted the gradual integration of these countries into the international economic system. However, it should be noted that given the distinct nature of each market, in addition to specific historical development paths and cultural features, they present different business environments. This paper addresses the main differences and similarities of the two transitional processes of opening up and economic reform, in order to better understand the nature of these markets highly targeted by international investors, in what is already considered to be the “Asian century”. <![CDATA[<b>A Evolução da Internacionalização</b>: <b>A Caminho de uma Nova Teoria?</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0873-74442009000100004&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt The theories of internationalization encompass a wide variety of explanatory elements that follow the firms’ responses to distorted, imperfect markets. Whilst traditional theories were concentrated on foreign direct investment and on how multinationals enlarged their involvement in international markets, recent theories have focused their attention on small to medium businesses following either a staged model or a networked approach. There has been wide disagreement regarding all theories of internationalization. This paper provides a brief literature review on the main theories of internationalization and concludes that due to the emergence of a new polycentric economic world a new theory encompassing new important factors is in strong demand.<hr/>As teorias da internacionalização agregam uma ampla variedade de elementos explicativos das respostas que as empresas têm dado a mercados imperfeitos. Embora as teorias tradicionais se tenham concentrado no investimento directo do estrangeiro e as multinacionais tenham alargado o seu envolvimento em mercados internacionais, as teorias mais recentes têm focalizado a sua atenção nas pequenas e médias empresas, seguindo, principalmente, duas abordagens: o modelo sequencial e o modelo em rede. A discussão em torno das teorias da internacionalização tem sido ampla. Este artigo fornece uma breve revisão da literatura das principais teorias da internacionalização e conclui que, devido à emergência de um novo mundo policêntrico, uma nova teoria que envolva tanto as pequenas e médias empresas como o novo policentrismo é necessária. <![CDATA[<b>Estratégias de Internacionalização e a arquitetura de competências das primeiras e últimas entrantes</b>: <b>Estudo de Caso da Indústria do Cimento</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0873-74442009000100005&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt The aim of this paper is to understand how the internationalization strategies and processes of late mover enterprises compare with those of first movers. The theory analyzed here incorporates two contributions to the regular literature on international business. First, the internationalization approach based on first and late mover theory is seldom addressed in the literature. Second, this paper focuses on the Resource Based View (RBV) and organizational competences; even though this approach is related to traditional internationalization theories, it is very often taken as secondary. The case study methodology applied has focused on an industrial analysis that allows the comparison of two groups of companies. The cement industry was selected as the object of the research, more specifically the first mover, Lafarge, and the late movers CEMEX from Mexico and Votorantim. An analysis of the cases has shown that the architectures of competences of first and late movers are different in various categories, thus suggesting that multinationals from emerging markets should explore unique competences for internationalization strategies and avoid a follower strategy.<hr/>O artigo procura compreender as estratégias e os processos de internacionalização das empresas últimas entrantes em comparação com as primeiras entrantes. A teoria aqui analisada incorpora duas contribuições para a literatura em negócios internacionais. Primeiro, a abordagem sobre internacionalização baseada no primeiro e no último entrante. Em segundo lugar, o presente documento centra-se na Resource Based View (RBV) e nas competências organizacionais. A metodologia aplicada foi o estudo de caso, para permitir uma análise comparativa dos dois grupos de empresas. Mais especificamente, a indústria de cimento com o primeiro entrante Lafarge e as late movers CEMEX e Votorantim. Os casos mostram que a arquitetura de competências das primeiras e últimas entrantes é diferente em várias categorias, sugerindo que as multinacionais de mercados emergentes deverão explorar competências exclusivas para as estratégias de internacionalização, evitando uma estratégia de simples seguidora. <![CDATA[<b><i>Country of origin bias</i> e escolhas das empresas</b>: <b>um caso de estudo no sector do arroz em Portugal</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0873-74442009000100006&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Risiculture is a historical sector in Portuguese rural life and Portugal is the leading consumer of rice consumption in the European Union. The last 30 years have seen a steady decline in the internal production of rice alongside a greater concentration of milling operations. However, the production of milled rice has increased. Moreover, the introduction of Indica varieties in local risicultural systems and distribution channels has caused a dramatic change in consumption habits. Through qualitative interviews with firms, this study analyzes what has driven entrepreneurs in the rice sector to choose the origin of their raw material; the presence of a country of origin bias is explained together with its consequences, namely in terms of the links between rice growers and rice millers. The study also analyzes the possibility of protecting local risiculture through a geographical indication of origin and it provides useful insights into the realities of the Portuguese rice sector for future research.<hr/>A risicultura é um sector histórico da vida rural em Portugal, sendo este o país com o consumo mais alto de arroz da comunidade europeia. Nos últimos 30 anos, a produção interna de arroz desceu consistentemente, com uma concentração das empresas de branqueamento. Ao mesmo tempo, a produção de arroz branqueado cresceu e a introdução de variedades Indica na risicultura local e na distribuição retalhista causou uma mudança dos consumos. Através de entrevistas qualitativas, este estudo conduz a uma análise das motivações que guiam os empresários do sector do arroz na escolha da origem do arroz Paddy, detectando a presença de um country of origin bias, e as consequências que isso causou, nomeadamente em termos das relações entre as empresas branqueadoras e os agricultores. Este estudo analisa igualmente a possibilidade de proteger a risicultura nacional através da indicação geográfica e dá uma visão global da realidade do sector do arroz em Portugal. <![CDATA[<b>Novos dados sobre a produção e venda de armas a nível mundial</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0873-74442009000100007&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt A produção e a venda de armas cresceram significativamente nos últimos anos. Esse crescimento foi particularmente notado nos EUA, graças ao aumento continuado das despesas militares americanas. Algumas empresas europeias e algumas empresas russas dos sectores da aeronáutica e dos mísseis também aumentaram as suas vendas de armas. O processo de reestruturação da indústria das armas continuou. O número de operações de Fusões & Aquisições de grande porte aumentou substancialmente. Os principais acordos foram liderados por empresas americanas e inglesas. Na Rússia, a criação de três conglomerados de grande dimensão consagrou o regresso do Estado ao controlo das indústrias da defesa. As despesas com a ID&D no domínio da produção de armas também cresceram significativamente, sobretudo nos EUA, que assim solidificaram a sua incontestável liderança no sector. O futuro da produção e venda de armas é incerto. A curto prazo é fortemente dependente da evolução da crise global. Contudo, as despesas com a ID&D militar devem continuar a crescer a bom ritmo.<hr/>Arms production and sales increased in recent years. Most of the growth came from US companies that have benefited from the continuing rise in US military spending. A few West European companies and some Russian aircraft and missile companies also increased their arms sales. The restructuring process of the arms industry also continued. The number of major merger and acquisition operations increased substantially. The largest deals were driven by US and UK companies. In Russia, the creation of three new conglomerates increased the direct control of the state over arms industry. R&D expenses in the industry also rose, mostly in the US, confirming the leadership of this country in the business. The future of arms production and sales is uncertain. In the short term, it is strongly dependent on the evolution of the global crisis. However R&D activities are expected to rise strongly. <![CDATA[<b>Sustentabilidade</b>: <b>diferentes perspectivas, um objectivo comum</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0873-74442009000100008&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt É evidente a necessidade de uma consciencialização sobre os problemas ambientais e as suas origens. Aspectos fundamentais como poluição, perda da biodiversidade e aquecimento global são efeitos colaterais do actual modelo de desenvolvimento. Neste artigo começa-se por descrever o contexto histórico e a base conceitual do desenvolvimento sustentável para posteriormente se discutir a responsabilidade dos países desenvolvidos e em desenvolvimento neste processo de mudança em prol da sustentabilidade. Enquanto os países em desenvolvimento possuem problemas como o grande crescimento populacional e a falta de tecnologia para a exploração eficiente dos recursos naturais, os países desenvolvidos consomem excessivamente estes recursos devido ao seu estilo de vida. Conclui-se que, apesar das diferenças sociais, económicas e ambientais variarem de país para país estes devem, em conjunto, encontrar soluções para um objectivo comum: a sustentabilidade.<hr/>Awareness of environmental problems and their origins is clearly a necessity. Fundamental aspects such as pollution, loss of biodiversity and global warming are effects of the current development model. At first this article describes the historical context and the conceptual basis of sustainable development and then further discusses the responsibility of developed and developing countries in the process of change towards sustainability. While developing countries have problems such as unprecedented population growth and lack of technology to explore natural resources efficiently, developed countries consume these resources excessively because of their way of life. In conclusion, despite the social, environmental and economic differences between countries, together, they have to find solutions for a common aim: sustainability.