Scielo RSS <![CDATA[Análise Psicológica]]> http://www.scielo.mec.pt/rss.php?pid=0870-823120160001&lang=pt vol. 34 num. 1 lang. pt <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.mec.pt/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.mec.pt <![CDATA[<b>Viabilidade da monitorização da intervenção psicoterapêutica com adolescentes com recurso a aplicações móveis</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312016000100001&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt A monitorização sistemática da intervenção psicoterapêutica é determinante na avaliação da eficácia clínica de uma intervenção e na adequação da mesma às necessidades do indivíduo. Ao longo da última década, a tecnologia foi evoluindo rapidamente, bem como as aplicações tecnológicas associadas aos processos de psicoterapia. A inclusão da monitorização psicoterapêutica nos processos de intervenção psicológica surgiu enquanto necessidade atual, a par da evolução tecnológica. Assim, este trabalho de investigação surge no âmbito de um projeto dirigido à construção de uma aplicação móvel para a monitorização psicoterapêutica nos processos de intervenção psicológica. Com o objetivo de conhecer as perceções de terapeutas, acerca da viabilidade de uma aplicação móvel na realização da monitorização psicoterapêutica, provenientes de diferentes contextos, foram realizadas entrevistas semiestruturadas a 14 terapeutas. As entrevistas têm em vista a exploração da viabilidade da monitorização da intervenção psicoterapêutica com adolescentes e a pertinência do recurso a aplicações móveis no processo terapêutico. Previamente à entrevista, os terapeutas preencheram o consentimento informado, o acordo de confidencialidade e uma ficha sociodemográfica. As entrevistas foram transcritas e foi realizada uma análise semi-indutiva do seu conteúdo com recurso ao software NVivo 10. Os resultados obtidos evidenciaram que a monitorização psicoterapêutica é percecionada como relevante pelo terapeuta, não só para a sua prática profissional, como também para o próprio cliente. Os entrevistados identificaram igualmente fatores facilitadores na utilização deste tipo de aplicações móveis na prática clínica atual. Da sua reflexão acerca da viabilidade das novas tecnologias na monitorização psicoterapêutica emerge a identificação de ganhos e constrangimentos para o terapeuta e para o cliente.<hr/>Systematic monitoring of psychological intervention is a key element for evaluating the clinical efficacy of an intervention and for adjusting it to the clients’ individual needs. Over the last decade, we’ve been witnessing rapid changes in technology, as well as the emergent use of technological applications and devices in psychotherapy processes. The need for implementing psychotherapy monitoring processes has followed this technological evolution. This study is part of a larger project aimed at developing a new mobile application for monitoring psychotherapy with adolescents. Semi-structured interviews were conducted with 14 therapists from different clinical settings, with the purpose of knowing their perceptions regarding the feasibility of using a mobile application for monitoring psychotherapy processes. The interviews were aimed at exploring the feasibility of conducting monitoring procedures during psychotherapy processes with adolescents, as well as the possible relevance of using mobile applications in therapy. Prior to the interviews, therapists were asked to sign an informed consent form, a confidentiality agreement, and a sociodemographic form. The interviews were transcribed and a semi-inductive analysis of content was performed using NVivo 10 software. Results showed that psychotherapy monitoring processes are perceived as relevant by the therapists, not only for their professional practice, but also for the clients. Therapists identified factors that facilitate the use of mobile applications in current clinical practice. From their reflection concerning the feasibility of using new technologies in psychotherapy monitoring, advantages and constraints related to this process, for both therapist and client, emerged in the interviews. <![CDATA[<b>Ambiente familiar e qualidade da vinculação amorosa</b>: <b>Papel mediador da individuação em jovens adultos</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312016000100002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt A vivência estabelecida no ambiente familiar constitui um fator relevante para o desenvolvimento do processo de individuação nos jovens adultos. A qualidade da vinculação amorosa traduz, à luz da perspetiva ecológica, a transição além do seio familiar, constituindo um marco no desenvolvimento afetivo dos jovens adultos. A presente investigação tem como objetivo analisar o papel do ambiente familiar na qualidade da vinculação amorosa, bem como testar o papel mediador do processo de individuação na associação anterior. A amostra é constituída por 432 jovens adultos, com idades compreendidas entre os 18 e os 30 anos. Para a recolha de dados recorreu-se à Family Environment Scale, o Individuation Test for Emerging Adults e o Questionário de Vinculação Amorosa. Os resultados apontam para uma predição positiva do ambiente familiar face à qualidade da vinculação amorosa. Verifica-se o papel mediador do processo de individuação à mãe na associação entre o ambiente familiar e a qualidade da vinculação amorosa, no entanto, o mesmo não acontece através do processo de individuação ao pai. Os resultados serão analisados à luz da teoria da vinculação e da perspetiva ecológica de Bronfenbrenner, no sentido de discutir a importância do ambiente familiar saudável no desenvolvimento adaptativo dos jovens adultos.<hr/>The experience established in the family environment is a relevant factor for the development of the individuation process in young adults. The quality of romantic attachment represents, in the light of the ecological perspective, the transition beyond the family environment, constituting a goal in the emotional development of young adults. This research aims to analyze the role of the family environment on the quality of romantic attachment, as well as test the mediational role of the individuation process in the previous association. The sample was composed by 432 young adults, aged between 18 and 30 years. Data collection was done through the Family Environment Scale, the Individuation Test for Emerging Adults and the Romantic Attachment Questionnaire. The results suggest a positive prediction of family environment from the quality of romantic attachment. There was a mediational role of individuation in relation to mother in the association between family environment and the quality of romantic attachment process, however, the same does not occur through the process of individuation in relation to father. Results will be analyzed in the light of attachment theory and the ecological perspective of Bronfenbrenner, to discuss the importance of a healthy family environment in adaptive development of young adults. <![CDATA[<b>Espiritualidade</b>: <b>Contributos para uma clarificação do conceitos</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312016000100003&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Os estudos sobre espiritualidade têm proliferado, nestes últimos anos, no campo científico. Os investigadores tentam perceber em que medida é que ela afeta o comportamento humano, quer individual, quer coletivamente. A controvérsia reside, no entanto, em torno do constructo da espiritualidade e se este é, ou, não (in)dissociável de dois outros que remontam às suas origens conceptuais: os constructos da religião e da religiosidade. Com este artigo, pretendemos contribuir para uma clarificação daquele conceito, apontando os caminhos geradores de possíveis consensus capazes de abarcar distintas sensibilidades e ultrapassar a dispersão das definições que grassam os estudos, por forma a tornar os constructos mais consistentes, em prol da cientificidade das investigações nesta área.<hr/>Studies on spirituality have increased in recent years in the scientific field. Researchers try to understand to what extent spirituality affects human behavior, individually or collectively. The controversy lies, however, around the construct of spirituality and whether, or not, this is (in)separable of two other ones dating back to its conceptual origins: the constructs of religion and religiosity. This paper aims pointing out the possible paths of generating consensus that can encompass different sensibilities and overcome the dispersion of definitions that studies suffer, in order to bring more consistency to the constructs, on behalf of the scientificity of the studies in this area. <![CDATA[<b>Perceção de acontecimentos de vida negativos, depressão e risco de suicídio em jovens adultos</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312016000100004&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Este trabalho teve como objetivo testar dois modelos de previsão do risco de suicídio que assumem que a depressão medeia a relação entre a frequência e a intensidade de acontecimentos de vida percebidos como negativos e o risco de suicídio. Foi controlado o efeito da idade e do género dos participantes. Os dados foram recolhidos em dois momentos diferentes com um intervalo de cinco meses. Participaram 165 jovens adultos (41 homens e 121 mulheres) que responderam ao Life Experiences Survey, à Escala de Depressão do Centro de Estudos Epidemiológicos e ao Questionário de Comportamentos Suicidários - Revisto. Os dois modelos de equações estruturais testados ajustam-se aos dados de forma satisfatória. A depressão medeia a relação entre a frequência e a intensidade dos acontecimentos de vida percebidos como negativos e o risco de suicídio. Os resultados são discutidos nas suas implicações para a prática clínica, demonstrando a importância de avaliar a história de vida recente do indivíduo relativamente à percepção que este tem de determinados experiências de vida, dado que estas podem conduzir à depressão que por sua vez aumento o risco suicidário.<hr/>This study aimed to test two models of suicide risk prediction that take depression as a mediator in the relationship between the frequency and intensity of life events perceived as negative and the suicide risk. Variables of age and gender were controlled. Data were collected at two different times with an interval of five months. 165 young adults (41 men and 121 women) participated and responded to the Life Experiences Survey, the Center for the Epidemiological Studies of Depression Scale and the Suicide Behaviors Questionnaire Revised. The two structural equation models tested fit the data satisfactorily. Depression mediated the relationship between the frequency and the intensity of life events perceived as negative and the suicide risk. Results are discussed in its implications for clinical practice, demonstrating the importance of evaluating recent life history of individual's and perception that they have relatively to certain life events, as these events can lead to depression which in turn increases suicide risk. <![CDATA[<b>Programas de intervenção para o desenvolvimento de competências socioemocionais em idade escolar</b>: <b>Uma revisão crítica dos enquadramentos SEL e SEAL</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312016000100005&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Nos últimos anos tem aumentando o interesse pelos programas de desenvolvimento de competências socioemocionais implementados em escolas, face à perceção incrementada destas competências como cruciais para a promoção do sucesso escolar e na vida. Este aumento impulsionou a criação de medidas legislativas de suporte e orientação nos Estados Unidos (Social and Emotional Learning - SEL) e em Inglaterra (Social and Emotional Aspects of Learning - SEAL). O presente artigo pretende analisar as semelhanças e diferenças entre as duas abordagens, comparando vários pontos cruciais como objetivos, âmbito de intervenção, estratégia de implementação, formato dos programas, implementadores empregues e a adequação da implementação dos programas com o respetivo enquadramento teórico. Adicionalmente será analisada a eficácia e a efetividade de cada abordagem, contemplando questões como a existência de diferenças de género no impacto dos programas de desenvolvimento socioemocional, bem como a importância de envolver múltiplos informantes na avaliação dos resultados. Em suma, pretendeu-se analisar criticamente estas abordagens de forma a apoiar a implementação de programas eficazes em Portugal, bem como a identificar as temáticas que requerem investigação adicional. Pode-se concluir que são necessários estudos adicionais sobre a efetividade, o formato mais adequado e o impacto do género sobre os programas de desenvolvimento socioemocional.<hr/>In recent years there has been an increase in interest for school-based social and emotional learning programs, given the consistent data that presents this studies as crucial to the promotion of success in school and in life. In England (Social and Emotional Aspects of Learning - SEAL) and the United Stated (Social and Emotional Learning - SEL) this increase in importance led to the creation of legislation to support and guide the development of such programs. The present article aims to analyze the similarities and differences between both approaches, comparing the several crucial point such as objectives, program format, implementers and the fit between program implementation and theoretical framework. Additionally, the efficacy and effectiveness of each approach will also be given attention, focusing in the existence of differential gender impact of the programs, and the use of multiple informants to analyze program impact. In sum, the article aims to critically analyze these approaches in order to support the implementation of effective school-based programs in Portugal, as well as to identify the subjects that require further analysis. It may be concluded that additional studies about effectiveness, program format and differential gender impacts are required. <![CDATA[<b>Dispositional beliefs regarding “affect as information” determine the perception of persuasive self-efficacy</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312016000100006&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt In this paper, we approach the relationship between believing that affect informs about the validity of a claim and believing that one persuasive strategy will be more or less efficient in changing one’s own attitude. In one study, participants were asked to select from a set of features of a persuasive context those they perceived to have more persuasive power. Results showed that these selections were clearly clustered in two groups, suggesting that individuals tend to select either more cognitive features or more experiential affective features. Individual measures regarding participants’ need for cognition and faith in intuition did not explain the tendency to select more one type of cluster or another, but this selection was determined by how much people generally believe that affect informs about the validity or goodness of a claim.<hr/>Este artigo aborda a relação entre a crença de que os sentimentos nos informam sobre a validade de uma reivindicação/afirmação e a crença da eficácia de uma estratégia persuasiva sobre o próprio. O estudo apresentado pediu aos participantes que selecionassem de um conjunto de características de um contexto persuasivo as que poderiam ter capacidade de os persuadir. A análise dos resultados demostra que as seleções dos participantes agruparam as características persuasivas em características de foro cognitivo e características de foro afetivo ou experiencial. Medidas individuais quer de necessidade de cognição quer de fé na intuição não explicaram a tendência dos participantes em escolher mais um tipo de características do que outro. Esta seleção parece, antes, ser determinada pela crença manifestada pelos participantes de que os nossos sentimentos e afetos nos informam sobre a validade ou qualidade da reivindicação/afirmação persuasiva. <![CDATA[<b>Teacher Interpersonal Self-Efficacy Scale</b>: <b>Estudo de adaptação e validação da versão Portuguesa</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312016000100007&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt A Teacher Interpersonal Self-Efficacy Scale (Brouwers & Tomic, 2001) é uma escala de avaliação da autoeficácia para professores, sendo constituída por 24 itens que se organizam em torno de uma estrutura de 3 fatores: (1) Perceção de Autoeficácia na Gestão da Turma, (2) Perceção de Autoeficácia em Obter Apoio por Parte dos Colegas, e (3) Perceção de Autoeficácia em Obter Apoio por Parte dos Superiores. Da adaptação e validação da versão Portuguesa deste instrumento fizeram parte 658 professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Os resultados da análise fatorial confirmatória demonstram o ajustamento da estrutura fatorial original na amostra Portuguesa. A consistência interna e a estabilidade temporal das três dimensões revelam valores adequados. As diversas características psicométricas evidenciam a adequada validade e fiabilidade desta escala.<hr/>The Teacher Interpersonal Self-Efficacy Scale (Brouwers & Tomic, 2001) is a self-efficacy perception rating scale for teachers, consisting of 24 items that are organized in three main factors: (1) Perceived Self-Efficacy in Classroom Management, (2) Perceived Self-Efficacy in Eliciting Support From Colleagues, and (3) Perceived Self-Efficacy in Eliciting Support From Principals. In the adaptation and validation of the Portuguese version of this instrument were part 658 Elementary, Secondary and Special Education teachers. The results of the confirmatory factor analysis showed the fit of the original factor structure in the Portuguese sample. The internal consistency and temporal stability of the three scales showed adequate values. The different psychometric characteristics revealed the adequate validity and reliability of this scale.