Scielo RSS <![CDATA[Análise Psicológica]]> http://www.scielo.mec.pt/rss.php?pid=0870-823120150003&lang=pt vol. 33 num. 3 lang. pt <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.mec.pt/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.mec.pt <![CDATA[<b>Influência da familiaridade com procedimentos judiciais de interrogatório na sugestionabilidade interrogativa de reclusos reincidentes</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312015000300001&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Reconhecida a necessidade de um estudo mais rigoroso e fundamentado de factores que influenciam a exactidão dos testemunhos em contextos forenses, temos assistido a um interesse crescente, por parte da comunidade científica, pelas condições de ocorrência da sugestionabilidade interrogativa. O presente estudo teve como objetivo examinar se o contacto com procedimentos de inquirição usados pelo sistema de justiça criminal afeta a sugestionabilidade interrogativa, avaliada pela Escala de Sugestionabilidade de Gudjonsson 1 (GSS 1). Foi também analisada a relação entre a sugestionabilidade interrogativa e outras variáveis psicológicas, designadamente a inteligência não-verbal, neuroticismo, desejabilidade social e simulação ou esforço insuficiente. Recrutaram-se dois grupos de indivíduos adultos, sendo um deles constituído por 42 reclusos com várias condenações e o outro por 42 sujeitos que nunca foram submetidos a inquirições judiciais. A ambos os grupos foram administrados, individualmente, além da GSS 1, os seguintes instrumentos: Matrizes Progressivas Estandardizadas de Raven, Inventário dos Cinco Fatores NEO, Escala de Desejabilidade Social de Marlowe-Crowne e Test of Memory Malingering. Os reclusos reincidentes revelaram menor sugestionabilidade interrogativa comparativamente aos sujeitos sem contacto com inquirições judiciais. Foram apenas observadas correlações significativas entre sugestionabilidade interrogativa e inteligência não-verbal e desejabilidade social, apresentando características diferenciadas em ambos os grupos. Estes resultados sugerem que estas variáveis devem ser tidas em consideração no momento da avaliação da credibilidade de depoimentos e confissões.<hr/>Recognized the need for a more rigorous study and well-founded of the factors influencing the accuracy of testimony in forensic contexts, we have seen a growing interest on the part of the scientific community concerning the conditions for the occurrence of interrogative suggestibility. The present study attempted to analyze whether the contact with inquiry procedures used by the criminal justice system affects the interrogative suggestibility as assessed by the Gudjonsson Suggestibility Scale 1 (GSS 1). It was also analyzed the relationship between interrogative suggestibility and other psychological variables such as non-verbal intelligence, neuroticism, social desirability and malingering or insufficient effort. Two groups of adults were recruited, one of them consisting of 42 inmates with multiple convictions and the other of 42 subjects who were never subjected to judicial inquiries. In addition to GSS 1 were administered, individually, to both groups the following instruments: Raven’s Standard Progressive Matrices, NEO Five-Factor Inventory, Marlowe-Crowne Social Desirability Scale, and Test of Memory Malingering. Recidivist inmates demonstrated lower interrogative suggestibility when compared to subjects without contact with judicial inquiries. Statistically significant correlations were observed between the suggestibility measures and non-verbal intelligence and social desirability, with differentiated characteristics in both groups. These results suggested that these variables should take into account in credibility assessment of testimonies and confessions. <![CDATA[<b>A confiança em testemunhas</b>: <b>O papel das diferenças individuais</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312015000300002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Por vezes, a confiança com que uma testemunha recorda um crime relaciona-se com a exatidão da recordação. A investigação sugere que esta relação é complexa e pode ser influenciada por diferenças individuais. Neste estudo procurou-se perceber qual a influência da autoestima, impulsividade e tipo de tomada de decisão nesta relação. No procedimento apresentou-se um vídeo de um assalto, questões sobre este, e pediu-se a atribuição de julgamentos de confiança sobre as respostas. Os participantes responderam e julgaram também questões de conhecimento geral e responderam a escalas de autoestima (Rosemberg Self-esteem Scale), impulsividade (Barratt Impulsiveness Scale) e tipo de tomada de decisão (Cognitive Reflection Test). Os resultados revelam não haver influência das variáveis estudadas na calibração, sobreconfiança e exatidão das respostas, e também mostram maior subconfiança em questões de conhecimento geral comparativamente com as questões de testemunho. Os resultados indicam também que os participantes que utilizam um processo mais racional nas suas tomadas de decisão (sistema 2) apresentam maior exatidão e confiança do que os participantes que utilizam um processo mais intuitivo (sistema 1).<hr/>Sometimes, the confidence with which a witness recalls a crime relates to the accuracy of the recall. Research suggests that this relationship is complex and may be influenced by individual differences. In this study we sought to understand the influence of self-esteem, impulsivity, and processing mode in the confidence-accuracy. In the procedure, we presented a video of a bank robbery, and then the participants answered questions about it, and assigned confidence judgments about the answers. Participants also answered and judged questions of general knowledge and answered to scales that measured the variables self-esteem (Rosemberg Self-esteem Scale), impulsivity (Barratt Impulsiveness Scale) and processing mode (Cognitive Reflection Test). The results show that there is no influence of the selected variables in the calibration and overconfidence of the responses. Also, participants show greater underconfidence when answering to general knowledge questions when compared with eyewitness questions. The results also indicate that participants that use system 2 show greater accuracy and confidence than participants using system 1. <![CDATA[<b>The prevalence of personality disorders in Portuguese male prison inmates</b>: <b>Implications for penitentiary treatment</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312015000300003&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Prison inmates are known to be a population with a high prevalence of mental disorders. Most of these disorders are chronic and difficult to treat, particularly in what concerns Cluster B Personality Disorders, which prevalence in forensic samples are even higher than in the general population. This study assesses the prevalence of Personality Disorders in a sample of 294 Portuguese male prison inmates, interviewed with the Structured Clinical Interview for DSM-IV Axis II Personality Disorders (SCID-II). The results showed a global prevalence rate of 79.9%, with 42.8% of the participants diagnosed with Antisocial Personality Disorder as the main diagnosis. Paranoid, Passive-Aggressive, Borderline, and Narcissistic Personality Disorders were the most common comorbid diagnosis associated with Antisocial Personality Disorder. These results strongly suggest that Personality Disorders should be taken into account when deciding and planning the intervention inside prison.<hr/>A população reclusa é conhecida pela elevada prevalência de perturbações mentais, muitas delas crónicas e difíceis de tratar, sobretudo no que se refere às Perturbações da Personalidade do Grupo B, cuja prevalência em contextos forenses é superior à observada na população geral. Este estudo avaliou a prevalência das Perturbações da Personalidade numa amostra de 294 reclusos Portugueses do sexo masculino. Os participantes foram avaliados com a Entrevista Clínica Estruturada para as Perturbações da Personalidade do Eixo II do DSM-IV (SCID-II). Os resultados mostraram uma elevada prevalência global de 79.9%, sendo que a Perturbação de Personalidade Anti-Social foi identificada em 42.8% dos participantes como o diagnóstico principal. As Perturbações de Personalidade Paranóide, Passivo-Agressiva, Borderline e Narcísica foram os diagnósticos comórbidos mais frequentemente associados à Perturbação de Personalidade Anti-Social. Estes resultados sugerem que a patologia da personalidade é uma variável que deve ser tida em conta na decisão e na definição da intervenção em contexto de reclusão. <![CDATA[<b>Representações sociais da velhice</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312015000300004&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt O estudo analisa as representações da velhice a partir de uma amostra de pessoas idosas e de cuidadores/as formais. Os instrumentos utilizados na recolha dos dados foram o Inquérito por Questionário e o Teste de Associação Livre de Palavras. A hipótese de trabalho que formulámos é a de que a representação da velhice, sendo uma construção social, traduz uma conceptualização negativa induzida pela consciência coletiva da sociedade marcadamente caracterizada por uma ideia negativa da velhice enquanto figuração do fim da vida ativa. Em concordância com a nossa hipótese de trabalho, os resultados revelam a prevalência de estereotipia idadista associando-se a velhice, em ambos os grupos investigados, a atributos de cariz negativo nomeadamente solidão, doença e dependência. As representações aferidas não serão alheias ao modelo societário que é maléfico para a velhice, onde se rejeita o que é velho (Bosi, 1983). É, contudo, nossa convicção que as melhorias verificadas na qualidade de vida, a par da nova narrativa discursiva do envelhecimento (produtivo, saudável, bem-sucedido, positivo e ativo), poderão vir a metamorfosear o campo representacional da “velhice” aligeirando a sua carga negativa.<hr/>This study analyses the representations of old age from a sample of elderly and formal caregivers. The instruments used in the collection of data were the Survey Questionnaire and the Free Association Test words. The working hypothesis formulated is that the representation of elderly, being a social construction, reflects a negative conceptualization induced by the collective consciousness of society significantly characterized by a negative perception of old age while figuring the end of active life. Consistent with our hypothesis, the results reveal the prevalence of negative stereotyping of ageism associating old age, in both groups investigated, to the attributes of negative evaluative nature including loneliness, illness and dependence. The verified social representations will not be foreign to the corporate model that is harmful to old age, which rejects what is old (Bosi, 1983). However, it is our belief that the improvements in quality of life, along with the new ageing discursive narrative (productive, healthy, successful, positive, active), are likely to metamorphose the representational field of “old age” easing the its negative charge. <![CDATA[<b>Implicações da vinculação amorosa e suporte social na autoestima em jovens universitários</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312015000300005&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt O estudo debruça-se sobre a vinculação amorosa e a perceção de suporte social no desenvolvimento da autoestima dos jovens. A amostra é composta por 334 jovens universitários, de ambos os géneros, com idades entre os 18 e os 25 anos. O método utilizado para recolha de dados foi uma análise quantitativa. Os instrumentos utilizados, o Social Support Appraisals, o Questionário de Vinculação Amorosa e o Rosenberg Self-Esteem Scale revelaram qualidades psicométricas adequadas. Os resultados sugerem correlações positivas e negativas entre as principais variáveis de vinculação amorosa, suporte social e autoestima. A ambivalência e a dependência (na vinculação ao par romântico) sugerem um efeito negativo sobre a autoestima, ao invés da perceção de apoio dos professores que apresenta um efeito positivo na autoestima. Constatou-se também que a vinculação amorosa exerce o seu papel moderador na associação entre a perceção de suporte social e a autoestima.<hr/>The study focuses on romantic attachment and perception of social support in young adult self-esteem development. The sample is composed by 334 young adults attending university, from both genders, 18 to 25 aged. The method used for data collection was quantitative analysis. The instruments used in this investigation, Social Support Appraisals, Romantic Attachment Questionnaire and Rosenberg Self Esteem Scale showed good psychometric properties. The results suggest a positive and negative correlation between main romantic attachment, social support and self-esteem variables. On the other hand, ambivalence and dependency (in romantic attachment) suggest a negative effect on self-esteem, rather than teacher support perception that has a positive effect on self-esteem. In addition, romantic attachment presents a moderating role in the association between social support perception and self-esteem. <![CDATA[<b>Conciliação família-trabalho vivida a dois</b>: <b>Um estudo qualitativo com casais com filhos pequenos</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312015000300006&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt O presente estudo, de caráter exploratório, pretende conhecer o modo como casais com crianças pequenas conciliam a vida profissional e familiar, recorrendo a uma metodologia qualitativa. A amostra foi constituída por 8 casais de duplo emprego, 16 participantes, com filhos na primeira infância ou em idade pré-escolar, com os quais foi realizada individualmente uma entrevista semiestruturada, construída para o efeito. Na análise de conteúdo utilizou-se o QSR NVivo 8. Os resultados apontam para a existência de experiências de compensação, segmentação e sobretudo de interferência na conciliação entre o trabalho e a família. Para além das estratégias mais funcionais, emergiram nos discursos outras do domínio da intimidade, nomeadamente, a importância da atenção e respeito pelo outro, da autenticidade e do self-disclosure para um equilíbrio positivo do envolvimento familiar e profissional. O parceiro romântico é descrito como base segura e porto seguro, sugerindo que a vinculação ao companheiro amoroso e a intimidade têm um papel relevante no processo de conciliação trabalho-família.<hr/>This exploratory study aims to understand the balance between work and family domains in dual earner couples, with toddlers and preschoolers, using a qualitative method. The sample was composed by 8 couples, 16 participants. Each was individually interviewed using a semi-structured interview, designed by the authors. Results suggested that participants experience compensation, segmentation and specially spillover in their attempt to balance work and family. Some conciliation strategies emerged associated with intimacy dimensions beyond the more functional ones, such as care and respect, authenticity and self-disclosure with the romantic partner. The spouse is referred as a secure base and a safe haven, suggesting that attachment and intimacy have a role in the couple’s work-family conciliation process. <![CDATA[<b>Representações de vinculação e qualidade do brincar interativo em crianças em idade pré-escolar</b>]]> http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312015000300007&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Durante o período pré-escolar as relações que a criança estabelece com os principais cuidadores e com os pares são de importância fundamental para o seu desenvolvimento socio emocional. Contudo, são poucos os estudos acerca da relação entre a qualidade da vinculação e a forma como as crianças brincam com os pares. Pretende-se com este estudo investigar a associação entre as representações de vinculação de crianças pré-escolares e diferentes dimensões do jogo interativo das mesmas. Participaram 66 crianças, entre os 4 e os 5 anos de idade, e respetivas educadoras, de duas escolas distintas. A qualidade das representações de vinculação foi acedida através do Attachment Story Completion Task (ASCT), cujas histórias foram codificadas por três investigadores “cegos”. Os comportamentos de jogo interativo em contexto pré-escolar foram reportados pelas educadoras através da Penn Interactive Peer Play Scale (PIPPS). Detetou-se uma associação positiva estatisticamente significativa entre a Segurança das representações de vinculação e a Interação Positiva com os Pares e associações significativas negativas entre a Segurança e a Disrupção e a Segurança e a Desconexão. Os nossos resultados evidenciam a associação entre relações seguras de vinculação e o modo como as crianças interagem ludicamente com os pares.<hr/>In the preschool years, the relationships between children and their caregivers as well as with their peers have a crucial importance for children’s social-emotional development. However, few studies have analyzed the relation between the preschoolers’ quality of attachment and their quality of interactive play with peers. The main objective of the present study was to investigate the association between preschoolers’ attachment representations and different dimensions of interactive play. 66 preschool children (age ranged from 4 to 5 years old) from two schools and their teachers participated in the present study. The quality of the attachment representations was accessed through the Attachment Story Completion Task (ASCT). Each one of the stories of the ASCT was coded by three “blind” researchers, with an inter-rater reliability between 0.81 and 0.85. Interactive play in preschool environment was reported by the teachers using the Penn Interactive Peer Play Scale (PIPPS). Results show a significant and positive association between Attachment Security of and Positive Play Interaction and significant but negative correlations between Attachment Security and Play Disruption and Attachment Security and Play Disconnection. Our results show the relation between secure attachment relationships and how children playfully interact with peers and hence on their social competence.