Scielo RSS <![CDATA[Análise Psicológica]]> http://www.scielo.mec.pt/rss.php?pid=0870-823120180004&lang=en vol. 36 num. 4 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.mec.pt/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.mec.pt <![CDATA[<b>Spontaneous trait inference and transference</b>: <b>Exploring the link between names and traits</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312018000400001&lng=en&nrm=iso&tlng=en Previous research has shown that spontaneous trait inferences (STI) made from behaviors are bound to actor’s faces. Additionally, research has shown that inferred traits can also become associated with the faces of communicators of the behaviors through spontaneous trait transference (STT). In this study, we replaced the actors’ pictures by actors’ names, in order to investigate whether names of actors and communicators (e.g., Carl Smith) can also become attached to inferred traits. Under these conditions, evidence of STIs was obtained, but not of STTs. These results show that the association between traits and communicators (STT) is highly dependent on the visual salience of the communicator. In contrast, STIs occur even when actors are not visually salient. Results are discussed in terms of the processes underlying STIs and STTs.<hr/>Investigação passada demonstrou que as pessoas realizam inferências espontâneas de traços (IET) a partir de comportamentos e que esses traços de personalidade ficam ligados em memória às faces dos actores. A investigação demonstrou também que os traços inferidos podem ficar associados a faces de comunicadores dos comportamentos, através de um processo de transferência espontânea de traço (TET). No presente estudo, substituímos as faces dos indivíduos por nomes, de forma a investigar em que medida os nomes dos actores e comunicadores (e.g., Carl Smith) também ficam associados em memória aos traços inferidos. Nestas condições, obtivemos dados que comprovam a ocorrência de IETs, mas não de TETs. Estes resultados mostram que a associação entre traços e comunicadores (TET) é altamente dependente da saliência visual do comunicador. Em contraste, as IET ocorrem mesmo quando o actor não é visualmente saliente. Os resultados são discutidos em termos dos processos subjacentes às IETs e TETs. <![CDATA[<b>Parents and Internet</b>: <b>What kind of usage?</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312018000400002&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este estudo pretende examinar a eficiência com que pais e mães portugueses utilizam os recursos disponíveis na Internet como apoio na educação dos seus filhos. Participaram nesta investigação um total de 282 pais, através da resposta a um questionário online. Os resultados encontrados demonstram diferenças entre grupos socioeconómicos no acesso à Internet, bem como diferenças na proficiência parental em função da idade e níveis socioeconómico e educativo. São as mães mais jovens, de níveis socioeconómicos e educativos mais altos e com filhos mais pequenos as maiores utilizadoras e proficientes na Internet para a procura de informação educativa. Os resultados deste estudo permitem compreender os hábitos de utilização e avaliação dos pais, dando pistas para desenvolver novos estudos e recursos online. Estes resultados podem ainda ajudar a refletir sobre a forma de contornar as dificuldades de acesso à informação e de avaliação da mesma, nomeadamente nas camadas socioeconómicas mais baixas.<hr/>The present study aims to evaluate the efficiency of Portuguese parents to use the internet and the resources available as a source of educational support for their children’s education. Our sample was composed of 282 parents (mothers and fathers) whom answered an online survey. The results have shown that there are some differences between socioeconomic groups towards internet access, as well as differences in parental proficiency according to age, socioeconomic and educational levels. The younger mothers, from the highest socioeconomic and educational levels with younger children, are the largest users and the most proficient ones using the Internet for the search of educational information. These results allow us to understand parents’ habits of internet usage and evaluation, which can give us some clues for new researches and to develop new online resources. These findings can help us think of a way to outline the difficulties within lower socioeconomic population in terms of access to information and its evaluation. <![CDATA[<b>Youth positive development</b>: <b>An exploratory study carried out with Portuguese students</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312018000400003&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este estudo teve por objetivo procurar perceber como se situam os jovens portugueses relativamente a alguns parâmetros que têm sido associados com o desenvolvimento positivo dos jovens. Para o efeito, foi considerado o modelo dos 5C’s (Lerner et al., 2005), nomeadamente no que concerne à sua proposta de avaliação. Novecentos e sete alunos portugueses, de ambos os sexos e com idades compreendidas entre os 12 e os 15 anos preencheram o PYDp/red (Esperança, Dias, Brustad, & Fonseca, 2017), a versão portuguesa do Measure of PYD (Lerner et al., 2005). Os resultados permitiram constatar que os jovens apresentavam resultados mais elevados nas questões que se prendiam com o autoconceito e com uma visão positiva das suas próprias ações, demonstrando valores menos elevados no respeito pelas regras sociais e padrões corretos de comportamento, bem como na compreensão pelos outros e nos vínculos positivos. Constatou-se ainda que as raparigas apresentavam resultados médios mais elevados do que os rapazes, mas apenas se verificavam diferenças estatisticamente significativas na dimensão caráter. No que concerne à idade, existiam diferenças acentuadas nos resultados, sendo os resultados inferiores, em todas as dimensões, nos jovens que se encontravam no final da puberdade, comparativamente aos de outras faixas etárias.<hr/>The objective of this study was to understand how Portuguese young people are located in relation to some parameters that have been associated with young people’s positive development. For this purpose, the model of the 5C’s was considered (Lerner et al., 2005), in particular regarding to its evaluation proposal. Nine hundred and seven Portuguese students of both genders and between the ages of 12 and 15 completed PYDp/red (Esperança, Dias, Brustad, & Fonseca, 2017; the Portuguese version of the Measure of PYD). The results showed that young people had higher results in self-concept issues and a positive view of their own actions, showing lower values in respect of social rules and correct patterns of behaviour girls and boys, but there were only statistically significant differences in the character dimension. As far as age was concerned, there were relevant different results, with the results being lower, in all dimensions, in the young people who were at the end of puberty in comparison with other age groups. <![CDATA[<b>The influence of meaning in life and depression in multiple sclerosis</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312018000400004&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este estudo tem como objetivo analisar a influência do sentido de vida, suporte social, ansiedade e depressão na perceção de qualidade de vida de pessoas com Esclerose Múltipla (EM). A amostra, constituída por 30 indivíduos com diagnóstico médico confirmado de EM, sendo 56.7% mulheres, e com uma média de idade de 48.17 anos, respondeu aos seguintes instrumentos: questionário sociodemográfico, Escala de Sentido de Vida, Escala de Suporte Social, HADS e WHOQOL-Bref. Efetuaram-se modelos de regressão para analisar os determinantes dos vários domínios da qualidade de vida, tendo-se observado os seguintes determinantes: para a faceta Geral da Qualidade de Vida e para o domínio de Relações Sociais, a Depressão; para o domínio Físico, a Depressão e Subdiagnóstico de EM; para os domínios Psicológico e Ambiente da Qualidade de Vida observou-se um efeito significativo do Sentido de Vida e da Ansiedade. Este estudo aponta para a relevância da intervenção psicológica na melhoria da qualidade de vida na EM e, designadamente, para a importância da diminuição da sintomatologia ansiosa e depressiva e redescoberta do sentido de vida.<hr/>This study aims to analyze the influence of meaning in life, social support, anxiety and depression in the quality of life of people with Multiple Sclerosis (MS). A sample of 30 individuals with a confirmed medical diagnosis, being 56.7% women and with an average age of 48.17 years, answered the following instruments: socio-demographic and clinical questionnaire; Meaning in Life Scale; Portuguese version of the Instrumental-Expressive Social-Support Scale; HADS and WHOQOL-Bref. The regression model pointed out the following determinants for the different quality of life domains: for the General facet and Social Relations domain, the Depression; for the Physical domain, Depression and Phenotypes of MS; and for the Psychological and Environment domains the Meaning in Life and Anxiety. This study points out the relevance of psychological intervention in the improvement of quality of life in MS and, in particular, the importance of the reduction of anxious and depressive symptomatology and rediscovery of the meaning in life. <![CDATA[<b>I arrived first! Autochthony and national nostalgia as mechanisms of prejudice reduction</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312018000400005&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este estudo explorou novos mecanismos através dos quais o modelo da identidade endogrupal comum melhora as atitudes intergrupais (Gaertner & Dovidio, 2000). Especificamente, explorou-se se representações identitárias mais inclusivas de grupo único e de dupla identidade melhoram as atitudes intergrupais, através da redução da nostalgia nacional, da autoctonia e das emoções intergrupais negativas, relativamente a 3 grupos de imigrantes a residir em Portugal (i.e., africanos, brasileiros e ucranianos). Participaram neste estudo 305 participantes de origem portuguesa, que preencheram um questionário com as medidas de interesse. Os resultados revelaram que, tal como esperado, a representação identitária de grupo único esteve associada a atitudes intergrupais mais positivas (i.e., verificou-se uma diminuição da distância social e aumento dos sentimentos positivos), através da redução da autoctonia e das emoções intergrupais negativas. No entanto, contrariamente ao esperado, as representações identitárias inclusivas não estiveram associadas a atitudes positivas, através da redução da nostalgia nacional. Este trabalho mostrou, pela primeira vez, que identidades inclusivas são uma estratégia que pode reduzir a adesão a argumentos autóctones, promovendo assim atitudes mais positivas e uma integração bem-sucedida dos imigrantes que chegam à Europa.<hr/>The present study explored new mechanisms through which the common in-group identity model (Gaertner & Dovidio, 2000) improves intergroup attitudes. Specifically, it explored if common in-group identities (i.e., one group and dual identity) improve intergroup attitudes, by reducing feelings of national nostalgia, autochthony beliefs and, and outgroup negative emotions, toward migrants groups living in Portugal (i.e., africans, brazilians and ukrainians). Participants (305 Portuguese citizens) filled in a questionnaire with all the measures of interest. Results showed, as predicted, that one group representations were associated with more positive intergroup attitudes (i.e., less social distance and increased warmth), by reducing autochthony beliefs and outgroup negative emotions. However, contrary to the hypothesized, common in-group identities were not associated with positive outgroup attitudes, by reducing feelings of national nostalgia. This work showed, for the first time, that inclusive identities are a potential strategy to reduce support for autochthony beliefs, thereby promoting more positive attitudes and a successful integration of immigrants arriving in Europe. <![CDATA[<b>Infertility and relational satisfaction</b>: <b>A comparative study of dyads according to the reproductive stage</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312018000400006&lng=en&nrm=iso&tlng=en Estudos recentes sugerem que a infertilidade tanto pode ser benéfica como danosa à relação conjugal. Esta divergência deve-se, em parte, à falta de grupos de controlo adequados e à não utilização da díade como unidade de análise. Este estudo teve como objetivo testar a existência de diferenças significativas ao nível da satisfação relacional e do consenso diádico nesta variável em 358 casais, divididos em quatro grupos consoante a experiência de infertilidade e de parentalidade. Recorrendo a análises multivariadas de covariância, foram utilizadas como variáveis dependentes a satisfação relacional feminina e masculina e o respetivo consenso diádico, e como variáveis de controlo as idades feminina e masculina, a duração da relação, e a satisfação reportada pelo parceiro. Não se verificaram efeitos significativos da satisfação reprodutiva nos níveis feminino e masculino de satisfação relacional e no consenso diádico nos quatro grupos, mantendo-se os resultados após introdução das covariáveis. Pese embora a necessidade de investigações futuras que possam acompanhar os casais longitudinalmente e idealmente antes ainda de iniciar o projeto de parentalidade, estes resultados sugerem que a vivência de barreiras à fertilidade por si só não afeta a satisfação relacional.<hr/>Going through the experience of infertility has been shown to be both beneficial and detrimental to the couple relationship. This divergent evidence can be attributed to the lack of adequate control groups and not using the dyad as the unit of analysis. This study addresses these gaps by analyzing the differences in 358 couples regarding relational satisfaction and its dyadic consensus. We used multivariate analyses of covariance (MANCOVAs) to test the effect of experiencing infertility in relational satisfaction and its dyadic consensus, which were assessed through the Perceived Relationship Quality Components Inventory. Female and male age, relationship length, and the partner relationship satisfaction were assessed as covariates. Results revealed no significant differences of female and male relational satisfaction and its dyadic consensus between groups, even after introducing covariates. By using the couple as the unit of analysis and differentiating between the experience of parenthood and infertility, our results suggest that there are no differences between the various reproductive stages in the way men and women perceive their relationship, and the way they agree on their satisfaction levels. Future studies assessing developmental trajectories of couples are needed to ascertain causality. <![CDATA[<b>Collaborative practices of Portuguese school psychologists</b>: <b>An analysis of typologies and contexts</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312018000400007&lng=en&nrm=iso&tlng=en A colaboração entre psicólogos escolares e os vários serviços e profissionais da comunidade educativa é essencial para a prestação de serviços compreensivos, integrados e eficazes a alunos e famílias. Tendo por base a resposta de 477 profissionais a um inquérito eletrónico, este estudo investiga as práticas colaborativas intra e interinstitucionais dos psicólogos escolares portugueses. Os resultados encontrados sugerem que estes profissionais colaboram de forma regular, e com uma vasta gama de propósitos, com uma grande diversidade de entidades, serviços e equipas, internos e externos à escola. Entre as práticas colaborativas reportadas com mais frequência, destaca-se a colaboração dos psicólogos escolares com conselhos de turma, equipas de educação especial, comissões de proteção de crianças e jovens, e serviços de saúde. Os objetivos e a natureza das atividades desenvolvidas no contexto destas e de outras colaborações são explicitados, permitindo concretizar e colocar em evidência a natureza multifacetada do papel dos psicólogos escolares e os seus múltiplos contributos para as escolas. Implicações para a prática profissional, o desenvolvimento da profissão e futuras investigações são apresentadas.<hr/>Collaboration between school psychologists and the numerous services and professionals of the educational community is essential for the delivery of comprehensive, integrated and effective services to students and families. Based on the response of 477 school psychologists to an electronic survey, this study investigates the intra and interinstitutional collaborative practices of Portuguese school psychologists. The results suggest that these professionals collaborate regularly and with a wide range of purposes, with a great diversity of entities, services and teams, both internal and external to schools. Among the most frequently reported collaborative practices, we emphasize the collaboration of school psychologists with class councils, special education teams, child and youth protection services, and health services. The goals and the nature of these and other collaborative practices are made explicit, making it possible to highlight the multifaceted nature of the role of school psychologists and their multiple contributions to schools. Implications for professional practice, the development of the profession and future research are presented. <![CDATA[<b>Caregiving Helplessness Questionnaire (CHQ) applied to Portuguese mothers of preschool-aged children</b>: <b>A psychometric study</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312018000400008&lng=en&nrm=iso&tlng=en The child’s attachment system is complemented by a separate and reciprocal caregiving system in the parent, which guides parents’ protective responses to the child. Disruptions in the caregiving system may lead to disorganized caregiving; however, the study and knowledge of disorganized caregiving is still very incomplete and has been limited to labor-intensive and costly interviews. This study aimed to examine the psychometric qualities of the Caregiving Helplessness Questionnaire (CHQ), a screening tool for disorganized caregiving, on a sample of 200 Portuguese mothers of preschool-aged children. Confirmatory factor analysis did not confirm the structure of the original CHQ version. A five-factor solution was found as a better solution, producing five scales that correspond conceptually to major dimensions of relationship disorganization at preschool-age: Mother Helpless, Mother Frightened, Child Frightened, Child Cheers Mothers, and Child Caregiving. Reliability analysis had satisfactory results and convergent and discriminant validity were confirmed. Concurrent validity was also established by finding significant associations between the CHQ scales with variables of maternal and child domains that have been conceptually and empirically associated with disorganization. In conclusion, results supported the validity of the CHQ for Portuguese mothers of preschoolers, as a promising screening tool for disorganized caregiving.<hr/>O sistema de vinculação da criança é complementado por um sistema, separado e recíproco, de prestação de cuidados parentais, que guia as respostas de proteção do cuidador em relação à criança. Disrupções neste último sistema poderão conduzir a uma prestação de cuidados desorganizada; no entanto, o conhecimento acerca da desorganização da prestação de cuidados permanece incompleta, estando o seu estudo limitado a metodologias dispendiosas. O presente estudo pretendeu analisar as qualidades psicométricas do Caregiving Helplessness Questionnaire (CHQ), uma ferramenta de screening para a desorganização da prestação de cuidados, numa amostra de 200 mães portuguesas de crianças em idade pré-escolar. A análise factorial confirmatória não confirmou a estrutura da versão original do CHQ. Uma solução de cinco fatores verificou-se como sendo a melhor, produzindo cinco escalas conceptualmente correspondentes às principais dimensões da desorganização das relações em idade pré-escolar: Mother Helpless, Mother Frightened, Child Frightened, Child Cheers Mothers e Child Caregiving. O estudo da consistência interna obteve resultados satisfatórios e a validade convergente e discriminante foi confirmada. A validade concorrente também foi estabelecida através de associações significativas entre as escalas do CHQ e variáveis dos domínios materno e da criança que têm sido conceptual e empiricamente associadas com a desorganização. Em conclusão, os resultados suportam a validade do CHQ para mães portuguesas de crianças pré-escolares, como um instrumento de screening promissor desorganização da prestação de cuidados. <![CDATA[<b>Psychological sense of community: The study of SCI-2 scale in an association context </b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312018000400009&lng=en&nrm=iso&tlng=en O Sentimento de Comunidade é um dos conceitos fundamentais da Psicologia Comunitária. Seymour Sarason, em 1974, define-o como a perceção de pertença, interdependência e compromisso mútuo que liga os indivíduos de uma comunidade. No modelo proposto por McMillan e Chavis (1986) identificam-se quatro dimensões: estatuto de membro, integração e satisfação de necessidades, influência e relações emocionais partilhadas. A investigação tem procurado desenvolver medidas adequadas para o sentimento psicológico de comunidade pelo que no presente artigo é objetivo dos autores apresentar uma tradução e adaptação cultural da SCI-2 desenvolvida por Chavis, Lee e Acosta (2008) para um contexto associativo centrada nos seus membros voluntários (n=811). Através da análise fatorial confirmatória, verificámos que a escala evidencia um constructo multidimensional constituído pelos quatro fatores do modelo referido tendo apenas sido eliminados 2 dos 24 itens da escala original sendo que se discute a sua pertinência face ao original. O modelo resultante permite analisar e discutir o sentimento de comunidade no contexto estudado.<hr/>The Sense of Community is one of the fundamental concepts of Community Psychology. According to Seymour Sarason (1974), it is defined as the perception of belonging, interdependence and mutual commitment, gathering all individuals within a community. The model that has been defined by McMillan and Chavis (1986) comprises four dimensions: member status, integration and satisfaction of needs, influence and shared emotional relations. The research has sought to develop adequate measures for the psychological sense of community and in the present article it is the objective of the authors to present a translation and cultural adaptation of the SCI-2 developed by Chavis, Lee and Acosta (2008) to an associative context centered on its members Volunteers (n=811). The results have revealed that the factorial structure of the Sense of Community is in accordance with the proposed model by the authors, presenting a multi-dimensional structure and only 2 of the 24 items of the original scale were eliminated and its relevance to the original one is discussed. The resulting model allows analyzing and discussing community feeling in the context studied.